Erro crasso: Avon tenta reverter prejuízos com a pior comunicação possível

Nos últimos 5 anos, o valor de mercado da Avon caiu nada menos do que 85% (sim, OITENTA E CINCO POR CENTO). No Brasil, o setor de HPPC (Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos) vinha crescendo ininterruptamente desde o início da década de 2000 – mas a tendência se inverteu em 2015, e 2016 decerto mostrará mais retração.

Num cenário de crescimento contínuo, era de se esperar que uma das maiores empresas do mundo deste setor tivesse bons resultados, certo? A Avon prova o contrário:

Após perder 85% do seu valor de mercado em cinco anos, a Avon está executando um plano de reestruturação mundial para tentar se recuperar. Os primeiros passos já foram dados: a companhia separou as operações da América do Norte em uma nova empresa, vendida em dezembro para o Cerberus, famoso por investir em empresas em crise. Agora o foco é enxugar custos e direcionar investimentos para países emergentes. Com isso, o Brasil, mercado número um da Avon desde 2010, ganhará mais relevância.

(…) Removidos os resultados da América do Norte, o Brasil respondeu por entre 20% e 25% da receita da Avon entre 2013 e 2015.(…) Os números da Avon dão ideia do tamanho do desafio da empresa. Desde 2012, a companhia divulga prejuízos líquidos, que somam US$ 1,8 bilhão até o primeiro trimestre deste ano, de acordo com a Economática. A margem líquida está negativa. A receita está em queda, em parte por causa da desvalorização das moedas emergentes em relação ao dólar. Mas, mesmo em real, a empresa vendeu 7% menos no primeiro trimestre.(…)

Em 2010, a Avon era a terceira empresa no mercado brasileiro de beleza e cuidados pessoais, com 8,8% de participação, atrás de Natura e Unilever, segundo a Euromonitor. Em 2015, caiu para a sétima posição, com fatia de 5,7%, superada por empresas como O Boticário e L’Oréal.(…)

No processo de reestruturação, a empresa transferiu a sede dos Estados Unidos para o Reino Unido, em busca de custos tributários mais baixos e, com o intuito de alocar as divisões globais da companhia mais perto dos principais mercados, mudou para o Brasil a base dos líderes mundiais de quatro áreas – cuidados pessoais, da linha de maquiagem Color Trend, fragrâncias femininas e masculinas. A ordem é apostar em marketing e na criação de novas ferramentas que ajudem as revendedoras a fechar negócios nas redes sociais. 

Aproveito o gancho do final do parágrafo dessa matéria do Estadão acima (íntegra AQUI) para destacar outra matéria do mesmo Estadão, publicada ontem (íntegra AQUI):

Batizada de #sintanapele, a nova campanha da Avon é estrelada por ícones da luta LGBT. O vídeo que promove o BB Cream Matte da marca de cosméticos conta com a participação de Liniker e de seus companheiros no projeto Salada de Frutas (Cozinha Mineira, Tássia Reis e As Bahias), além de influenciadores digitais como Gustavo Bonfigliori e Jéssica Tauane, do Canal das Bee. Todos dançam ao som da música Baby Baby, do Tropkillaz. O novo filme é uma sequência do vídeo lançado na última semana no qual Elke Maravilha apresenta o produto ao público.

Eu sei que eu não sou o público-alvo da Avon, portanto nem vou tentar avaliar esse texto (ou o que ele representa) sob a ótica do consumidor – afinal, até onde me recordo, o único produto da Avon que eu já usei na vida é um desodorante sem cheiro, que aliás uso até hoje. Como profissional de marketing, todavia, a estória é outra.

Começo pelo óbvio: enquanto eu lia sobre a “nova campanha estrelada por ícones da luta LGBT”, apenas uma palavra aparecia, repetidamente, na minha mente: QUEM? Quem é Liniker? Quem é Gustavo Bonfigliori? Quem é Jéssica Tauane? Quem é Tropkillaz?

Em que planeta estou? Isso é uma realidade alternativa? Sério, o único nome familiar, para mim, é Elke Maravilha. O resto da notícia não fez rigorosamente NENHUM sentido.

O segundo ponto: o público-alvo da Avon não é o “universo” LGBT. O público-alvo da Avon é formado, majoritariamente, por mulheres acima dos 30 anos, casadas e com filhos, das classes C, D e um pouco da E. Uma comunicação calcada em pessoas desse “universo” LGBT não faz sentido para o público-alvo da Avon! Isso é uma lição básica, elementar do marketing: fale com o seu público-alvo! Alguém na área de marketing da Avon faltou a várias aulas de Marketing I, né?!

Mas a situação da Avon fica ainda pior. Se ela pretende usar as redes sociais para alavancar suas vendas, seria necessário mudar a linha de comunicação. URGENTEMENTE!
Alguns dias atrás a Avon iniciou uma série de posts completamente non-sense no Twitter. Uma vergonha absoluta, que pode ser lida AQUI. Vou mostrar apenas uma parte das “interações” geradas pela comunicação estapafúrdia e cretina da empresa:

Avon_Brasil_on_Twitter_01 Avon_Brasil_on_Twitter_02 Avon_Brasil_on_Twitter_03 Avon_Brasil_on_Twitter_04 Avon_Brasil_on_Twitter_05 Avon_Brasil_on_Twitter_06 Avon_Brasil_on_Twitter_07 Avon_Brasil_on_Twitter_08 Avon_Brasil_on_Twitter_09 Avon_Brasil_on_Twitter_10

Aviso ao dileto leitor: eu fiz uma seleção, porque as respostas foram MUITAS, e eu calculo que umas 95% no mesmo sentido: a Avon enfiou os pés pelas mãos. A campanha não é apenas ruim porque burra, ou apenas burra porque ruim: ela é um verdadeiro tiro de canhão no pé da empresa. Se o objetivo era destruir a marca no Brasil, até aqui ela pode ficar satisfeita: foi plenamente atingido!

As respostas no Twitter, é evidente, não podem servir de amostragem estatisticamente válida, mas devem ser vistas como um indicativo: as pessoas normais não compram essa pauta do feminazismo. A empresa que tentar seguir esta agenda que os militontos limitantes tentam impor na base do grito vai quebrar a cara.

O público-alvo da Avon NÃO É feminazi, e portanto não quer “desconstrução masculina”; esse termo cabe numa rodinha de feminazis, que almejam a extinção do sexo masculino, mas não interessa nem às mulheres que formam a maior parte do público da Avon, e nem mesmo às verdadeiras feministas.
Aqui, preciso fazer um pequeno aparte, porque sempre cabe diferenciar: feminismo é uma coisa, feminazismo é outra. Infelizmente, nos últimos anos o feminismo foi tomado de assalto pelas feminazistas, que o transformaram numa sucessão de despautérios que extrapolam a simples ignorância e beiram a doença mental:

10408136_774697015983806_1264604084100372475_n

O feminismo era uma ideologia centrada na mulher, e buscava reduzir (ou, preferencialmente, eliminar) o preconceito contra as mulheres, mas sabia reconhecer (e preservar) as diferenças naturais entre homens e mulheres. O feminazismo, por outro lado, almeja eliminar (ou “desconstruir”) o sexo masculino, e não passa de uma carapuça tomada de assalto pela esquerda, a partir do momento em que o socialismo caiu em desgraça. Assim, ao invés de defender o socialismo que só produziu mortes e pobreza aonde foi implantado, a esquerda dominou movimentos “das minorias” (negros, gays etc) para que estes passassem a servir exclusivamente às suas agendas:

Página feminista_10Página feminista_09Página feminista_04Página feminista_07Página feminista_06Página feminista_03Página feminista_01

As consumidoras da Avon estão mais preocupadas com suas vidas, com seu dia-a-dia, e não com pautas das desocupadas do DCE da FFLCH. A imensa maioria do público-alvo da Avon não apenas não está interessada em discutir “socialismo”, como ela nem sequer se preocupa com essas bobagens politicamente corretas excretadas pelos militontos do DCE – as quais, como eu já expliquei diversas vezes aqui no blog, constituem uma pauta que interessa apenas e exclusivamente a grupelhos restritos, formados por um número ínfimo de militontos (que não representam nem 1% da população).

Uma empresa que tenta vender para mulheres casadas pertencentes às classes C, D e E quer fazer “desconstrução masculina”? Avon, o seu público-alvo é casado, tem filhos, e não quer “desconstruir” homem, não! Seu target quer um marido amoroso, um bom pai, um companheiro para a vida. Se a Avon quer vender para as 2 dezenas de militantes feminazis, é um direito dela – mas há custos envolvidos nesta decisão.

Se a empresa quer trocar a venda massificada por um nicho, estamos falando de trade-offs, trocas estratégicas. Porém, quando a Avon escolhe trocar seu público-alvo por um nicho inexpressivo (e que está mais preocupada em fazer manifestação enfiando símbolos religiosos na vagina ou no ânus), imediatamente perde o direito de reclamar quando a receita despenca mais ainda:

Avon_Brasil

Sinceramente, não me ocorre no momento um outro caso de uma campanha de comunicação tão burra de qualquer outra empresa – nem no Brasil, nem no exterior. Pode ter havido, mas de imediato não lembro.
Estou absolutamente estarrecido: como uma empresa com tanta experiência de mercado como a Avon (são mais de 120 anos de existência, sendo 55 no Brasil) tomou uma decisão tão ruim?

Esta campanha da Avon é a coisa mais absurda em termos de escolhas estapafúrdias que já vi.  Esse tipo de decisão ridícula da empresa vai acabar levando a companhia ao fundo do poço (já está caminhando, mas agora vai chegar muito mais rápido).
São erros elementares, crassos, grosseiros!

Prejuízo_da_Avon_quase_triplica_em_2015_Valor_Econômico_-_2016-07-01_00.10.02

Honestamente, fica uma perguntinha básica ao Ricardo Patrocínio, vice-presidente de marketing de beleza da Avon: quem foi o débil mental que teve esta idéia de merda? Foi proposta da JWT?

Uma segunda pergunta: quem foi o sem noção que aprovou isso?

De qualquer forma, parabéns aos envolvidos. Estão arruinando a marca Avon, e vão afundar ainda mais as finanças da empresa.

TAG Heuer versus Apple: relógios inteligentes opõem 2 empresas bem diferentes

Em maio deste ano escrevi (aqui) sobre a futura competição a ser travada entre a TAG Heuer, tradicional fabricante de relógios top de linha, com a Apple. Na época, a TAG Heuer havia anunciado uma parceria com o Google e com a Intel.

tag-heuer-connected-635x635

Ontem, finalmente, o novo produto fruto desta união foi oficialmente lançado. Os detalhes podem ser lidos AQUI.

Tag-Heuer-Connected

Ainda é cedo para mensurar resultados, obviamente, mas o site Business Insider já emitiu uma opinião: o novo relógio inteligente da TAG Heuer é o primeiro concorrente de peso para o Apple Watch, o primeiro produto que poderá, na opinião deles, não apenas fazer frente ao relógio da Apple, mas tem chances de vencê-lo a médio e longo prazos. Eis aqui as razões que eles apresentam (os grifos, como de costume, são meus):

The Apple Watch was supposed to be a big threat to established Swiss watchmking brands like TAG Heuer, whose sporty timepieces often serve as entry level luxury choices for people buying their first “real” watch.
You can pick up a simple TAG Formula 1 watch, in stainless steel, quartz-powered, for less than $1,000.

A comparable Apple Watch, once you add the $450 stainless-steel bracelet, comes in around $1,000. But of course you can spend a lot less. And the Apple Watch does a whole lot more than tell the time, which is about all the TAG F1 does.

When you move up to Omegas and Rolexes, with automatic movements and much more status appeal, you’re talking $4-8,000. Properly cared for, the Tag will last pretty much forever. So will the Omegas and the Rolexes. The Apple Watch, pointedly, probably won’t.

But the thinking before the Apple Watch launch was that Omega and Rolex were safe, whereas TAG wasn’t. If your timepiece has to say something about your taste, better to do it later with a Rolex and wear a smartwatch on a daily basis. See ya later, TAG.

TAG Heuer CEO Jean-Claude Biver clearly took this dire prediction to heart and set TAG on a course to this week introduce what to my eye looks like the first real competitor to the Apple Watch to emerge from watchmaking’s traditional Swiss stronghold: the Tag Heuer Connected.

Ironic, isn’t it, that the company the Apple Watch was supposed to do in (TAG is part of the luxury conglomerate LVMH) could be its first meaningful foe in the smartwatch wars?

Why is it so good?
When you get right down to it, smartwatches aren’t quite ready for prime time. On CNBC, Biver noted with astonished enthusiasm that since the Apple Watch was introduced, it’s sold million of units. This from a company that had never had anything to do with watches before.

Still, even the Apple Watch is basically just a watch without an iPhone to add to its functionality. And, from my perspective, not a very good watch. I’m actually not sure that Apple even knows what do with the thing, long-term.

I haven’t yet handled the TAG Heuer Connected, but it looks like the nicest smartwatch on the market (the $15,000 Apple Watch Edition, in gold, notwithstanding).

Critically, it isn’t trying to avoid being a watch. Powered by the Android Wear operating system and Intel processors, the TAG is built like a watch, with a lightweight titanium case and a rubber strap that comes in various different colors. As with most high-end watches, there are Tag logos on the crown and the clasp on the band — small details that matter to true watch fans.

It can’t say “Swiss Made” on the dial (it’s built in Asia), but it can say “Swiss Engineered” on the case. The clincher, however, is the dial, where Swiss heritage finally gets an opportunity to push back against Apple.

The Connected’s face is designed to refer very explicitly to TAG’s most famous watch, the Carrera chronograph, created by Jack Heuer as a tool for motorsport (“Carerra” recalls the Carerra Panamericana, a road race run in Mexico in the 1950s; the chronograph function allowed for relatively precise timing). Several additional face designs can also be activated. To be sure, the Apple Watch can show different faces and complications, but only TAG can really display, with crediblity, what many watch lovers consider to be among the greatest timepiece designs in history.

The Connected also comes with an interesting piece of upselling marketing, which at base is kind of passive-aggressive. At $1,500, it isn’t cheap. It will also, like all smartwatches, probably lose some functionality as it ages (it has to be recharged daily, just like the Apple Watch). But TAG has created an intriguing trade-up option. After two years, for an additional $1,500, you can unload the connected for a similar Carerra design that has a mechanical movement.

So you wind up having spent $3,000, a bargain in the luxury watch world, for a groundbreaking smartwatch that you may not like that much plus, potentially, a well-regarded modern version of TAG’s best-known watch. Sure, maybe you’ll want to upgrade to the next version of the Connected, and maybe you won’t. But if you don’t, TAG will send you home with a fine timepiece that could last decades. Yes, a bit passive-aggressive. But also savvy.
TAG’s goal here is to stay in the game as smartphones become more popular while simultaneously tapping the ambivalence that luxury watch enthusiasts have for wearable tech. If you’re going to wear something, make it a great Swiss watch. And if you do that, you don’t have the wrist real estate for a smartwatch.

The TAG Connected is the best of both worlds, although to be sure if you’re buying a smartwatch you may decide that the Apple Watch OS is simply too compelling to avoid. That said, a product has finally hit the market that could give the Apple Watch a run for its, and your, money.

A íntegra da análise pode ser lida AQUI.

tag-heuer-connected_7

Achei que a análise do Business Insider foi inteligente, assim com a estratégia da TAG Heuer. Julgando pelos argumentos que foram apresentados neste texto, sou obrigado a concordar que a Apple vai ter mais dificuldade para enfrentar este produto do que os “smartwatches” que já estavam no mercado, especialmente os da Samsung e da Motorola.

Tag-Heuer-Connected-faces

Afinal, a TAG Heuer tem uma reputação de qualidade e design que pode não apenas concorrer de frente com a da Apple, mas até mesmo subjugá-la.

Vanguarda do atraso: Brasil segue preso ao Mercosul enquanto o mundo avança

Graças à ideologia burra do PT, de Lulla e de Dilma Ruinsseff, o Brasil continuará preso à vanguarda do atraso da América Latrina conhecida como Mercosul enquanto o mundo avança – e México, Chile e Peru, para ficar naqueles mais próximos, resolveram ficar ao lado do avanço. O Brasil não corre NENHUM risco de dar certo sob a batura da incomPTente Dilma Ruinsseff.

Eis um trecho do que reportou o Valor Econômico (íntegra AQUI):

O acordo da Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), o maior acerto comercial regional da história, foi alcançado nesta segunda-feira depois de uma maratona de negociações em Atlanta no fim de semana. “Acreditamos que ele ajuda a definir as regras da rota para a região Ásia-Pacífico”, comentou o representante de Comércio dos EUA, Michael Froman.

O TPP foi elaborado para incentivar o comércio entre os Estados Unidos, Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Cingapura e Vietnã. O acerto deve eliminar gradualmente centenas de tarifas de importação assim como outras barreiras ao comércio internacional, apontou o jornal New York Times. Como esse processo ocorrerá gradualmente ao longo dos anos, os benefícios para a economia americana devem levar tempo para se materializar.

A Parceria Transpacífico estabelece ainda regras uniformes sobre a propriedade intelectual, abre a internet e trata do tráfico de animais silvestres e violações ambientais.

Enquanto países interessados em melhorar perceberam que o comércio internacional é importante, e que é importante buscar acordos com países desenvolvidos, sob o desgoverno ridículo do PT, o Brasil tenta se aproximar da escória, reforçando laços com Venezuela, Bolívia, Argentina, Equador, Cuba etc.

Curioso que no mesmo dia em que o acordo é anunciado, o que está acontecendo em São Paulo? O Estadão reporta (íntegra aqui):

Em evento que contou com a presença do vice-presidente da Bolívia, Alvaro Linera, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva minimizou a relevância do Foro de São Paulo e defendeu a criação de uma nova organização na qual as forças de esquerda da América Latina possam se articular para enfrentar a “onda conservadora” que, segundo Lula, avança na região.

“Faço o mea culpa. O PT não soube transformar em grandeza de política internacional aquilo que fizemos aqui no Brasil. O PT poderia ter feito muito mais. Nós ficamos só no Foro de São Paulo e cada vez com menos gente importante comparecendo. Temos que criar um instrumento na América Latina para unificar as forças de esquerda“, disse o ex-presidente, nesta segunda-feira, em um hotel em São Paulo.

O Foro de São Paulo é uma organização criada em 1990 que reúne anualmente dezenas de partidos e organizações de esquerda de toda a América Latina. Segundo petistas, esta não foi a primeira vez que Lula reclamou da representatividade do Foro.

“O problema é de outra natureza. Os partidos de esquerda que estão no governo é que precisam de outro espaço mais permanente. Porque o Foro tem partidos que também são de oposição”, disse Valter Pomar, ex-secretário nacional de relações internacionais do PT e ex-secretário executivo do Foro de São Paulo.

Segundo Lula, existe uma onda conservadora que põe em risco os governos de esquerda que chegaram ao poder nas últimas duas décadas em vários países importantes da América Latina como Brasil, Argentina, Venezuela e Equador. “Estou percebendo que há um avanço das forças conservadoras. Há mais agressividade, mais determinação para que este ciclo progressista deixe de existir. As coias estão ficando mais agressivas, mais delicadas”, disse Lula. […]

Ao lado do segundo homem na cadeia de comando da Bolívia, Lula revelou que foi consultado por Evo Morales, então candidato a presidente do país vizinho, sobre a possibilidade de estatizar as plantas da Petrobrás em território boliviano. “O Evo me perguntou: ‘como vocês ficarão se nós nacionalizarmos a Petrobrás’. Respondi: ‘o gás é de vocês’. E foi assim que nos comportamos, respeitando a soberania da Bolívia”, disse Lula.

No dia 1º de maio de 2006, assim que assumiu o poder, Morales determinou a nacionalização de toda cadeia de exploração de gás e petróleo da Bolívia e a ocupação militar das plantas, inclusive da Petrobrás, sob alegação de que as petroleiras ganham muito, pagam pouco ao Estado e que os contratos haviam sido fechados em governos anteriores sob suspeitas de corrupção. A estatal brasileira havia investido US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 6 bilhões) no país andino desde 1997.

Definitivamente, com essa mentalidade obsoleta, o Brasil não corre nenhum risco de dar certo. E a imprensa no Brasil, que sempre escondeu o fato de que o Foro de SP existe, e foi fundado por Lula e Fidel Castro?

2015-09-23 10.31.05Quem vota 13 merece esses imbecis como governantes.

2015-09-24 12.40.002015-09-24 21.11.582015-09-21 13.19.19 2015-10-02 14.36.27

Brasil cada vez menos atrativo: HSBC sairá do país

Mais de uma década do desastre petista.

Os resultados começaram a aparecer em 2014, estão muito mais fortes agora em 2015. E tudo ainda pode piorar muito mais. O tema de hoje está em destaque nos principais sites noticiosos (os trechos abaixo são do Valor Econômico, na íntegra AQUI):

O banco britânico HSBC esperar levantar US$ 17 bilhões com a venda de suas unidades brasileira e turca. O plano faz parte da nova estratégia do banco, detalhada nesta terça-feira durante evento com investidores, para recuperar a rentabilidade e superar as perdas ocasionadas pelo escândalo conhecido como Swissleaks, em que é acusado de ajudar clientes de alta renda a sonegar imposto e a ocultar recursos depositados na Suíça.
Além dos valores obtidos nas respectivas transações, estão incluídas a liberação de exigência de capital e ganhos obtidos em decorrência do fim desses investimentos até 2017.

O banco não detalhou quanto espera obter especificamente com a venda do HSBC Brasil, que teve prejuízo de R$ 549 milhões em 2014. Seu valor é estimado em mais de R$ 10 bilhões, sem contar ágio esperado pela “oportunidade de negócio”.

Na semana passada, Itaú, Bradesco e Santander fizeram propostas iniciais pelo banco. A reportagem apurou que elas não superaram essa faixa de preço.
Na segunda (8), começou uma segunda rodada de negociações com o objetivo de os interessados apresentarem “ofertas vinculantes”, agora com compromisso entre os dois lados.

O HSBC tem diversas razões para esta decisão de abandonar o mercado brasileiro – o que é evidente, pois não se toma uma decisão deste porte baseado apenas em 1 ou 2 coisas. Contudo, é mais do que evidente que a situação ruim do Brasil pesou na decisão (íntegra da matéria AQUI):

O banco britânico HSBC anunciou nesta terça-feira que vai encerrar as suas atividades no Brasil e na Turquia. A decisão faz parte do plano de reestruturação da instituição financeira, que quer reduzir os seus ativos em 25%, gerando, assim, uma economia de 5 bilhões de dólares até 2017.
O banco também informou que cortará 50.000 postos de trabalho, sendo a metade deles das filiais do Brasil e da Turquia, e a outra metade de outras agências espalhadas pelo mundo. O foco da companhia agora é concentrar as atenções em operações na China, Índia e México.

Em apresentação aos investidores nesta madrugada, a instituição explicou que a saída do mercado brasileiro ocorre porque, para ser um dos três maiores no país, teria de multiplicar o total de ativos por seis. Outro argumento é que as exportações do Brasil (225 bilhões de dólares) são comparativamente menores que em outros mercados em que a casa seguirá com as portas abertas, como México (398 bilhões de dólares), Emirados Árabes Unidos (373 bilhões de dólares) e Índia (324 bilhões de dólares).

O redimensionamento do banco, que também atinge outros mercados e áreas de negócios, permitirá à casa estar “alinhada com as maiores zonas econômicas e de comércio do mundo”, conforme diz o comunicado divulgado aos investidores em Londres. A saída do mercado brasileiro, porém, não será completa, restringindo-se a uma pequena operação para atender grandes empresas. “Planejamos manter presença no Brasil para atender grandes clientes corporativos com respeito às necessidades internacionais”, informa a nota.

Enquanto arruma as malas no Brasil e Turquia, o HSBC anuncia que pretende “reconstruir a lucratividade no México”. Uma das intenções na segunda maior economia latino-americana é aproveitar as oportunidades criadas com o Acordo de Livre Comércio da América do Norte, o Nafta.

A principal aposta do HSBC, porém, está na Ásia. “O HSBC planeja desenvolver negócios no delta do Rio das Pérolas, na província de Guangdong (áreas da China) e na região da ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático”, diz o comunicado. Entre as áreas que serão mais exploradas na região, estão a gestão de ativos e os seguros. Além disso, o banco quer aproveitar as oportunidades criadas pela internacionalização da moeda chinesa.
Em evento de apresentação do cenário para investidores, o executivo-chefe do banco, Stuart Gulliver, explicou com naturalidade a decisão de sair do país. “Os negócios têm gerado resultado abaixo do esperado no Brasil, Turquia, México e Estados Unidos. O que vamos fazer é vender o Brasil e a Turquia e mudar no México e EUA”, afirmou. Em relação à segunda maior economia da América Latina, o tom foi diferente. “O quadro é diferente no México, onde a economia é aberta e há 11 reformas em curso”, disse o executivo que destacou que a participação das exportações no PIB mexicano supera até a da China. “É lógico estarmos no México, uma economia aberta, com reformas e ligada aos Estados Unidos”, completou.

A decisão do HSBC faz todo o sentido. O banco passa por uma situação complicada, apenas piorada pelo caso “Swissleaks”. Neste contexto, manter as operações num ambiente como o Brasil não ajuda nada – pelo contrário, só piora.

O desastre causado pelo PT tem relação direta com a perda da competitividade do país no comércio mundial, a crise econômica gerada pela incompetência de Dilma e Lulla, as escolhas do Brasil em alinhar-se a países com economia ruim e ditaduras vagabundas como Venezuela, Cuba e Argentina…e a lista é longa. E ruim – como mostra esta matéria do Valor Econômico de 08/06/2015:

Balanço divulgado hoje pela Anfavea, entidade que representa as montadoras instaladas no país, mostra que os fabricantes de veículos e tratores agrícolas eliminaram 1,38 mil postos de trabalho no mês passado.
O setor terminou maio empregando 138,2 mil pessoas, 1% a menos do que em abril. O resultado leva para 6,3 mil metalúrgicos o número de demissões desde o início do ano. Desde novembro de 2013, quando as montadoras iniciaram o atual ciclo de ajuste de mão de obra, 21,4 mil vagas já foram eliminadas.
Só a Mercedes-Benz anunciou no fim de maio demissões de 500 operários em sua fábrica no ABC paulista, mas parte desse contingente pode não ter entrado nas estatísticas do mês, já que muitas das demissões só devem ser homologadas em junho.

Os estragos causados pelo PT transformaram o Brasil num país refratário a investimentos. E o Estado fica cada vez mais inchado, mais caro…

2015-04-21 01.14.49

Em suma, o Brasil está em meio a uma crise econômica que não víamos há muitos anos; há uma crise política jamais vista nos últimos 40 anos; as pessoas estão endividadas, receosas por perder o emprego (sem falar nas que já estão perdendo) e extremamente pessimistas com relação ao seu futuro; as empresas não têm pretensão de investir num ambiente de incertezas; a carga tributária, que já é recorde, parece que vai aumentar ainda mais, porque os incompetentes em Brasília acham que precisam ter 40 ministérios e 23 mil cargos de confiança, o que eleva os gastos do Estado às alturas.

Freada_da_economia_corta_552_mil_postos_de_trabalho_formal_no_País_-_Economia_-_Estadão_-_2015-06-07_03.46.46

Como se tudo isso não bastasse, quem está em posição de consertar os rumos do Brasil é justamente o grupo de boçais que colocou o Brasil nesta situação péssima.

11428004_889831371074675_3578459912179536439_n

2015-03-31 12.07.15

Não dá vontade de fazer como o HSBC e sair dessa espelunca?

Competitividade: Brasil registra sua pior colocação da história

Quero começar por um aspecto agradável: pequenos trechos de uma ótima entrevista com Michael Porter:

Infelizmente, é preciso tratar agora do aspecto desagradável… Primeiro, a notícia que li no Valor Econômico:

O Brasil atingiu a sua pior marca em ranking de competitividade divulgado pelo instituto suíço IMD. Dentre 61 países analisados sob diferentes critérios, o Brasil ficou com a 56ª posição, à frente somente de Mongólia, Croácia, Argentina, Ucrânia e Venezuela. A piora não é recente: o país perdeu 16 posições no ranking desde 2010. A diferença dessa vez é que a queda foi comandada pelo desempenho da economia. Em seis anos, o índice de competitividade brasileiro caiu 20%, afastando o país das nações mais competitivas do mundo.

“O Brasil tem bons fundamentos, mas está perdendo oportunidades”, diz o porta-voz global da pesquisa, Arturo Bris. “O fato é que o país vai ter que pagar um certo preço para se tornar competitivo”, diz ele em referência a reformas que considera importantes, como a trabalhista. O ‘World Competitiveness Yearbook 2015’, publicado pelo IMD desde 1989, analisa como 61 países criam e mantêm um ambiente que sustente a competitividade de suas empresas, gerando condições para um crescimento econômico sustentável. Aqui no Brasil, a Fundação Dom Cabral (FDC) foi a responsável pela coleta e análise dos dados. No topo da lista de 2015 estão os EUA, Hong Kong, Cingapura e Suíça. Entre os latino-americanos, o Chile se mantém na melhor posição (35º lugar), seguido do México (39º). Entre os asiáticos, o destaque continua sendo a Malásia na 14ª posição, seguida da China, na 22ª posição. Como fatores críticos à competitividade, a pesquisa analisa desempenho da economia, eficiência do governo e dos negócios e a infraestrutura. As maiores perdas do Brasil vieram do desempenho da economia. O crescimento de apenas 0,1% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014, ao lado da previsão de contração de 1% em 2015, dificuldades em controlar o déficit fiscal e a inflação, cuja previsão é chegar a 8,2% em 2015, contribuíram para a má avaliação.

A inserção do país no comércio internacional é vista como obstáculo, com um indicador de exportação de produtos em proporção do PIB de 9,59%, ante média mundial de 41,44%. A queda das commodities prejudicou o país.
Conhecido gargalo à competitividade, a infraestrutura tem colocado o Brasil há vários anos entre os piores do ranking.
Segundo a pesquisa, a crise hídrica, que vem afetando o abastecimento de energia e de água no último ano, contribui para a queda do país nessa categoria, e o risco de racionamento ainda é um dos principais desafios competitivos ao país.

No quesito infraestrutura tecnológica e educacional, mesmo com os aumentos dos investimentos públicos em educação no último ano, de 5% para 5,8% do PIB, o país ainda ocupa as últimas posições em quase todos os indicadores de percepção da qualidade da mão de obra e da educação técnica e fundamental.

Pois é, o Brasil está indo ladeira abaixo.

Desde 1994 o Brasil está sob a direção de partidos de esquerda – primeiro com a esquerda metida a intelectual chique de perfume francês do PSDB, e depois (a maior desgraça) a esquerda sindicalista que se orgulha da própria ignorância mas tem a mesma prepotência vazia da primeira, com o PT. Ainda que o Fernando Henrique tenha feito algumas coisas boas para a economia do país (Plano Real, Lei da Responsabilidade Fiscal, algumas privatizações etc), foi insuficiente. Contudo, algumas destas ações do FHC criaram inegáveis benefícios, haja vista que a situação do Brasil ANTES do Plano Real era absolutamente medonha – tipo a Venezuela hoje.

Mas o pior foi que logo depois começou um tenebroso período que já dura 13 anos em que o Brasil simplesmente deixou de ter rumos. Com Lulla e, agora, Dilma, o Brasil está completamente perdido. E a crise econômica (e política, e moral, e ética etc) que está crescendo a cada dia só tende a piorar tudo. A ideologia burra da dupla Lulla+Dilma afastou o Brasil do comércio internacional, porque os boçais do PT preferem usar dinheiro do BNDES para financiar ditadores em Cuba, Venezuela e na África, ao invés de financiar empreendedores brasileiros e buscar parcerias com países decentes e de primeiro mundo, como Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra etc.

2014-02-18 12.05.41

O resultado das desastrosas decisões da dupla Lulla+Dilma está aí: entre 61 países, o Brasil ocupa a 56a. posição, “ganhando” apenas de Mongólia, Croácia, Argentina, Ucrânia e Venezuela. Aliás, repare, dileto leitor, que os 3 países da América do Sul (Argentina, Brasil e Venezuela) têm mais coisas em comum:

msantoro1978_2015-May-26

Não é coincidência, não: Argentina, Brasil e Venezuela são os únicos países das Américas que terão crescimento NEGATIVO em 2015. Há, nisto, uma combinação de ideologia burra (“bolivarianismo” ou qualquer porcaria equivalene) e incompetência (Chávez/Maduro, Lulla/Dilma e Cristina Kirchner).

Mas por que o Brasil não consegue ser competitivo? O que precisaria mudar?
Há diversas razões, evidentemente. O primeiro passo é tirar essa gente do PT do poder, porque a ideologia tosca impede a tomada de decisões inteligentes (e necessárias). E depois disso?

Um bom começo para entender o que fazer está aqui:

O crescimento no longo-prazo de uma economia pode se dar de duas formas, não excludentes. Em primeiro lugar, através de um aumento na quantidade de insumos utilizados na produção;  um aumento da força de trabalho e maior acúmulo de capital físico (máquinas, estradas, ferrovias, etc) e humano (trabalhadores mais educados e qualificados, que possam fazer uso melhor dos ativos físicos disponíveis) são exemplos  de formas pelas quais isso pode se dar. Em segundo lugar, para uma dada quantidade de insumos, melhores formas de combiná-los induzirão maior produção.

Essa melhor forma de se combinar insumo pode se dar dentro de uma dada empresa – através de inovações em gestão, por exemplo – ou na economia como um todo – o processo de se realocar recursos de atividades menos produtivas para atividades mais produtivas é um exemplo. Ao componente associado à forma pela qual insumos são combinados, numa economia, os economistas dão o nome de Produtividade Total dos Fatores (TFP, na tradução para o inglês).

Qual a importância relativa dessas duas formas de se induzir  crescimento? Embora haja problemas óbvios de mensuração, é possível tentar medir a quantidade de insumos numa economia. Medir a TFP de uma economia, no entanto, é bastante difícil. Entretanto, a taxa de crescimento de uma economia é observável; como também observamos (ainda que de maneira imperfeita) as taxas de crescimento dos insumos utilizados, podemos inferir, portanto, a TFP por resíduo.  O prêmio Nobel de Economia Robert Sollow foi o primeiro economista a tentar decompor o crescimento do produto em crescimento no uso de insumos e variações na TFP. Seu trabalho, publicado em 1957 (“Technical Change and the Aggregate Production Function”, Review of Economics and Statistics) encontrou que uma espantosa fração de 87.5% no crescimento do produto per capita dos EUA deveu-se a aumentos de TFP e somente 12.5% era devido a acúmulo de capital físico. Muitos estudos se seguiram ao de Solow e confirmaram a brutal importância da TFP para o crescimento americano. A importância da Produtividade Total dos Fatores para crescimento não parece ser uma particularidade americana. De fato, Jones e Romer (2010, “The New Kaldor Facts: Ideas, Institutions, Population and Human Capital”) documentam forte correlação entre PIB per capita de diferentes países e TFP; o que sugere que diferenças em TFP são importantes para explicar a variação de PIB per capita entre países. É importante enfatizar que, mesmo incorporando-se medidas de acúmulo de capital humano e levando-se em consideração medidas que captem inovação e investimentos em P&D, o resíduo atribuível a TFP mantém-se alto. Consideremos o caso brasileiro. A Figura mostra, desde o ano da estabilização (1994), a evolução de nossa renda per capita em Paridade de Poder de Compra (PPC) em relação à norte-americana, assim como os quatro fatores que compõe o crescimento, conforme sugerem os modelos econômicos: estoque de capital (máquinas), estoque de trabalho (número de trabalhadores), estoque de capital humano (medido pela escolaridade média dos trabalhadores) e pela TFP. Todas as variáveis estão em relação ao EUA (considerado comumente considerado a fronteira) e foram normalizadas para 100 em 1994.

Em 1994, a renda por trabalhador brasileiro era quase 20% da renda por trabalhador norte-americano. Nos 17 anos até 2011, tiramos um pouco a diferença: em 2011 o trabalhador brasileiro produzia 24%  do que produzia o trabalhador norte-americano. Vemos no gráfico que a diferenças relativa entre os trabalhadores brasileiro e norte-americano diminuiu pouco mais de 20%. De onde veio essa diminuição? Veio, principalmente, da acumulação de capital físico. Em 1994, tínhamos 11% das ‘maquinas’ que os norte-americanos tinham. Em 2011, quase 28%. Em termos relativos, um crescimento de 180% em relação aos EUA. A acumulação da capital humano – medido por uma função nos anos de escolaridade – não fez feio. Em 1994, o brasileiro tinha 54% do capital humano do norte-americano. Em 2011, 67%, ou seja, um crescimento relativo de quase 25%.

Por que o produto por trabalhador cresceu só 21% em relação aos EUA, se o capital humano cresceu 25% e o capital físico astronômicos 180%? Simples: porque a produtividade dos fatores, ou seja, como combinamos  nossos recursos, teve um desempenho pífio. Regredimos. A TFP brasileira, que já era baixa em relação à norte-americana em 1994 (59%), despencou ainda mais, atingindo 48% da produtividade norte-americana em 2011.

Em suma, tudo o que avançamos foi por conta de acúmulo de fatores, seja capital ou capital humano. Na produtividade, fomos muito mal. Ou seja, naquilo que a literatura sabe que é o fator que mais explica a diferença entre países, a TFP, não fomos bem. Por isso avançamos pouco em relação à fronteira, que é os EUA.

Recomendo fortemente a leitura do artigo do Vinícius Carrasco na íntegra, AQUI.

Quais as melhores estratégias para enfrentar a Apple nos produtos “vestíveis”?

Escrevi na semana passada (AQUI) sobre o novo relógio da Apple, recém-lançado, e ainda sobre a parceria entre o Google, a TAG Heuer e a Intel (AQUI).

O fato é que a Apple vendeu, em poucos dias, mais de 1 milhão de relógios, enquanto o Google não conseguiu atingir o mesmo número ao longo de todo o ano de 2014.

Como enfrentar uma empresa do porte da Apple, com produtos excelentes, dinheiro para propaganda, rede de distribuição mundial e, mais importante, dona de um ecossistema que atrai o consumidor pela facilidade?

Um artigo na Fast Company de hoje dá uma boa visão sobre isso, e inclusive propõe algumas possibilidades:

Although Apple hasn’t revealed any official sales numbers—and says it doesn’t plan to—several unofficial estimates claim that Apple has at least cracked the 1 million sales mark. Google’s Android Wear platform only shipped 720,000 units in all of 2014, according to Canalys.
Just as it did with smartphones and tablets, Apple has essentially created the smartwatch market. But don’t write off Android Wear just yet. Through a series of seemingly low-key changes, Google is quietly positioning itself for a stronger second act.

A few weeks ago, Google announced Android Wear 5.1.1, and while the version number doesn’t suggest major improvements, the update will make third-party apps much more useful.
One notable change extends Android Wear’s always-on display capabilities to third-party apps, so they can leave information on the screen in a low-power, black-and-white mode. Prior to the update, Android Wear would always revert to the clock screen after a few seconds of inactivity, regardless of what you were doing.
[…]
Google will also make it easier to open smartwatch apps in the first place, with a launcher that users can open by tapping on the main screen. When Android Wear first launched, Google seemed to deliberately hide the launcher, preferring that app makers focus on actionable notifications. But developers say Google may have gotten ahead of itself with that plan.
“My guess is they went a bit too fast going notification-only and they found users are confused by the lack of structure,” says Q42 developer Taco Ekkel, who created an app for controlling Philips Hue light bulbs. “The notification-instead-of-apps model is the future, but people (both users and many app developers) need time to get there.”
In the meantime, the launcher will give users easier access to functions that might not come up through notifications alone. Aaron Sarazan, who leads Android development for the personal finance app Level Money, says notifications are great for showing a record of recent transactions, but not so much for letting users look up how much they can spend. “Just by virtue of removing the number of taps to get to the app list, that helps a lot,” he says.
Google’s original vision for Android Wear had little to do with launching apps on your wrist. Instead, Wear was supposed to deliver information in just the right context, either through app notifications or cards from Google Now.
It was the right idea, but the execution was flawed. In many cases, Google Now can be useless (as in every time it offers directions back to work from your lunch break), creepy (like when it reminds you of recent Google searches), or just annoying (like when it pesters you with updates from a site you visited once). Turn off enough of the things that bother you about Google Now, and you may not be left with much. This in turn puts undue pressure on notifications, which themselves can be bothersome without careful pruning.
[…]
Google Now, for instance, is already available for iOS, and while the new third-party integrations are currently Android-only, it’s possible that this could change in the future. The same could be true for Google’s Custom Voice Actions.
As for standalone apps, Level Money’s Sarazan says getting them to work with a paired iPhone probably wouldn’t require much work, especially if Google provides an API to forward data to the watch over Bluetooth. “Maybe it would have to use a different Bluetooth protocol but that would probably be trivial for the end developer,” he says. Between standalone apps, Google Now, and voice actions, Android Wear might not even need actionable notifications to feel like a capable platform.

In any case, Google has time to get it right. The smartwatch industry is still young, and while the Apple Watch is getting most the attention, the developers I spoke with aren’t walking away from Android Wear anytime soon. With better software and a wider potential user base, Google’s smartwatch platform still stands a fighting chance.

O artigo pode (e deve) ser lido na íntegra AQUI.

applewatch1

Cabe lembrar: o Google já colocou o Android em geladeiras, fornos microondas, relógios, óculos, coleiras de cachorros e uma infinidade de itens. Até agora, contudo, ele não conseguiu resultados muito inspiradores. Evidentemente, há tempo de reverter isso – mas agora ele tem que se preocupar com o relógio da Apple e, dependendo dos resultados que este relógio obtiver, a Apple poderá lançar alguns produtos derivados dele. Isso, sim, dificultaria sobremaneira a vida do Google.

O impacto de mudanças nas leis nos negócios das pequenas empresas

Aproveitei o feriado prolongado para colocar em dia a leitura dos meus RSS de blogs que gosto (mas estava difícil acompanhar por falta de tempo), e me deparo com este texto do Mansueto Almeida (íntegra AQUI):

Nesta terça-feira, dia 24 de março de 2015, o Senado Federal aprovou o PLS 201 (clique aqui) que modifica a cobrança do ICMS quando empresas, sujeitas a contribuição do ICMS pelo mecanismo de substituição tributária, venderem para microempresas e empresas de pequeno porte enquadradas no SIMPLES.

O que significa isso para nós leigos? uma coisa muito simples. Uma empresa grande, por exemplo, de refrigerante, quando recolhia o ICMS pelo mecanismo de substituição tributária pagava a alíquota cheia independentemente de vender para empresas grandes (supermercados) ou a mercearia do seu Raimundo  (uma vendinha pequena enquadrada no SIMPLES).

Esse tipo de operação não causava problema algum para operações entre grandes empresas, mas para o seu Raimundo causava problema porque ele pagava o preço com o ICMS cheio incorporado ao preço do produto e não gerava crédito tributário (ou gerava um crédito tributário difícil dele compensar porque já pagava uma alíquota menor de ICMS). E agora? Bom, agora, com o PLS 201 aprovado nesta semana pelo Senado Federal,  quando uma empresa grande vender para a mercearia do seu Raimundo só poderá cobrar um ICMS de 3,95%.

Isso significa, na prática, que o seu Raimundo vai comprar os biscoitos, leite e refrigerantes mais baratos, porque o ICMS incorporado no preço do produto será menor, e os estados perderão em conjunto uma receita anual de cerca de R$ 10,7 bilhões, de acordo com as  simulações feitas por assessores técnicos no Senado Federal. Se a lei for aprovada na Câmara dos Deputados e sancionada pela Presidente o efeito será imediato: governos estaduais perderão ao longo de 12 meses R$ 10,7 bilhões. Os estados terão mais uma perda de receita e ficará ainda mais difícil cumprir o primário.

Ao ler coisas assim, é inevitável me lembrar de como as pequenas e médias empresas têm dificuldades para acompanhar as mudanças nas leis que têm impacto direto no dia-a-dia de seus negócios. Neste caso específico, a mudança é boa para as pequenas e médias empresas que recolhem ICMS, mas os Estados não vão gostar muito disso.

E houve também a recente aprovação de mudanças na legislação tributária envolvendo o comércio eletrônico, que vai causar um rombo nas finanças do Estado de São Paulo, mas vai acabar beneficiando Estados periféricos, nos quais poucas empresas têm suas sedes. Desta forma, o Estado de São Paulo vai continuar bancando o governo federal, o que significa menor capacidade de investimento nas áreas de responsabilidade do Estado, como segurança e educação.

A propósito: é interessante perceber o valor obsceno que pagamos de impostos, taxas e tributos, e o retorno PÍFIO que obtemos do governo – nas áreas como saúde, educação, segurança, infra-estrutura etc.