Gestão pública: mais uma área em que Dilma falha miseravelmente

Desde que Dilma Ruinsseff foi eleita para ser a candidata do Lulla (e, mais tarde, por tabela, do PT) à Presidência, uma quantidade assombrosa de “jornalistas” e “experts” usa termos como “gestora” ou “técnica” para se referir a ela.

Nada mais longe da realidade.
Dilma Ruinsseff não passa de uma burrocrata – uma burocrata burra.

Eu já havia tratado disso, em detalhes, AQUI. Para quem estuda Administração, aquilo é leitura obrigatória, para que se aprenda o que NÃO fazer. Dilma Ruinsseff é o exemplo perfeito: ela agrega absolutamente TUDO o que um bom gestor público JAMAIS deve ser/fazer.

Não me refiro apenas à sua burrice, à vergonhosa incapacidade de concatenar idéias para formar uma frase; isso é apenas um dos componentes. É um componente feio, patético mesmo, mas apenas um entre vários.

Leio isto aqui no Valor Econômico agorinha (a íntegra está AQUI, e os grifos abaixo são meus):

O governo central, que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central (BC), registrou superávit primário de R$ 1,463 bilhão em março, pior resultado para meses de março desde 2013.
No acumulado do ano, o resultado é superavitário em R$ 4,485 bilhões, em função de um superávit de R$ 10,451 bilhões registrado em janeiro e déficit de R$ 7,357 bilhões em fevereiro. O montante marca, contudo, o pior resultado fiscal para o primeiro trimestre desde 1998, quando somou R$ 3,173 bilhões.
Medido em 12 meses até março, o resultado primário do governo central é deficitário em R$ 27,3 bilhões, ou 0,49% do Produto Interno Bruto (PIB), o que marca piora em comparação com os 12 meses findos em fevereiro, quanto o déficit era de 0,48% do PIB.
O resultado reforça o cenário de que a equipe econômica enfrentará dificuldades para fazer o ajuste fiscal definido para este ano. A meta de superávit primário do governo central está fixada em R$ 55,3 bilhões (cerca de 1% do PIB) para 2015. Se considerados os Estados e municípios, o compromisso fiscal consolidado sobe para R$ 66,3 bilhões ou o equivalente a 1,13% do PIB, projetado no Orçamento.
Segundo números do Tesouro Nacional, o resultado de março é reflexo de um superávit do Tesouro de R$ 8,029 bilhões e déficits de R$ 6,522 bilhões da Previdência Social e de R$ 42 ,9 milhões do Banco Central (BC).
Em março, os investimentos totais do governo federal somaram R$ 3,897 bilhões em março. A cifra é 26,7% menor do que os R$ 5,316 bilhões apurados em 2014. Os valores incluem os dispêndios com programas como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e Minha Casa, Minha Vida.
No PAC, os desembolsos do terceiro mês de 2015 foram de R$ 2,961 bilhões – resultado 32,5% inferior ao apurado em março de 2014, quando foram registrados R$ 4,389 bilhões.

Como de costume, o Mansueto Almeida já tratou dos resultados (AQUI):

Hoje foi divulgado o resultado primário do governo central. O resultado foi um pouco pior do que o esperado mas sem muitas surpresas. Em março, já se nota uma forte queda da despesa em relação ao mês anterior, mas não há muito o que comemorar e depois explico porque. Antes tenho que explicar para meus clientes. O que vale destacar são praticamente quatro pontos.
Primeiro, a queda real de 4,4% da receita liquida do Tesouro no trimestre não chegou a ser supresa. Foi exatamente esse o numero que cheguei há quase um mês atrás quando escrevi uma newsletter para clientes e abordado. O governo sofreu com a queda real das receitas de contribuições, dividendos e royalties.
Segundo, no trimestre a queda real de despesa do governo central em 0,8% é uma noticia positiva mas, novamente, nenhuma supresa. Eu trabalho para o ano com uma queda real perto de 4% para a despesa e, pelas minhas contas, nem assim governo cumpriria a meta do primário com o que já foi anunciado.
Terceiro, a grande economia do lado da despesa veio do forte corte real do investimento público em 30% no primeiro trimestre do ano como antecipado aqui nest blog no post do dia 08 de abril de 2015 (clique aqui). No ano será a mesma coisa, Esperp quem corte do investimento na casa de R$ 30 bilhões, uma redução de 40% a 50% do investimento no ano como ocorreu em 1999 e 2003m anos de aumento do superávit primário. Claro que cortes dessa magnitude depois são revertidos, por isso, que será até mais difícil cumprir a meta de 2% do PIB para o próximo ano.
Quarto e último ponto, o resultado primário acumulado no trimestre teve uma queda real de 67,6%, passou de R$ 14,4 bilhões no primeiro trimestre de 2014 para R$ 4,6 bilhões no primeiro trimestre de 2015. Até o final do ano o governo central deveria ter superávits mensais na casa de R$ 5,5 bilhões para cumprir a meta prometida para o ano. Em um ano de queda de receita é um numero muito ambicioso e difícil.
Vou parar por aqui e depois dois mais detalhes, depois de discuti-los com os meus clientes que receberão entre hoje e amanha uma analise mais detalhada, inclusive com a explicação das reservas que tenho em relação a queda da despesa em março. E por sinal, em abril, o primário tende a piorar e vocês sabem porque.

Se a Dilma fosse ruim APENAS para falar, para explicar as coisas, expressar idéias, já seria ruim, mas ela poderia compensar isso sendo uma gestora eficiente. Conheço pessoas que são eficientes, inteligentes, competentes, mas que na hora de falar em público, por exemplo, “travam”. Ok, acontece.

O problema é que a Dilma não entrega nada em nenhuma das frentes: como se não bastasse falar mal, ser incapaz de se fazer entender, ainda é um desastre na gestão pública!

Os resultados estão aí…

PIB e Inflação - real e projetadoE as mentiras?

Um gestor PRECISA encarar os fatos, entender a realidade, para poder tomar as ações e medidas necessárias. Mas Dilma Ruinsseff insiste em falar de uma tal “crise econômica internacional” que simplesmente não existe quando ela precisa justificar o desastre na economia:

DesafioNOVO500_2015-Apr-14Mas e se compararmos o Brasil com os demais países da América Latina? Não adianta:

2015-04-13 15.42.38Sob toda e qualquer ótica, o Brasil está em crise, e Dilma Ruinsseff é responsável (bom, na verdade, muitos problemas começaram antes, com o Lulla, mas a Dilma só fez piorar TUDO).

Contudo, gestão pública não se restringe à economia.

E Dilma Ruinsseff é um desastre em todas as demais áreas.

2015-04-22 21.34.21

2015-03-25 10.44.57

2015-03-23 20.47.45

2015-03-22 15.00.46

2015-03-21 21.55.42

turmadochapeu__2015-Mar-16

MissEscarlate_2015-Mar-16

Lambuzando-se no poder

Esta é uma contribuição do amigo Lúcio, que eu publico com o maior prazer.

DESPESAS DO GABINETE PRESIDENCIAL:

  • 1995 – FHC – R$ 38,4 milhões.
  • 2003 -Lula – R$ 318,6 milhões.
  • 2004 -Lula – R$ 372,8 milhões (R$ 1,5 milhões por dia útil)

NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS NO PALÁCIO DO PLANALTO:

  • Itamar Franco – 1,8 mil
  • FHC – 1,1 mil
  • Lula – 3,3 mil

PS: No Palácio da Alvorada, existem 75 empregados. No ano passado Lula assinou um decreto, de número 5.087, aumentando de 27 para 55 seus assessores especiais diretos.

FOME ZERO

No Palácio do Planalto, o programa ‘Fome Zero’ funciona. Fome e sede zero. Todos querem, literalmente, se entupir de comida e bebida. Vejam estes números:

O processo de licitação de número 00140.000226/ 2003-67, publicado no Diário Oficial da União, previu a compra de 149 itens para o Palácio. Dentre eles constam: – sete toneladas de açúcar; – duas toneladas e meia de arroz; – 400 latas de azeitona; – 600 quilos de bombons; – 800 latas de castanhas de caju; – 900 latas de leite condensado.. ..

Tudo altamente calórico… O pior é que pelo prazo da licitação, tudo isso deverá ser consumido em 120 dias.

Mas tem mais. Constam ainda: – dois mil vidros de pimenta; – dois mil e quinhentos rolos de papel alumínio; – quatrocentos vidros de vinagre; – quatrocentos e sessenta pacotes de sal grosso e ainda – seis mil barras de chocolate.

Se você, caro leitor, apanhar uma calculadora, vai concluir que a turminha de Lula está consumindo por dia: – 58 quilos de açúcar (ou dona Marisa faz muito bolo ou Lula toma muita caipirinha.. .); – 22 quilos de arroz; – 50 barras de chocolate; – 15 vidros de pimenta….pimenta? ??

Como a repercussão dessa compra foi negativa, Lula mandou tirar do site oficial do governo o processo de licitação, que já havia sido publicado na edição número 463 do Diário Oficial.

Lula é assim: num dia esconde o que faz, no outro camufla o que compra.

E a coisa vai mais longe: em outra licitação (00140.000217/ 2003-36) dá para perceber que Lula gosta de festa.

O Gabinete da Presidência comprou um pouco de tudo para beber. Entre os itens: – 129 mil litros de água mineral (consumo:mais de mil litros por dia); – duas mil latas de cerveja; – 35 mil latas de refrigerante; – 1344 garrafas de sucos naturais; – 610 garrafas de vinho (consumo de cinco por dia); – 50 garrafas de licor.

A sede dos deslumbrados vai além, mesmo com muita gente morrendo por falta de água no sertão, que Lula diz que conhece bem.

Em outra licitação, (00140.000228/ 2003-56), o nosso presidente, que devia ser exemplo, mandou comprar para seu Palácio: – 495 litros de suco de uva; – 390 litros de suco de acerola; – o mesmo tanto de suco de maracujá, laranja, tangerina e manga.

Outra compra diz a respeito a 2.250 quilos de pó de café. Numa conta simples, este valor resulta em 2145 cafezinhos por dia. Desse jeito Lula vai acabar perdendo o sono.

Mas a farra não termina por aqui. Numa outra compra ( 00140.000126/ 2003-31) Lula prova que é bom de estômago: – três toneladas e meia de batata: – duas mil dúzias de ovos; – duas toneladas de cebola e – uma tonelada de alho porró.

Na mesma compra tem mais: – 2400 abacaxis; – uma tonelada e meia de banana; – outro tanto de ameixa e ainda – uma tonelada de caqui.

Pelo que se entende de outra compra (00140..000227/ 2003-10), dona Marisa Letícia anda cozinhando pra fora, servindo marmita.

Foram comprados para serem consumidos em 120 dias: – dez botijões de gás de dois quilos; – 170 botijões de 13 quilos; – 20 cilindros de 45 quilos e mais – 45 toneladas de gás a granel.

Continha simples: 24 botijões por dia consumidos.

Quer mais farra? Então aqui vai: O gabinete da presidência mandou comprar: – dois mil CDs para gravação, com as respectivas caixinhas, e – 20 mil disquetes..

Estaria Lula montando uma gravadora pirata?

E alguém tem idéia de quanto se paga de roupa lavada no Palácio, em 120 dias? – 54 toneladas – ou 13 toneladas e meia por mês, ou ainda, 450 quilos de roupa por dia. Lula torna feliz qualquer tintureiro.

Talvez a justificativa para a lavanderia seja uma outra compra, a de número 00140.000143/ 2003-78: – 300 colchas; – 330 lençóis; – 300 fronhas; – 50 travesseiros; – 66 cobertores (cobertor em Brasília é grave, hein?); – 15 roupões; – 20 jogos de toalha; – 20 toalhas de banho e – 120 colchões… 120 colchões!!!

Quando Lula pra lá se mudou, também tratou de providenciar todo conforto possível. A presidência comprou: – dois fogões; – duas cafeteiras; – quarto fornos de microondas; – quatro geladeiras; – oito ventiladores; – seis aparelhos de ar condicionado; – dois bebedouros; – sete televisores; – dois aparelhos de CDs; – três liquidificadores; – uma sanduicheira; – um frigobar.