Por que NINGUÉM previu a pior crise econômica do Brasil desde 1930?

A pergunta do título é uma provocação. Na realidade, MUITA gente previu, alertou, avisou e adiantou que o Brasil passaria por uma crise fortíssima. Estava escrito de forma clara, em Outubro de 2014, num manifesto assinado por 164 economistas:

1) Não há, no momento, uma crise internacional generalizada

2) Neste cenário de baixo crescimento e inflação alta, a semente do desemprego está plantada. E os avanços sociais obtidos com muito sacrifício ao longo das últimas décadas estão em risco.

3) O atual governo tenta se eximir de qualquer responsabilidade pelo nosso desempenho econômico pífio e culpa a crise internacional. Entretanto, como a realidade dos fatos mostra que não há crise internacional generalizada, a explicação só pode ser outra.

4) Em grande parte, atribuímos o desempenho medíocre da economia brasileira e a perspectiva de retrocesso nas conquistas sociais às políticas econômicas equivocadas do atual governo.

5) O atual governo ressuscitou os fantasmas da inflação e da instabilidade macroeconômica.

6) O governo Dilma amedrontou os investimentos.

7) O atual governo expandiu a oferta de crédito subsidiado de forma discricionária e irresponsável.

A íntegra deste manifesto pode ser lida AQUI.

Vamos a alguns exemplos mais específicos? Como ponto de partida, uso um post do economista Roberto Ellery (que, por sinal, foi um dos signatários do manifesto mostrado acima) em sua página no Facebook (AQUI):

Roberto_Ellery_-_Hoje_me_deparei_com_o_seguinte_trecho_escrito_por..._-_2015-11-13_06.54.31

O Roberto já indica, inclusive alguns links. Vamos a eles, então.

Em 15/09/2015, o Leandro Narloch escreveu (AQUI) um texto intitulado “Os economistas que previram a crise”. Vale a pena destacar alguns trechos:

“A troca de crescimento por inflação não é estável; com o tempo, o resultado é apenas inflação mais alta”, disse o economista Alexandre Schwartzman em janeiro de 2012.
“O mais grave do quadro atual é que este governo não demonstra que conhece – ou que concorde – com a importância da preservação do tripé macroeconômico. Portanto, ele corre o risco de desabar”, afirmou a jornalista Beatriz Ferrari na Veja de 18 de abril de 2011.
“Risco é que grau de investimento seja retirado em 2015”, diz uma reportagem do Valor Econômico de novembro de 2013. Paulo Vieira da Cunha, um dos economistas ouvidos pelo Valor, disse: “quem está rodando modelos de análise da dívida pública já vê que ela não é sustentável em um horizonte mais longo, entre 2015 e 2016”.

E aí, o Leandro destaca um artigo do Adolfo Sachsida que merece ser reproduzido:

Em 2014, como sempre acontece em ano de eleições, o gasto público dará um salto. Inclua nesse cenário a avalanche de medidas provisórias e intervenções governamentais na economia de todo tipo, inclusive as do BNDES, que aumentam o gasto público e favorecem setores eleitos pelo governo em detrimento do restante da sociedade.

Em 2015, primeiro ano do novo governo eleito, será o momento de pagar a conta da irresponsabilidade fiscal e monetária do passado. Economizem dinheiro, pois quando a crise chegar quem tiver liquidez (dinheiro em caixa) vai conseguir fazer excelentes negócios. A partir de 2015 o Brasil amargará o mesmo tipo de cenário que já enfrentou no começo dos anos 1980.

A íntegra desta análise do Sachsida está AQUI.

Por favor, leia na íntegra. Já leu? Ainda não? Ok, eu aguardo: vá ler.

Pronto?

Faço questão de destacar que o texto do Sachsida é de 14 de SETEMBRO DE 2012. Naquela época, todo mundo que criticava a política econômica desbaratada, irresponsável e inconsequente praticada pela Dilma era criticado. Quem se lembra do PESSIMILDO? Peço perdão antecipado ao leitor, mas não resisti: vou mostrar aqui uma imagem forte, violenta, nojenta mesmo.

Trata-se da página do lixo Brasil 247 (pode chamar de 171 que ele atende – aliás, basta chacoalhar um maço de dinheiro que ele atende e obedece também, abana o rabo, faz tudo):

PT_cria_Pessimildo_contra_críticos_de_Dilma_Brasil_24_7_-_2015-11-13_05.30.35

Em 16 de Setembro de 2014, este libelo do petralhismo na blosta (blogosfera de bosta) estampava a seguinte pérola:

O marqueteiro João Santana lançará no horário eleitoral o “Pessimildo”, personagem rabugento que ironiza os críticos do governo Dilma.
Inspirado em figuras ranzinzas do cinema e da TV, como o Gru, do “Malvado Favorito”, e “Seu Saraiva”, do programa de TV “Zorra Total”, ele satiriza ataques de adversários da presidente.
“Viu que os empregos continuam subindo?”, indaga um locutor. “Tudo o que sobe, desce”, contradiz “Pessimildo”.
Cada cena será encerrada pelo mote: “Chega de pessimismo. Pense positivo, pense Dilma”.

É ou não é um exemplo perfeito do Jornalismo da Esgotosfera Governista – vulgo JEG ? A propósito: outro site do JEG, o ” Diário do Centro do Mundo” (pode chamar de Diário do Cu do Mundo que combina mais com o cheiro que exala de lá) publicou AQUI um texto ABSOLUTAMENTE IDÊNTICO. Quem plagiou quem? Não sei, e não me importo – esses sites alugados, feitos por “jornalistas de nariz marrom” se merecem. A figura abaixo resume bem o amontoado de lixo que trabalha para desinformar:

Esgotosfera
FUJA!!!!! Se receber um link ou um “texto” oriundo de qualquer site destes, suja, pois ali só bastéria e rato sobrevive.

Preciso registrar, primeiro, que João Santana ser chamado de “marqueteiro” é uma ofensa. O que este senhor faz é PROPAGANDA ENGANOSA, não marketing.

Em segundo lugar: por que os pessimildos desapareceram? Perderam o emprego? Estão inadimplentes? Não conseguem pagar a conta de luz?

Em terceiro lugar: aqueles que a propaganda enganosa do PT chamou de pessimildos incluem os economistas que alertavam sobre os erros cometidos pelo PT? Simples assim.

Eis aqui um dos vídeos do Pessimildo – e repare que ele começa falando justamente dos empregos, e depois ainda fala de uma “crise mundial” que não havia em 2014 e continua não havendo hoje:

Aliás, por falar em vídeos, quem lembra daquele em que a campanha da Dilma acusava a Marina Silva de querer entregar a economia aos banqueiros malvadões que iriam aumentar a taxa de juros, resultando em menos comida no prato dos brasileiros?

E o que foi que aconteceu alguns dias após o segundo turno das eleições?

Firefox 78

Cadê o pessimildo agora, Dilma?

Em tempo: no post do Roberto Ellery, ele menciona “um famoso economista que foi ministro de Sarney e FHC”. Ele está se referindo a Luiz Carlos Bresser-Pereira, que concedeu longa entrevista publicada pela Folha AQUI.

Com relação a esta entrevista, aliás, tenho algumas considerações também.

Primeiro, que o Bresser-Pereira escreveu um dos melhores livros que existem, em português, sobre burocracia e organizações. Uso muito esse livro nas minhas aulas, e trata-se de um primor.

Justamente por isso, acho lamentável, deplorável, que ele tenha descambado a falar/escrever tanta merda. O sujeito perdeu o rumo completamente! Dá pena de ler/ouvir certas besteiras homéricas que o sujeito insiste em repetir. A entrevista publicada pela Folha traz alguns exemplos. Não sei, honestamente, se sinto pena por um sujeito outrora inteligente ter-se perdido desta forma, ou se fico apenas com a ojeriza e repulsa pela burrice que lhe restou.

Um exemplo (referenciado pelo Roberto Ellery):

O sr. apoiou a Dilma na campanha. Ela prometeu uma política econômica e ao ser eleita aderiu a outra, fazendo cortes até em áreas como educação e saúde. Houve estelionato eleitoral?

Bresser – De nenhuma maneira. A Dilma cometeu erros graves como a irresponsabilidade fiscal, que atribuo ao desespero. Não conseguia fazer o país crescer e, de repente, acreditou na bobagem de fazer uma política industrial agressiva.
Mas, em outubro de 2014, quem estava prevendo que o Brasil entraria em uma gravíssima recessão econômica, com queda de 3% do PIB? Ninguém. Não sabíamos. A economia é uma cienciazinha muito modesta, só é perfeita na cabeça dos economistas ortodoxos. Só se começou a falar em crise em dezembro.
As pessoas dizem que ela (Dilma) passou a fazer o que “a direita quer”, mas a mudança de política mostra algo admirável: ela reconheceu o erro. O que ela é, de fato, é incrivelmente incompetente do ponto de vista político. Em dezembro ela já devia estar sabendo que a situação das contas estava ruim e precisava reajustar o que havia desajustado.

Destaquei o trecho em que Bresser-Pereira afirma que em outubro de 2014 “ninguém” estava prevendo que o Brasil entraria numa gravíssima recessão econômica. Isso nos traz de volta ao início do post: sim, senhor Bresser-Pereira, MUITA gente sabia disso, e vinha dizendo há muito tempo!

Se o senhor não viu, não leu, não ouviu, só posso lamentar por sua burrice. Mas dizer que ninguém sabia, é pura e simplesmente uma mentira.

Se este é o nível dos “intelectuais” que apoiam e/ou defendem Dilma e o PT, e sabemos que é, muita coisa pode ser explicada. Quem nasceu para ser Bresser-Pereira jamais será Roberto Campos.

Roberto Campos define o PT

O samba da presidanta doida

A notícia é do Valor Econômico de hoje, e destaco o termo SAMBA logo na primeira frase:

O Banco Central recalibrou o seu supermodelo de projeções econômicas, o Samba, e descobriu que ele próprio – o BC – foi responsável por uma boa parte das pressões inflacionárias de 2013 para cá, depois de colocar os juros básicos no menor nível da história, em 7,25% ao ano.

O modelo também revela que, ao contrário do que a presidente Dilma Rousseff vem repetindo, choques externos não são a principal causa da desaceleração econômica. A queda da produtividade é o fator mais representativo.

Segundo boxe do Relatório de Inflação do Banco Central de setembro, cerca de metade das pressões inflacionárias negativas ocorridas em 2013 decorrem do agressivo ciclo de corte de juro entre 2011 e 2012.

Em 2013, os fortes reajustes salariais, os juros baixos, a alta do dólar e o aumento de margem de lucro das empresas puxaram a inflação para cima em cerca de 4,3 pontos percentuais. Desse total, os juros baixos responderam por cerca de 2,2 pontos.

Naquele ano, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 5,91%, quase igual aos 5,84% de 2012. A inflação só não subiu mais graças à ajuda, sobretudo, do represamento de reajustes de tarifas, como energia elétrica e gasolina, que teve um efeito favorável de 2,2 pontos.

Os juros baixos provocaram pressão inflacionária de cerca de 1,2 ponto percentual em 2014. Isso equivale a cerca de um terço dos fatores que pressionaram os preços, incluindo alta de salários, câmbio e margem de lucros. Nesse ano, a inflação subiu para 6,41%. Só não foi maior porque a contenção de reajustes de tarifas teve um efeito baixista de cerca 1,4 ponto percentual no IPCA.

Os juros de 7,25% ao ano reverberaram até o começo deste ano, pressionando a inflação em cerca de 0,5 ponto nos 12 meses até junho. Já as tarifas, que tinham segurado a inflação, tornaram-se o principal fator de pressão, com impacto de 1,5 ponto percentual.

Os dados foram apresentados em dois gráficos no boxe “Revisão do Modelo Estrutural de Médio Porte – Samba”, publicado no Relatório de Inflação. O Samba, o mais sofisticado dos modelos do BC, usa técnicas da chamada “economia artificial” para replicar em laboratório as condições reais da economia brasileira.

Periodicamente, o BC recalibra os seus modelos para checar, por exemplo, como apertos monetários e expansões fiscais afetam a inflação. Os economistas do BC aplicaram retroativamente o modelo para decompor as causas da alta da inflação e da debilidade do Produto Interno Bruto (PIB).

Ironicamente, o Samba foi usado como justificativa em 2011 para baixas de juros, quando o Copom começava o ciclo agressivo de distensão que levou a taxa básica a 7,25% ao ano. Naquela época, o modelo dizia que a crise na Europa e nos Estados Unidos teria forte poder desinflacionário no Brasil.

Em explicações ao Valor, fontes do BC ponderam que “o modelo não capta em sua estrutura mudanças na economia que influenciam esses choques mostrados na decomposição”. Além disso, na recalibragem do modelo, o efeito da ação da política monetária está mais defasado, ou seja, leva mais tempo para se fazer sentir.

Assim, uma política de juros que era adequada num período poderia deixar de ser devido a mudanças na economia e uma defasagem maior do que estimada quando ela foi decidida.

No caso do PIB, de fato choques externos pesaram no menor dinamismo da economia, mas não tanto quanto sustentado pelo governo. Seu efeito foi tornar o PIB de 2013 cerca de 0,6 ponto percentual menor, num ano que a economia cresceu 2,74%.

Em 2014, quando o crescimento foi de apenas 0,15% e a economia entrou na recessão atual, os choques externos subtraíram 0,5 ponto percentual do PIB. No primeiro semestre deste ano, a economia afundava na recessão, mas os choques externos não tiveram influência relevante no PIB.

O Samba mostra que outros choques pesaram bem mais na evolução desfavorável da economia. Em 2013, por exemplo, o modelo calculou que os reajustes salariais acima da produtividade comeram 1,2 ponto percentual do PIB. A partir de 2014, o vilão é a queda na produtividade da economia, com um efeito de 2,2 pontos percentuais. Nos 12 meses até o primeiro semestre, a queda da produtividade subtraiu 4 pontos do PIB. A queda do consumo e do investimento, em boa medida afetados pela baixa dos índices de confiança, também explica a queda.

Sobre as causas da desaceleração do PIB, fontes do BC disseram que “não há dúvidas sobre o papel dos fatores externos na desaceleração da economia”. O descompasso entre o crescimento da economia e o nível de emprego dos fatores se traduz na baixa produtividade mostrada na decomposição dos fatores que influenciaram o PIB.

Não há rigorosamente nenhuma novidade na notícia: o que gerou o aumento descontrolado da inflação foi a incompetência do governo – a mesma incompetência responsável pelo descalabro das contas públicas, a pior recessão em mais de 40 anos, e toda a sorte de desgraças que estamos vivendo hoje.

Simples.

Muita gente vem dizendo, HÁ ANOS, que o problema a ser enfrentado no Brasil é a baixa produtividade. Enquanto não houver preocupação com isso, o Brasil vai seguir piorando – como vem piorando há muitos anos.

E mesmo com todas as provas de que o PT piorou o Brasil, ainda tem os loucos que falam em “conquistas sociais” que não passam de uma farsa.

É o Samba da Dilma louca, a Rainha da Mandioca.

E o vento estocado na cabeça da presidanta?

Gestão pública: mais uma área em que Dilma falha miseravelmente

Desde que Dilma Ruinsseff foi eleita para ser a candidata do Lulla (e, mais tarde, por tabela, do PT) à Presidência, uma quantidade assombrosa de “jornalistas” e “experts” usa termos como “gestora” ou “técnica” para se referir a ela.

Nada mais longe da realidade.
Dilma Ruinsseff não passa de uma burrocrata – uma burocrata burra.

Eu já havia tratado disso, em detalhes, AQUI. Para quem estuda Administração, aquilo é leitura obrigatória, para que se aprenda o que NÃO fazer. Dilma Ruinsseff é o exemplo perfeito: ela agrega absolutamente TUDO o que um bom gestor público JAMAIS deve ser/fazer.

Não me refiro apenas à sua burrice, à vergonhosa incapacidade de concatenar idéias para formar uma frase; isso é apenas um dos componentes. É um componente feio, patético mesmo, mas apenas um entre vários.

Leio isto aqui no Valor Econômico agorinha (a íntegra está AQUI, e os grifos abaixo são meus):

O governo central, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central (BC), registrou superávit primário de R$ 1,463 bilhão em março, pior resultado para meses de março desde 2013.
No acumulado do ano, o resultado é superavitário em R$ 4,485 bilhões, em função de um superávit de R$ 10,451 bilhões registrado em janeiro e déficit de R$ 7,357 bilhões em fevereiro. O montante marca, contudo, o pior resultado fiscal para o primeiro trimestre desde 1998, quando somou R$ 3,173 bilhões.
Medido em 12 meses até março, o resultado primário do governo central é deficitário em R$ 27,3 bilhões, ou 0,49% do Produto Interno Bruto (PIB), o que marca piora em comparação com os 12 meses findos em fevereiro, quanto o déficit era de 0,48% do PIB.
O resultado reforça o cenário de que a equipe econômica enfrentará dificuldades para fazer o ajuste fiscal definido para este ano. A meta de superávit primário do governo central está fixada em R$ 55,3 bilhões (cerca de 1% do PIB) para 2015. Se considerados os Estados e municípios, o compromisso fiscal consolidado sobe para R$ 66,3 bilhões ou o equivalente a 1,13% do PIB, projetado no Orçamento.
Segundo números do Tesouro Nacional, o resultado de março é reflexo de um superávit do Tesouro de R$ 8,029 bilhões e déficits de R$ 6,522 bilhões da Previdência Social e de R$ 42 ,9 milhões do Banco Central (BC).
Em março, os investimentos totais do governo federal somaram R$ 3,897 bilhões em março. A cifra é 26,7% menor do que os R$ 5,316 bilhões apurados em 2014. Os valores incluem os dispêndios com programas como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e Minha Casa, Minha Vida.
No PAC, os desembolsos do terceiro mês de 2015 foram de R$ 2,961 bilhões – resultado 32,5% inferior ao apurado em março de 2014, quando foram registrados R$ 4,389 bilhões.

Como de costume, o Mansueto Almeida já tratou dos resultados (AQUI):

Hoje foi divulgado o resultado primário do governo central. O resultado foi um pouco pior do que o esperado mas sem muitas surpresas. Em março, já se nota uma forte queda da despesa em relação ao mês anterior, mas não há muito o que comemorar e depois explico porque. Antes tenho que explicar para meus clientes. O que vale destacar são praticamente quatro pontos.
Primeiro, a queda real de 4,4% da receita liquida do Tesouro no trimestre não chegou a ser supresa. Foi exatamente esse o numero que cheguei há quase um mês atrás quando escrevi uma newsletter para clientes e abordado. O governo sofreu com a queda real das receitas de contribuições, dividendos e royalties.
Segundo, no trimestre a queda real de despesa do governo central em 0,8% é uma noticia positiva mas, novamente, nenhuma supresa. Eu trabalho para o ano com uma queda real perto de 4% para a despesa e, pelas minhas contas, nem assim governo cumpriria a meta do primário com o que já foi anunciado.
Terceiro, a grande economia do lado da despesa veio do forte corte real do investimento público em 30% no primeiro trimestre do ano como antecipado aqui nest blog no post do dia 08 de abril de 2015 (clique aqui). No ano será a mesma coisa, Esperp quem corte do investimento na casa de R$ 30 bilhões, uma redução de 40% a 50% do investimento no ano como ocorreu em 1999 e 2003m anos de aumento do superávit primário. Claro que cortes dessa magnitude depois são revertidos, por isso, que será até mais difícil cumprir a meta de 2% do PIB para o próximo ano.
Quarto e último ponto, o resultado primário acumulado no trimestre teve uma queda real de 67,6%, passou de R$ 14,4 bilhões no primeiro trimestre de 2014 para R$ 4,6 bilhões no primeiro trimestre de 2015. Até o final do ano o governo central deveria ter superávits mensais na casa de R$ 5,5 bilhões para cumprir a meta prometida para o ano. Em um ano de queda de receita é um numero muito ambicioso e difícil.
Vou parar por aqui e depois dois mais detalhes, depois de discuti-los com os meus clientes que receberão entre hoje e amanha uma analise mais detalhada, inclusive com a explicação das reservas que tenho em relação a queda da despesa em março. E por sinal, em abril, o primário tende a piorar e vocês sabem porque.

Se a Dilma fosse ruim APENAS para falar, para explicar as coisas, expressar idéias, já seria ruim, mas ela poderia compensar isso sendo uma gestora eficiente. Conheço pessoas que são eficientes, inteligentes, competentes, mas que na hora de falar em público, por exemplo, “travam”. Ok, acontece.

O problema é que a Dilma não entrega nada em nenhuma das frentes: como se não bastasse falar mal, ser incapaz de se fazer entender, ainda é um desastre na gestão pública!

Os resultados estão aí…

PIB e Inflação - real e projetadoE as mentiras?

Um gestor PRECISA encarar os fatos, entender a realidade, para poder tomar as ações e medidas necessárias. Mas Dilma Ruinsseff insiste em falar de uma tal “crise econômica internacional” que simplesmente não existe quando ela precisa justificar o desastre na economia:

DesafioNOVO500_2015-Apr-14Mas e se compararmos o Brasil com os demais países da América Latina? Não adianta:

2015-04-13 15.42.38Sob toda e qualquer ótica, o Brasil está em crise, e Dilma Ruinsseff é responsável (bom, na verdade, muitos problemas começaram antes, com o Lulla, mas a Dilma só fez piorar TUDO).

Contudo, gestão pública não se restringe à economia.

E Dilma Ruinsseff é um desastre em todas as demais áreas.

2015-04-22 21.34.21

2015-03-25 10.44.57

2015-03-23 20.47.45

2015-03-22 15.00.46

2015-03-21 21.55.42

turmadochapeu__2015-Mar-16

MissEscarlate_2015-Mar-16

Marolinhas e PROER

Primeiro, uma notícia divulgada no site do Ministério da Fazenda (aqui):

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, anunciaram hoje três novas ações preventivas que visam mitigar os riscos da crise financeira internacional na economia brasileira. As medidas serão implementadas por meio da Medida Provisória nº 443, publicada no Diário Oficial de hoje (22/10).

Conforme o ministro Guido Mantega, a primeira permite que o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal (CEF) participem do controle acionário de instituições financeiras com problemas de liquidez. “Esta medida está sendo adotada no sentido de dar alternativas de fusão, alienação ou junção, prática já usual entre bancos privados”, explicou.

Mantega reafirmou que o sistema financeiro brasileiro está sólido e garantiu que a medida tem caráter estritamente preventivo. “Não há bancos quebrando no Brasil”, disse a jornalistas durante entrevista coletiva no auditório do Ministério da Fazenda, em Brasília.

“Nós estamos aumentando as alternativas para empresas que querem alienar parte de seu controle acionário. A instituição que quiser fazer alienação pode pesquisar e obter melhor preço, pois a entrada dos bancos públicos melhora a concorrência”, complementou.

A segunda medida permite à CEF criar uma empresa voltada para o setor imobiliário – a CaixaPar. O ministro afirmou que a medida permitirá à CEF ter participação acionária nas empresas de construção civil, assim como ocorreu no passado com o BNDES.

O objetivo é reforçar o setor habitacional para manter a performance dos últimos dois anos. A preocupação do governo é que a crise interrompa o fluxo de capital, levando a suspensão dos projetos de habitação em curso no País.

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, detalhou a terceira medida, que autoriza a autoridade monetária a efetuar swaps (troca) de moedas em países com moedas de alta aceitação internacional. Assim como as ações anunciadas por Mantega, Meirelles ressaltou o seu caráter preventivo.

Ele explicou que assim como o FED (o banco central americano) e outros bancos centrais que possuem moedas conversíveis, o swap permitirá que o BC negocie reais com outras moedas. “É meramente um processo de antecipação de possíveis necessidades futuras. Apenas disponibilizamos a faculdade legal para permitir a troca de moedas”.

Pois é……

Agora, algumas perguntinhas minhas:

1) Como os PTistas se sentem ao ter um tucano (Henrique Meireles) no comando EFETIVO da economia do Brasil ?

2) O senador Aloizio Mercadante está satisfeito com as medidas tomadas pelo ex-banqueiro Henrique Meireles ? Para quem não sabe, Henrique Meireles foi presidente do BankBoston antes de ser convidado a assumir o BC…. E, para os mais esquecidos, o senador merda-andante foi aquele que, quando FHC chamou o Armínio Fraga, disse que o governo estava chamando a raposa para cuidar do galinheiro, devido às ligação do Armínio Fraga com o mercado de capitais, especialmente George Soros...

3) O ilustríssimo Presidente da república não disse que essa crise era só “marola” para o Brasil ? Então……. por que essas medidas ?

4) A turminha do PT não era crítica ferrenha do PROER, do FHC ? O que estão achando dessas medidas ?

RISCO LULLA

Alguns abestados jamais conseguiram entender o “risco Lulla”.

Talvez o Banco Central americano tenha obtido uma compreensão MUITO melhor do que os abestados tapuias:

Vitória de Lula, em 2002, preocupou o Fed
Ricardo Balthazar
VALOR ECONÔMICO – 15/04/2008

A enorme apreensão que a chegada do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao poder gerou nos mercados financeiros em 2002 contagiou a diretoria do Federal Reserve, o Banco Central americano, segundo as transcrições das reuniões que a diretoria da instituição manteve nesse período, divulgadas na última sexta-feira.
Numa reunião no dia 26 de junho de 2002, quatro meses antes do primeiro turno das eleições presidenciais brasileiras, o então presidente do Fed, Alan Greenspan, manifestou preocupação com o avanço da esquerda na América Latina e os riscos que ela poderia criar na região.
“A questão é se haverá contágio”, disse Greenspan, depois de citar Brasil, Argentina, Colômbia e Venezuela como fontes de inquietação.””Contágio político se espalha? Pode ser, mas não sei bem em que direção. Por exemplo, eu não sei o que vai acontecer se as pessoas virem que o Brasil foi posto de joelhos por causa de uma campanha populista.”
O então presidente do Fed regional de Nova York, William McDonough, que também participou dessa reunião, era o mais assustado com o que estava acontecendo. Ele classificou a situação do Brasil como um “perigo sempre crescente” e disse que o avanço de Lula nas pesquisas eleitorais criava o risco de uma “fuga maciça de capitais”.
“A questão não é se Lula da Silva será eleito”, explicou McDonough. “É se os mercados financeiros do país, e especialmente os cidadãos do país, ficarão sentados esperando para ver o que acontece.” Pouco depois, ele acrescentou: “Não há nada que o FMI ou qualquer um possa fazer sobre isso. Se o povo brasileiro decidir que vai votar apostando seu dinheiro, o resto do mundo terá que ficar olhando.”
As transcrições das reuniões mostram que as autoridades americanas temiam que o medo que os investidores tinham de Lula deflagrasse uma crise financeira internacional, atingindo outros países emergentes e alimentando pressões sobre o dólar e a economia americana, que ainda parecia estar se recuperando dos efeitos dos atentados terroristas de setembro de 2001.
A deterioração das finanças do país durante a campanha eleitoral levou o Brasil a bater à porta do Fundo Monetário Internacional (FMI), que em agosto aprovou um pacote de US$ 30 bilhões para socorrer o país. O empréstimo ajudou o Brasil a respirar, mas a desconfiança que os bancos tinham de Lula e dos petistas continuou muito grande.
Numa reunião do Fed no dia 13 de agosto, pouco depois da assinatura do acordo com o Fundo, McDonough contou aos colegas que havia conversado com dirigentes de bancos espanhóis e americanos com negócios no Brasil e concluíra que eles estavam aproveitando a situação para tirar seu dinheiro do país e buscar proteção em outro lugar.
“A comunidade bancária internacional está aproveitando o pacote do FMI para reduzir sua exposição”, disse McDonough. “No longo prazo isso vai realmente contra os seus interesses e não é muito inteligente, mas parece ser o que eles estão fazendo.” Ele acreditava que no futuro isso faria o Fundo pensar duas vezes antes de socorrer novamente países em dificuldades.
O Fed continuou vendo Lula como uma fonte de instabilidade mesmo depois da eleição. Numa reunião no dia 10 de dezembro, poucas semanas antes da posse de Lula, McDonough criticou a demora do novo presidente em anunciar sua equipe econômica. “Acho que há um conflito crescente entre seus assessores econômicos e a liderança do PT”, afirmou. “Se continuar, isso pode resultar num golpe adicional e desnecessário na confiança dos investidores.”
Como Greenspan lembrou na hora, coincidentemente Lula estava em Washington naquele dia. Ele se encontrou com o presidente George Bush na Casa Branca e poucas horas depois anunciou que Antonio Palocci seria seu ministro da Fazenda.
No livro de memórias que publicou no ano passado, Greenspan menciona Lula num capítulo sobre a volta do populismo na América Latina e admite que sua avaliação inicial sobre o presidente brasileiro estava errada. “Para surpresa da maioria, inclusive minha, ele manteve em boa parte as políticas sensatas do Plano Real”, escreveu Greenspan.
As transcrições divulgadas pelo Fed revelam também que Greenspan e seus colegas ficaram muito nervosos com a crise deflagrada pelo fim do regime de câmbio fixo na Argentina. Numa reunião no dia 19 de março de 2002, Greenspan disse que a situação do país parecia caótica: “Vai ser difícil fazer alguém voltar a investir na Argentina se seus líderes continuarem deixando claro que isso não é seguro.”
Quando a economista que dirigia a divisão de assuntos internacionais do Fed, Karen Johnson, disse que a situação era tão grave que ela não tinha idéia de como poderia ser resolvida, Greenspan exclamou: “Deus nos acude!” Para McDonough, que poucas semanas antes havia discutido o problema com banqueiros em Basiléia, na Suíça, dar ajuda financeira à Argentina era tudo que não devia ser feito.
“Fomos aconselhados de maneira muito veemente a não encostar na Argentina com nenhum tipo de mão amiga por causa de uma nova versão do efeito de contágio”, disse o dirigente do Fed de Nova York. “Se um país for recompensado de alguma maneira por violar a lei dos contratos, isso encorajaria governos irresponsáveis em outros lugares do mundo a pensar que poderiam fazer a mesma coisa.”

Para desespero dos incautos que enxergam uma mudança de rumos na política econômica, a leitura (e compreensão) deste artigo será impossível. Pura ignorância mesmo – tão peculiar ao PTralhas.

Remessa de lucros ao exterior

Mais uma vez, o PT proporciona um “espetáculo de hipocrisia” (já que o “espetáculo do crescimento” não veio).

Matéria da Folha de São Paulo traz as seguintes informações: A remessa de lucros e dividendos para as matrizes das multinacionais nos quatro primeiros anos do governo Lula foi o triplo da registrada entre 1999 e 2002, no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, informam nesta terça-feira Ney Hayashi da Cruz e Fernando Nakagawa, em reportagem da Folha (exclusivo para assinantes). Segundo a reportagem, entre 2003 e 2006, no primeiro mandato de Lula, a cada US$ 10 que entraram no Brasil, outros US$ 6 foram enviados ao exterior como ganho às sedes. Nos quatro últimos anos da gestão FHC foram remetidos US$ 2 para cada US$ 10 que entraram no país. No primeiro mandato de FHC — entre 1995 e 1998– foram remetidos US$ 2,5. O ingresso de investimentos estrangeiros entre 2003 e 2006 somou US$ 62,1 bilhões, enquanto as remessas foram de US$ 37,8 bilhões, conforme os números do BC, informa a Folha.
O texto, na íntegra, está aqui.

Interessante notar que o PT sempre defendeu, entre outras coisas, a moratória da dívida externa (quando aproveitava para incendiar bandeiras dos Estados Unidos, reclamando do “imperialismo norte-americano”); sempre criticou o “capital especulativo”, diretamente ligado às críticas que fazia às privatizações (“entrega do capital nacional para os estrangeiros”, base da patética e mentirosa campanha pela reestatização da Vale do Rio Doce); sempre criticou as empresas estrangeiras, defendendo que tudo fosse do Estado brasileiro, seguindo as propostas do moderníssimo e super-bem avaliado modelo soviético (que acabou quando mesmo ?!)….

Mas decerto, agora, Rei Lulla acabará comemorando esta notícia. Ele vai dizer que é mais uma “prova” do sucesso do seu governo (sic). Então hoje é bom, mas quando ele era oposição, era ruim ?!

Mais bravatas, mais hipocrisia.