Autoritarismo e boçalidade do bozonarismo explicitados em determinação ilegal do MEC

Getúlio Vargas determinou a obrigatoriedade da execução do Hino Nacional em todos os estabelecimentos de ensino públicos ou privados do país, através da Lei 259/1936, de 01 de outubro de 1936. Em 1971, durante a ditadura militar, sob Emílio Médici, a Lei 5700/1971 também obrigava a execução do hino nas escolas, mas não definia a frequência com que ele deveria ser cantado pelos alunos. Em 2009, o presidente em exercício, José Alencar, sancionou uma lei que tornou obrigatória a execução do Hino Nacional em escolas públicas e privadas de todo o país uma vez por semana. A regra vale para os alunos do ensino fundamental, e continua em vigor.

Uma curiosidade: em 2009, Fernando Haddad era Ministro da Educação, e seu nome, portanto, consta da lei (e esta lei, na prática, apenas especificou a frequência que a Lei de 1971 não definia, mais nada):

Esse breve histórico serve pra esclarecer que uma determinação do MEC tornada pública ontem (25/02/2019), combina o autoritarismo e a boçalidade típicas do bozonarismo com toques de ilegalidades:

O Ministério da Educação (MEC) mandou nesta segunda para todas as escolas do País um email pedindo que as crianças sejam perfiladas para cantar o hino nacional e que o momento seja gravado em vídeo e enviado para o governo.

O email pede ainda que seja lida para elas uma carta do ministro Ricardo Vélez Rodríguez, que termina com o slogan do governo “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos.”

“Prezados Diretores, pedimos que, no primeiro dia da volta às aulas, seja lida a carta que segue em anexo nesta mensagem, de autoria do Ministro da Educação, Professor Ricardo Vélez Rodríguez, para professores, alunos e demais funcionários da escola, com todos perfilados diante da bandeira do Brasil (se houver) e que seja executado o hino nacional”, diz o texto.

A carta foi enviada para escolas públicas e particulares do País. “Isso é ilegal, o MEC não tem competência para pedir nada disso às escolas”, diz o diretor da Associação Brasileira de Escolas Particulares (Abepar), Arthur Fonseca Filho.

Diretores de escolas ficaram chocados com conteúdo da carta, principalmente porque pede para se filme as crianças. “Solicita-se, por último, que um representante da escola filme (pode ser com celular) trechos curtos da leitura da carta e da execução do hino nacional. E que, em seguida, envie o arquivo de vídeo (em tamanho menor do que 25 MB) com os dados da escola”, diz o corpo do email.

Anexado, o MEC enviou uma carta assinada pelo ministro, que, segundo a recomendação, deveria ser lida aos estudantes. Procurada, a assessoria de imprensa do ministério informou que a carta é apenas uma recomendação e não uma ordem.

A reportagem é do Estadão, e pode ser lida na íntegra AQUI. A cartinha que o Ministro lunático anexou está abaixo:

Cantar o Hino Nacional, obviamente, não é o problema – já é lei há muitos anos, como se viu. Os problemas começam quando um Ministro de Estado quer usar escolas para divulgar o slogan de um político (“Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!“, como se sabe, foi o slogan da campanha eleitoral de Jair Bolsonaro), atitude inconstitucional (Artigo 37), e, como se não bastasse, ainda quer filmar crianças (algo ilegal, conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente) sendo forçadas a enaltecer este político.

Assim, são dois problemas de ordem legal, e um terceiro, de cunho moral.

Os 2 problemas da ilegalidade são muito óbvios, evidentes, e bastaria que o MEC tivesse, em seus quadros, alguém com um conhecimento elementar de Direito. Infelizmente, o Ministério foi aparelhado por lunáticos do bozonarismo mais delirante, aquela gente tacanha que se acha o Dom Quixote lutando contra o moinho do comunismo em pleno Século XXI.

Depois que a carta do MEC foi divulgada pelo Estadão e começou a repercutir, o exército do gado bozonarista começou a agir nas redes sociais e criou um espantalho: iniciaram a hashtag #HinoNacionalSIM e começaram a despejar bobagens para tergiversar. Os passadores de pano governistas adotaram o discurso de que todos que criticaram esta decisão absurda do MEC estariam contra o Brasil, estariam se opondo à adoção do Hino Nacional – uma mentira elementar. Até o lunático-mor do gado bozonarista reverberou essa falácia tosca:

O astrólogo de Rivotril da Virgínia não sabe que a execução do Hino Nacional já é lei desde 1936

Há, no twitter, milhares de perfis do gado bozonarista mentindo e distorcendo os fatos para minimizar esse absurdo do MEC – e os mais alucinados conseguem inclusive usar o caso para tentar jogar algum tipo de culpa na imprensa(!):

Sim, é ilegal, como já apontei acima. Não há nada de “voluntário”. E, claro, o cerne da questão: não se trata de ser contra o Hino Nacional. Mas lógica e raciocínio não fazem parte do cardápio bozonarista.

Fazendo um pequeno parêntesis… Para mim, nada ilustra melhor o significado do termo “bozonarismo” do que esse vídeo:

O sujeito que aparece neste vídeo chama-se Allan dos Santos, e é o dono de um site chamado Terça-Livre (que possui, também, um canal no YouTube, com mais de 500 mil assinantes). A íntegra deste vídeo pode ser vista AQUI. O trecho que eu separei aparece aos 57 minutos e 32 segundos.

Allan dos Santos, apesar de pregar contra a masturbação, parece ser favorável ao cintaralho e ao fio-terra…
Além da redação impecavelmente tosca (típica de quem é burro mas quer fingir uma erudição que não tem), as “idéias” revelam um lunático completo

Allan dos Santos e seu Terça-Livre (de remédios para controlar a esquizofrenia, aparentemente) representam a essência do bozonarismo, qual seja, a burrice galopante, o autoritarismo latente e a pretensão de ser o único e absoluto dono da verdade de forma messiânica – características já vistas no petismo, aliás.

O Ministro da Educação faz parte do núcleo de lunáticos do governo Bolsonaro – aquela ala sob influência de Olavo de Carvalho, composta pelo Ministro das Alucinações Exteriores, a Ministra-Energúmena Damares Alves (a da goiabeira), e mais alguns assessores e aspones. Um dos aloprados que foram colocados no MEC, aliás, chama-se Murilo Resende Ferreira, cujo “pensamento” pode ser visto na imagem abaixo ou, de forma mais detalhada, neste belo artigo AQUI.

Ricardo Vélez Rodriguez não está preocupado com o analfabetismo funcional, não se importa que alunos do ensino médio não consigam fazer operações matemáticas elementares, nem que professores sejam agredidos em sala de aula, nada disso. A preocupação dele é usar alunos para saudar o governo, de forma messiânica e autoritária.

O bozonarismo acha que estamos numa “NOVA ERA”, tudo porque o líder messiânico, chucro e autoritário deles elegeu-se Presidente. Já vi esse filme em 2002, quando outro sujeito messiânico, chucro e autoritário elegeu-se Presidente também.

Nesta “NOVA ERA”, alunos devem ser filmados enquanto saudam o governo, usando o slogan de um candidato que virou Presidente. Esse filme todos nós já vimos: isso era bastante comum durante o nazismo, o fascismo e o stalinismo, sem falar do maoísmo na China… Regimes autocráticos, sob líderes messiânicos e tiranos se repetem na História – e seus métodos não variam muito na essência.

Infelizmente, esse tipo de autoritarismo messiânico e chucro encontra um campo fértil para disseminar-se entre os milhares de boçais que acham que redes sociais servem para despejar lixo:

As semelhanças entre o petismo e o bozonarismo estão evidentes – e alguns são incapazes de ver, enquanto outros apenas se recusam. Deploravelmente, o Brasil perdeu mais de uma década graças ao petismo – e, ao que tudo indica, vai perder mais uma, chafurdando na mesma lama, ainda que sob um nome diferente.

Um comentário sobre “Autoritarismo e boçalidade do bozonarismo explicitados em determinação ilegal do MEC

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s