Novidades

Já constam da página de downloads (aqui) algumas novidades:

1. Crônica de um partido não anunciado: programa e governos do PT entre 1979-2000, uma Tese de Doutorado da UNICAMP, cuja leitura, a despeito do viés imposto pelo autor, ajuda a relembrar as bases do surgimento do PT, suas “bandeiras históricas”, sua proximidade com o Marxismo e variantes (o tal “Socialismo Petista”), as razões do crescimento desde a fundação etc…… Assim como o item 07 supra apresenta um viés claramente tucano, este aqui tem justamente o oposto. De qualquer maneira, se deixado de lado tal viés, ainda assim é leitura interessante para quem busca conhecer verdadeiramente a corja de trogloditas que tomou de assalto o Brasil.

2. Dossiê, com matérias publicadas em alguns meios de comunicação ao longo de 2002. Traz uma auspiciosa entrevista com Heloísa Helena (ainda membro do PT, na época da entrevista), uma boa radiografia das diversas “correntes” que formam o PT, interesses de grupos próximos (como CUT e MST), e notícias gerais que ajudam a demonstrar a metamorfose pela qual o PT passou para conquistar o “poder”. Destaco os trechos que se referem ao FMI (página 26), à maneira de lidar com impostos (página 52) e a renegociação de dívidas dos Estados (página 32), pois são 3 pontos que mostram uma posição claramente antagônica àquela adotada após Rei Mulla assumir seu troninho.

3. A experiência brasileira com programas de transferência direta de renda, uma Dissertação de Mestrado da UNICAMP que trata dos programas como Bolsa Escola, Bolsa Família e afins. Serve principalmente para mostrar o histórico de programas desta natureza, característica que pode ser útil para PTistas desmiolados que dizem por aí que o Bolsa Família do Lulla é uma inovação – não é. Outro texto com forte viés, mas que não invalida, ainda assim, os dados apresentados.

Pena que os PTralhas dificilmente conseguem ler mais de 3 páginas de textos sem ilustrações (coloridas)…Estes arquivos poderão ajudar aqueles boçais que defendem o PT apenas e tão somente baseados no Manual citado abaixo….

Claro, não devem ajudar muito, pois essa corja de psicoPTs esquizofrênicos não tem o hábito de ler nada que não siga à risca as regras de insultos a “tucanos” em geral……

A ficção e o Senador ridículo

O Estado de São Paulo, a despeito de ser o mais rico do país, é representado no Congresso por apenas 3 Senadores: Aloizio Mercadante, Romeu Tuma e Eduardo Suplicy.

Honestamente, não posso pensar numa representatividade de pior qualidade.

Mas o Senador Eduardo Suplicy extrapola todos os parâmetros de civilidade. Na verdade, não apenas “beira” o ridículo – ele ultrapassa todos os limites do ridículo. Não apenas por celebrizar-se por interpretações patéticas de uma música clássica (“Blowing in the wind”, de Bob Dylan), ou pelo comportamento debilóide que demonstra publicamente (o vídeo disponível no YouTube, de uma sessão da Comissão de Constituição e Justiça no Senado, na qual ele “interpreta” uma música (?) do grupo Racionais MC´s).

Para quem, como eu, já teve a oportunidade de vê-lo pessoalmente, numa palestra ou qualquer coisa do gênero (no meu caso, foi uma aula, na FGV, e uma palestra, há alguns anos), contudo, fica a impressão de que este senhor não tem pleno controle sobre suas faculdades mentais. Divagações, frases loooooongas e confusas, entremeadas por pausas irritantes, fala arrastada…… Me parecem muito mais efeito de alguma doença ou  coisa semelhante.

Como se não bastasse, as análises (?) e declarações públicas deste coitado o fazem parecer ainda mais patético do que sua natureza já estipula: O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) criticou hoje o último capítulo da novela “Paraíso Tropical”, da Globo, em que a prostituta Bebel (Camila Pitanga) é interrogada em um fictícia CPI dos Biocombustíveis pela sua relação extraconjugal com um senador. Suplicy disse que a cena deve causar “preocupação” aos senadores, já que a imagem do Conselho de Ética saiu arranhada na novela –apesar da cena ter mencionado uma suposta CPI. “O fato dos diretores da novela terem trazido o Conselho de Ética e a maneira como foi ali retratado deve nos causar preocupação”, disse. A íntegra, na Folha On-Line, está aqui.

Ora, uma declaração dessas……..Coisa típica deste abestalhado patético.

Ao invés de reclamar de uma obra de ficção (ou não) que faz uma crítica a uma situação degradante, que todo brasileiro tem visto nos últimos anos, que tal se o ilustre Senador e seus pares trabalhassem para que nunca mais seja preciso ver uma cena dessa natureza – nem na ficção, nem na vida real ?

A vida imita a arte, ou a arte imita a vida ?

Longe de mim classificar uma novela como “arte”, mas o princípio é o mesmo: se o Senado (e todos os Senadores, por extensão) não promovesse fatos grotescos, surreais, como este caso do Senador Renan Calheiros, tenho certeza de que nenhuma novela, livro, filme ou coisa que o valha retrataria o Congresso desta ou daquela forma. Caso o Senado tivesse um comportamento minimamente ético, republicano, as coisas seriam tão diferentes…….

Mas retomando ao Senador ridículo:  não foi este mesmo Senador que participou de uma novela (da mesma Rede Globo), acampando junto com um bando de “sem-terra” ? Ora, um Senador que apóia publicamente uma organização criminosa como o MST, em diversas oportunidades, não deveria causar preocupação ? Isso não arranha a imagem do Senado ?

Santo Senador ridículo, Batman !!!!!!!

MST – mais crimes….

Não bastasse o longo histórico de crimes (invasões de propriedade privada, destruição da patrimônio público, extorsões etc) praticados pelo MST, uma matéria da Revista VEJA desta semana me deixou ainda mais perplexo.

Eu já sabia que o MST mantinha, COM DINHEIRO PÚBLICO (ou seja, meu, seu, de todos nós), algumas “escolas” com intenção de doutrinar os coitados dos ignorantes sem perspectivas de vida na cátedra comunista/fascista/PTista. Mais do que isso, já vi imagens da instituição PRÓPRIA que o MST estava construindo no Sul do Brasil (não sei se já está pronta, mas eram instalações nada modestas – também com dinheiro fornecido pelo governo federal), com o mesmo intuito.

Agora, a matéria da VEJA revela coisas ASSOMBROSAS.

Alguns pontos que me chamaram a atenção: o governo federal destinou, em 2006, R$ 6.300.000,00 para custear os crusos SUPERIORES dos membros do MST em universidades públicas. Já são dezesseis universidades públicas que oferecem graduação exclusiva aos assentados. É isso mesmo: elas aceitam apenas sem-terra. Segundo o ministério, o governo patrocina cursos do gênero nas áreas de pedagogia, geografia, letras, história e direito.

Para entrar nos cursos EXCLUSIVOS do MST, há um vestibular, claro. A revista publicou 3 perguntas aplicadas neste “vestibular”:

1) A relação entre estrutura fundiária e fome no Brasil decorre da…
A- evolução tecnológica das pequenas propriedades nas áreas de fronteira
B- modernização da agricultura, que gerou desemprego no campo
C- concentração de latifúndios em regiões de solos mais pobres
D- ineficiência do gerenciamento empresarial agrícola nas médias propriedades

2) Sob a lógica dos movimentos sociais no campo…
A- a agricultura brasileira é latifundiária, sendo necessária sua modernização para que a terra cumpra sua função social
B- o agronegócio é a forma de integração da agricultura familiar ao mercado capitalista
C- a agricultura brasileira é latifundiária, sendo necessária sua superação pela agricultura de caráter familiar
D- a agricultura brasileira tem caráter empresarial, portanto não há necessidade de reforma agrária

3) O “campo goiano” é representado por inúmeras manifestações culturais que desenvolvem uma diversidade de símbolos, dos quais…
A- as festas são ritos provenientes da cultura cristã ocidental
B- os causos de assombração e demônios desenvolvem o controle social através do medo
C- as simpatias e as rezas justificam a distância dessa cultura com o mundo liberal
D- a marca, o mutirão e o adjuntório aumentam a renda fundiária

Ainda não sei se isto tudo é apenas uma piada de mau-gosto………….ou……. não, com o PT no governo, não é piada, não.

É a triste realidade da incomPTência.

O rap do ridículo

Não é novidade, mas o Senador (sic) Eduardo Suplicy faz jus ao título de “PTista”, sem sombra de dúvidas.

MOMENTO RIDÍCULO 1: cantando rap no Senado

MOMENTO RIDÍCULO 2: ganhando prêmio pelo mico.

Vexatório mesmo é saber que São Paulo elegeu este imbecil mais uma vez.

São mais ou menos 16 anos fazendo papel de ridículo, e envergonhando o Estado.