Depois da indústria, agora o varejo é a vítima da crise da Dilma

Dilma Ruinsseff é uma lástima. Contudo, não é a ÚNICA responsável pela crise atual.

Ainda que os problemas que hoje colocam o Brasil numa crise econômica (sem mencionar a política, ou ainda a moral e ética) que ameaça muitas das conquistas do Plano Real (de 1994) tenham começado pelas decisões estapafúrdias de Lulla, Dilma Ruinssef só piorou tudo.

Hoje pela manhã o IBGE divulgou os resultados da economia para o varejo. Todos os sites noticiosos repercutiram. Eis aqui um resumo (do Valor Econômico, cuja íntegra está AQUI):

O fim dos incentivos fiscais, como a recomposição do Imposto sobre Impostos Industrializados (IPI) sobre bens duráveis, a maior restrição ao crédito e a perda do poder de compra das famílias por causa da inflação levaram o varejo ao seu pior resultado em 12 anos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Pelo levantamento, sete das dez atividades do varejo pesquisadas pelo instituto registraram queda no volume de vendas em março, na comparação com fevereiro. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a queda abrangeu seis de dez segmentos.
Ante fevereiro, os recuos mais significativos ocorreram justamente em itens duráveis, influenciados pelo fim dos benefícios fiscais, como móveis, eletrodomésticos e veículos. Em móveis e eletrodomésticos, a queda foi de 3%. Em relação a março do ano passado, as vendas do segmento recuaram 6,8%. “Tal comportamento pode ser atribuído à retirada gradual dos incentivos direcionados à linha branca, somado ao menor ritmo de crescimento do crédito”, diz o IBGE em seu relatório.
As vendas de veículos e motos, partes e peças recuaram 4,6% ante fevereiro e caíram 3,7% ante março do ano passado, nessa comparação, um tombo bem menor que o de fevereiro, de 23,8%. No primeiro trimestre, as vendas do segmento cederam 14,8%. “Mesmo com três dias úteis a mais em março, a redução das vendas no segmento foi decorrente, entre outros fatores, do menor ritmo da oferta de crédito e da restrição orçamentária das famílias, diante da diminuição real da massa de salários”, informou o IBGE.
Ainda segundo o IBGE, em março, também ocorreu queda nas vendas em supermercados, com perda de 2,2%. Já no confronto com o mesmo mês do ano passado, o setor perdeu 2,4% no volume de vendas – menor resultado desde março de 2014, quando a queda foi de 3%, e o segundo mês seguido de resultado negativo. O “desempenho negativo foi influenciado pelo menor poder de compra da população”, disse o IBGE.
Entre os resultados positivos, destacam-se combustíveis e lubrificantes, com alta de 2,8% em março, ante fevereiro. A taxa de crescimento reflete o crescimento dos o setor acima da inflação do período. Mas houve queda de 2,1% ante o mesmo período do ano passado.
Artigos farmacêuticos (1,2%) e outros artigos para uso pessoal (1,2%) também apresentaram crescimento no volume de vendas.

De acordo com a pesquisa, as vendas do varejo recuaram 0,9% em março e as do varejo ampliado (que incluem veículos e materiais de construção) tiveram queda de 1,6% no período. Em ambos os casos, foi o pior resultado para o mês desde 2003.

Os grifos acima, como de costume, são meus.

Quem se lembra que há poucos meses tivemos uma campanha presidencial, na qual a Dilma afirmou, reiteradas vezes, que a economia do Brasil estava ótima? Lembram-se? Inflação sob controle, tudo indo muito bem, inclusive a mentira do pleno emprego?

Você conhece algum militonto que enchia a boca para dizer, bovinamente, que vota na Dilma ou no PT porque estava pensando nos interesses dos pobres? Você conhece alguém que, por livre e espontânea burrice ou por remuneração (mesmo que seja um lanche de mortadela) espalhava as mentiras e estultices da Dilma nas redes sociais?

2015-05-12 14.25.53

Militontos_050

Isso aconteceu há poucos meses. E houve uma quantidade assombrosa de militontos espalhando as bobagens da campanha do PT.

Verba_destinada_para_o_Fies_neste_semestre_acabou,_diz_ministro_-_Educação_-_Estadão_-_2015-05-05_02.11.38 Ministro_da_Educação_diz_que_recursos_para_o_Fies_estão_esgotados_-_Jornal_O_Globo_-_2015-05-05_05.44.43 Berkciara_on_Twitter_se_vcs_estão_pensando_em_Fies_nos_próximos_anos,_caso_Aécio_ganhe._sinto_mto_por_vcs._-_2015-05-05_02.12.02 senhor_lucas_on_Twitter_ja_pensou_o_Aécio_ganhar_e_tirar_o_FIES,_o_que_vai_ter_de_gente_chorando_e_que_votou_nele_kkkk_-_2015-05-05_02.12.40 gabriel_on_Twitter_espero_q_qm_vota_no_aecio_fique_sem_seu_amado_fies_-_2015-05-05_02.13.22 Zom_on_Twitter_pagando_de_playboy_na_internet_aí_caquedo,_seloco_aécio_ganha_a_gente_fica_tudo_sem_fies_-_2015-05-05_02.16.06 Roxmo_2015-May-05 2015-04-30 02.11.29 2015-04-23 22.24.04 2015-03-25 22.48.59 2015-03-08 23.58.53 2015-03-13 20.30.59 2015-03-25 22.22.54

Infelizmente, enquanto isso acontecia, a economia do Brasil já vinha degringolando. Mas muita gente não percebeu, pois estava entretida com as bobagens espalhadas pelos boçais de sempre.

Na vida real, entretanto, a crise já vinha acontecendo. A inflação JAMAIS ficou dentro da meta do Banco Central durante o mandato de Dilma Ruinsseff – sempre ficou acima. Sempre. Isso, ao longo do tempo, vai corroendo a renda de quem trabalha – e o efeito é ainda pior para os mais pobres, que têm menos recursos para proteger seu dinheiro.

O mais engraçado é comparar as bobagens dos militontos e demais boçais retratados acima com a realidade:

Um dos maiores inimigos do PT ao longo de sua trajetória, o receituário do FMI (Fundo Monetário Internacional) talvez salve o partido duas vezes no comando da Presidência da República.
A série de ajustes conduzida neste momento por Joaquim Levy é pura prescrição do FMI, instituição onde o ministro da Fazenda trabalhou por sete anos.
Na terça (12), o Fundo fez elogios às ações de Levy. No mesmo dia, o britânico “Financial Times” o chamou de “falcão fiscal treinado na Universidade de Chicago”.
O receituário do FMI é sempre previsível e clássico, destinado a países que chegam ao fundo do poço, como o Brasil sob Dilma.
Corte de despesas e aumento de receitas quando há crises fiscais, mais a implosão de programas insustentáveis do ponto de vista atuarial. Os cortes no seguro desemprego e pensões por mortes são parte dessas medidas.
De saída, o FMI também impõe a seus endividados forte elevação dos juros para conter a inflação e tentar amenizar os efeitos de outro instrumento do receituário: um “tarifaço” a fim de corrigir preços defasados e equilibrar o caixa de empresas fornecedoras de energia, combustíveis etc. para que possam perpetuar investimentos.
A lógica do Fundo é que contas em dia geram confiança entre investidores privados e tiram a pressão do peso do governo sobre a economia. O objetivo é aproximar ao máximo o país da economia de mercado.
A primeira vez que o Fundo Monetário salvou o PT foi em 2003, quando Lula assumiu a Presidência pendurado em empréstimo de US$ 30 bilhões. O então ministro da Fazenda Antonio Palocci fazia visitas constantes ao Fundo, assim como o próprio Levy, então secretário do Tesouro, que poucos anos antes havia se desligado do FMI.
Se olharmos para todos os países que precisaram de dinheiro do Fundo para se manter à tona, veremos que a base do receituário é sempre a mesma. Há doses extremas do mesmo remédio para problemas extremos, como na Grécia agora.
O Brasil segue mais uma vez o mesmo caminho. E ele pode de fato melhorar as condições macroeconômicas. O problema é que a lógica de encaminhar um país rumo à economia de mercado requer outras mudanças estruturais para azeitar setores importantes.
No Brasil, estamos ainda na fase aguda do ajuste, que vai sendo feito com as dificuldades presentes no Congresso. Mas será necessária toda uma segunda rodada de mudanças, que passa pelo fortalecimento de agências reguladoras (hoje esvaziadas), maior eficiência de ministérios e seus gastos, combate ao desperdício e estímulo à competição privada.
Essa será uma fase bem mais difícil e lenta. Mas necessária para não voltarmos, mais à frente, a recorrer indefinidamente ao receituário emergencial do Fundo.

O artigo acima foi publicado hoje na Folha, AQUI.

Vejamos o que dizia Dilma Ruinsseff em 2012:

Para a tristeza de Dilma, os fatos acabam desmentindo as mentiras da presidanta.

Firefox 81

Firefox 78

Estelionato_2

Um comentário sobre “Depois da indústria, agora o varejo é a vítima da crise da Dilma

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s