#HumanizaRedes é o mais novo fiasco do PT

Em tese, o novo mandato de Dilma Rousseff começou em Janeiro de 2015 – portanto, há pouco mais de 4 meses. Neste período, foram tantas crises causadas pela incompetência do próprio governo que qualquer pessoa com QI acima de 12 morreria de pena – ou de rir. Foram tantos erros, de proporções tão surpreendentes, que a sensação é a de fim de governo. Mas como se trata de Dilma Rousseff, tudo sempre pode piorar. E piora mesmo.

Na semana passada, o governo fez um evento para lançar uma proposta chamada #HumanizaRedes – sim, com a hashtag. Desde então, a conta desse “serviço” no twitter tem sido a efígie do (des)governo Dilma: só enfiou os pés pelas mãos, só fez (e escreveu) besteira. Mas a melhor parte: desde sexta-feira (há 4 dias, portanto), a conta vem sendo bombardeada no twitter (não acompanho no Facebook, mas imagino que também esteja) graças a uma iniciativa ABSOLUTAMENTE GENIAL do Danilo Gentili:

Ao iG, Danilo falou nesta segunda-feira (13) sobre o perfil Desumaniza Redes e contou que comprou pessoalmente um prêmio para os participantes. “Comprei um Playstation do meu bolso e vou sortear pra quem mais xingar as redes sociais que o governo criou para combater ‘o ódio’ na internet”, conta. Até o fechamento desta matéria, o perfil do governo contabilizava 7,5 mil seguidores enquanto o criado por Gentili marcava 23,5 mil. Procurada pelo iG, a assessoria de comunicação da Presidência da República não retornou o contato.
“Essa conversa de dividir pra conquistar já deu no saco e está muto manjada. Eles sempre criam algum termo bonitinho em novalíngua mas que no mundo real significa ‘censura’ pura e simples. Essa bobagem autoritária está toda sendo paga com o meu e o seu dinheiro. Usam nosso dinheiro para dizer pra gente o que podemos ou não falar”, argumenta o apresentador. “Dessa vez criaram ‘humanizar’. Claro, eles são os ‘humanizadores’ e, se você der qualquer opinião contrária à agenda política deles, torna-se o oposto disso, ou seja, ‘desumano’. E, dessa forma, vão marginalizando e criminalizando opiniões contrárias à ideologia e à agenda política deles. Então, se esses canalhas são os humanos, temos que ter orgulho em ser desumanos – e manter a liberdade para isso, sempre”, defende Danilo.
Para finalizar, Danilo propõe fazer o contrário do que pede a campanha oficial. “Até desenho criminalizando opinião eles já fizeram para explicar para retardados a censura. Com esses autoritários não tem que dialogar, só ‘desumanizar’ mesmo”.

O Danilo Gentili está coberto de razão: não existe forma “respeitosa” e/ou “racional” para lidar com (mais) esta iniciativa burra, tosca e petética do PT; só resta recorrer ao humor para expor mais uma tentativa forçada de impôr uma agenda que, sob o disfarce inócuo do “politicamente correto” embute um objetivo do PT e de suas linhas auxiliares: a supressão do direito de opinião, da liberdade de pensamento. Vejam o vídeo:

É preciso retomar um fato aqui: algumas (poucas) semanas atrás, o Estadão divulgou um relatório supostamente produzido pela Secretaria de Comunicação da Presidência (SECOM), que escancarava alguns fatos graves – mas amplamente conhecidos por qualquer pessoa que se informe um pouquinho e tenha capacidade de pensar.

O documento escancarou que o PT vem usando, há bastante tempo, dinheiro e estrutura do Estado (portanto sustentado com o dinheiro dos impostos, taxas e tarifas de todo o cidadão brasileiro) para sustentar uma rede de blogs e sites sujos (que eu costumo chamar de esgotosfera) cuja única finalidade é defender o PT e, para tanto, acusar quem quer que seja dos mais hediondos crimes, ofensas etc. São blogs/sites do mais baixo nível, com textos pavorosos, imagens feitas para ofender mesmo e, se preciso, espalhar mentiras das mais descabidas sobre adversários políticos quando interessa ao PT. Um deles publicou, na época do julgamento do mensalão, uma imagem comparando o Ministro Joaquim Barbosa a um macaco; o mesmo blog, em 2010, havia chamado todos os paulistas de “bestas” – na época, salvei a página, porque acabaria, claro, saindo do ar; essa gente não assume as responsabilidades pelas mentiras, calúnias e impropérios que publicam:

Blog da Dilma e os paulistas BESTAS
Clique na imagem para ampliar

Além desses blogs e sites que são lidos e produzidos por uma escumalha desqualificada, o documento da SECOM menciona a Dilma Bolada, aquela aberração que começou como um perfil de humor e acabou transformando-se numa pantomima ridícula e ofensiva. E paga – a peso de ouro. Repetindo: tudo com dinheiro público!

Não custa lembrar, ainda, os subterfúgios aos quais o PT recorre, sem nenhum pudor, em época eleitoral, conforme eu detalhei AQUI no blog. São ações das mais baixas, torpes, para espalhar mentiras e evitar qualquer processo judicial.

Dentro deste contexto, portanto, não adianta imaginar que acionar o governo pelas vias legais seja suficiente para barrar uma iniciativa como esta #HumanizaRedes. Não é.

O melhor, mais rápido, mais efetivo jeito é exatamente este que o Danilo Gentili escolheu: usar uma das características das redes sociais para promover a esculhambação – pela via do humor. Deixar claro que a iniciativa é tosca, ridícula, e tem uma finalidade nada republicana. Basta acompanhar o perfil @desumanizaredes no Twitter para ver que o objetivo tem sido alcançado. Com folga. Ao final do texto mostrarei alguns exemplos. Por ora, fiquemos com o #HumanizaRedes propriamente dito.

O primeiro ponto a ser observado: verifique quais pessoas/perfis o @HumanizaRedes segue no twitter. Apenas e tão somente perfis que defendem Dilma, o PT ou suas linhas auxiliares. Muitas dessas pessoas/perfis, aliás, produzem ofensas e violações de direitos humanos na internet – mas isso não importa, pois defendem a Dilma, o PT, os corruPTos de estimação deles etc…

O segundo ponto: na última segunda-feira (13/04) começou uma polêmica levantada justamente graças ao @DesumanizaRedes: o logotipo do governista #HumanizaRedes é um plágio. Depois, descobriu-se que era uma imagem de uso gratuito, mas não poderia, por contrato, ser usada como logotipo de uma empresa/organização. Mais tarde (tudo no mesmo dia!), descobriu-se que a Leo Burnet foi a agência que desenvolveu a “campanha” do #HumanizaRedes (por enquanto não há “campanha” nenhuma, apenas um site bem ruinzinho e um perfil do Facebook e no Twitter). A seguir (ainda no mesmo dia!) o burburinho foi acerca do valor gasto pela Presidência da República com esta iniciativa tosca.

Desde a criação do perfil @DesumanizRedes, tudo o que o site governista fez foi tentar se explicar. E só conseguiu enrolar-se mais. Tiveram que emitir uma nota, para tentar esclarecer o plágio do logo. A nota emitida afirmava:

“A logomarca do Humaniza Redes – Compartilhando Respeito foi desenvolvida pela agência Leo Burnett Tailor Made, responsável pela conta da Secom, conforme apontado no Portal Transparência. O Humaniza Redes esclarece que não há plágio, visto que a imagem é encontrada com royalties free, no banco público Getty Images”

Qual o problema com essa nota? Simples: ou a logomarca foi desenvolvida pela Leo Burnett ou não foi. Se ela está no banco público Getty Images, ela não foi desenvolvida pela Leo Burnett para o site. Ou uma coisa, ou outra.

Não foi esclarecido o valor gasto – com a logomarca especificamente, nem tampouco com o site como um todo. Até porque o site não oferece nada de novo, em termos de serviço ao cidadão. Leia os detalhes AQUI.

OUTRA COISA: Na segunda-feira à tarde, depois que houve o questionamento sobre o plágio, mudaram a imagem do perfil @HumanizaRedes no Twitter. Apareceu este aqui:

DesumanizaRedes_2015-Apr-13Depois disso, não sei exatamente em qual momento (não fiquei acompanhando o caso 24 horas ininterruptamente), o logo originalmente usado acabou retornando:

#HumanizaRedes 1Resumindo: o PT usa o governo (e suas estruturas, como Ministérios, Secretarias, autarquias, bancos, estatais etc) para financiar uma rede de blogs, sites e perfis ofensivos, burros e/ou criminosos (isso quando não reunem todas essas características de uma só vez), cujo objetivo é tentar silenciar qualquer um que se oponha ao governo. E o que foi feito para impedir isso? Para punir?

Nada.

Há algumas iniciativas, de alguns deputados e/ou senadores, que tentam revelar detalhes escusos do vínculo entre o PT, o governo e os sites sujos, mas elas são poucas, esparsas e insuficientes. A boa notícia, todavia, é que aqueles que se opõem ao governo e/ou ao PT, não têm mais medo dessa patrulha ideológica rastaquera. Assim como o PT e seus asseclas perderam o controle das ruas, estão perdendo também a hegemonia na internet. E fora dela.

É importante deixar claro: trata-se de uma questão de COMUNICAÇÃO. Durante décadas a esquerda reinou absoluta: as redações de jornais e revistas (imprensa no geral) sempre foram um reduto da esquerda. Isso tem mudado. A mesma coisa acontece na Universidade, igrejas, sindicatos, ONGs etc. A esquerda sempre teve total e completo domínio. Sobre essa questão da comunicação e da censura, aliás, vale a leitura DESTE texto, cujo início eu copio aqui:

No vocabulário orwelliano crimideia significa qualquer pensamento ou ideia que contrarie a ideologia dominante. A criminalização das ideias foi uma das táticas totalitárias previstas pelo profeta secular George Orwell (1903-1950) no início do século passado.
O clássico “1984” é sobre uma sociedade altamente controlada na qual a crimideia é combatida pela Polícia do Pensamento. O governo totalitário, contudo, sempre troca os significados das palavras para que suas ações não sejam referidas como realmente são.O ministério do governo do Grande Irmão responsável pela tortura dos cidadãos dissidentes, por exemplo, é conhecido como Ministério do Amor.
Eis uma das lições de Orwell: o controle de uma sociedade só é possível por meio do controle da linguagem e do pensamento.
A censura é aceita quando vem com outro nome. Assim como a corrupção, o assassinato em massa, o sequestro das instituições, a destruição da cultura e da moral.
O governo Dilma lançou na semana passada uma iniciativa voltada ao controle da linguagem e do pensamento na internet e também com objetivo de promover uma cultura de denuncismo entre os seus usuários – tudo isso supostamente para “humanizar” as redes sociais. Os humanizadores são, na verdade, policiais do pensamento pagos com o nosso dinheiro para patrulhar nossas ideias. Como o Ministério do Amor em “1984”, que na verdade torturava os cidadãos que desfiavam o Grande Irmão, o Humaniza Redes traz no seu nome a negação do verdadeiro significado de sua existência: a censura.

Este é um problema antigo do Brasil: depois de anos de ditadura militar que foi pintada como sendo “de direita” (não cabe entrar neste particular aqui, mas durante a ditadura militar “de direita” no Brasil o número de estatais cresceu de forma absurda: eram 48 em 1960; 87 em 1969; e finalmente 185 em 1979, conforme o Leo Monastério; vamos lembrar que no espectro político-ideológico, quem adora criar estatais é a esquerda, enquanto a direita, especialmente os liberais, são a favor da privatização, com Estado mínimo), passou a ser ofensivo ser chamado de “direita” no Brasil.
Há razões compreensíveis: no mundo inteiro, não apenas no Brasil, quem é “de direita” está ocupado trabalhando, estudando, criando sua família – e, portanto, tem pouco tempo para passeatas, manifestações, reuniões do DA da faculdade, assembléias etc. Assim, a direita (liberais, conservadores e demais “grupos”) ficava calada, criando a impressão de que não existia ou que seria minoria. Não é.

Ultimamente, tem havido reação. A terceira Lei de Newton está começando a funcionar de verdade no Brasil, depois de um longo e obsequioso silêncio. E a esquerda no geral (e o PT em particular) não sabe lidar com esta reação. Acostumaram-se ao papel de protagonistas, e agora estão sendo forçados a serem coadjuvantes. Inclusive na comunicação.

Vou reproduzir abaixo algumas das respostas que o perfil #HumanizaRedes vem recebendo. Mas recomendo ao leitor que vá até a página diretamente, para ver e acompanhar – está muito engraçado. Como eu mesmo escrevi na madrugada de sexta para sábado:

É necessário reconhecer que o Danilo Gentili deu uma contribuição incomensurável ao Brasil com sua iniciativa. E as pessoas vêm respondendo isso:

DIÓGENES JOSÉ CARVALHO DE OLIVEIRA, sortudo

DIÓGENES JOSÉ CARVALHO DE OLIVEIRA.

Este é o nome dele. A “ficha corrida” é simplesmente impecável:

A revolução de Março de 1964 o encontrou como militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Sentindo-se perseguido, fugiu para o Uruguai, onde ingressou, em 1966, no recém-criado Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR) de Leonel Brizola. Ainda nesse ano, arranjado por Brizola, foi fazer curso de guerrilha em Cuba, onde ficou um ano e se destacou como especialista em explosivos. Em 1967, já no Uruguai, tomou consciência de que Brizola era muito de falar e pouco de agir. Diógenes queria, ardentemente, exercitar o que aprendera na ilha de Fidel. Retornou ao Brasil e, em Porto Alegre, conheceu Almir Olímpio de Melo (“Paulo Melo”), que o conduziu a Onofre Pinto, em São Paulo, que também se havia desiludido com o comandante Brizola.

Em Março de 1968, concretizou- se o congresso de fundação da Vanguarda Popular Revolucionária (VPR) – organização comunista criada para derrubar o regime pela luta armada – cuja primeira direção ficou constituída por Wilson Egídio Fava, Waldir Carlos Sarapu e João Carlos Kfouri Quartim de Morais, pelo grupo dissidente da Política Operária (POLOP), e Onofre Pinto, Pedro Lobo de Oliveira e Diógenes José Carvalho de Oliveira, pelo núcleo de remanescentes do MNR. Diógenes conseguiu, assim, iniciar uma longa trilha de sangue, realizando algumas dezenas de ações terroristas na capital paulista, dentre as quais assaltos a bancos, explosões de bombas e assassinatos. O que se segue é, apenas, uma pequena, uma pálida idéia do que praticou esse militante comunista.

  • No início da madrugada de 20 de Março de 1968, participou do atentado que fez explodir uma bomba-relógio na biblioteca da USIS, no consulado dos EUA, localizado no térreo do Conjunto Nacional da Avenida Paulista. Três estudantes amigos, que caminhavam pelo local, foram feridos: Edmundo Ribeiro de Mendonça Neto, Vitor Fernando Sicurella Varella e Orlando Lovecchio Filho, que perdeu o terço inferior da perna esquerda.
  • Na madrugada de 20 de Abril de 1968, preparou mais uma bomba, desta vez lançada contra o jornal “O Estado de São Paulo”, que funcionava na esquina da Rua Major Quedinho com a Rua Martins Fontes; do mesmo modo que a anterior, a explosão feriu três inocentes
  • Na madrugada de 22 de Junho de 1968, participou do assalto ao Hospital do Exército em São Paulo, localizado no Cambuci. Fardados de tenente e soldados, cerca de 10 militantes da VPR renderam a guarda e roubaram nove fuzis FAL, três sabres e quinze cartuchos 7,62 mm
  • Na madrugada de 26 de Junho de1968, fez parte do grupo de 10 terroristas que lançou um carro-bomba contra o Quartel General do então II Exército, no Ibirapuera, matando um dos sentinelas, o soldado Mario Kosel Filho, e ferindo mais seis militares.
  • Em 01 de Agosto de 1968, participou do assalto ao Banco Mercantil de São Paulo, localizado na Rua Joaquim Floriano, 682, no bairro do Itaim, com o roubo de NCr$ 46 mil.
  • Em 20 de Setembro de 1968, participou do assalto ao quartel da Força Pública, no Barro Branco. Na ocasião, foi morto a tiros o sentinela, soldado Antonio Carlos Jeffery, do qual foi roubada a sua metralhadora INA.
  • Em 12 de Outubro de 1968, participou do grupo de execução que assassinou o capitão Chandler, do Exército dos EUA. Foi Diógenes quem se aproximou do capitão – que retirava seu carro da garagem, na frente da mulher e filhos – e nele descarregou os seis tiros de seu revólver Taurus calibre 38.
  • Em 27 de Outubro de 1968, participou do atentado à bomba contra a loja Sears da Água Branca.
  • Em 06 de Dezembro de 1968, participou do assalto ao Banco do Estado de São Paulo (BANESPA) da Rua Iguatemi, com o roubo de NCr$ 80 mil e o ferimento, a coronhadas, do civil José Bonifácio Guercio.
  • Em 11 de Dezembro de 1968, participou do assalto à Casa de Armas Diana, na Rua do Seminário, de onde foram roubadas cerca de meia centena de armas, além de munições. Na ocasiao, foi ferido a tiros o civil Bonifácio Signori.
  • Foi o coordenador do assalto realizado em 24 de Janeiro de 1969, ao 4º RI, em Quitaúna, com o roubo de grande quantidade de armas e munições e que marcou o ingresso de Carlos Lamarca na VPR.
  • Em 02 de Março de 1969, Diógenes e Onofre Pinto foram presos na Praça da Árvore, em Vila Mariana.
  • Um ano depois, em 14 de Março de 1970, foi um dos cinco militantes comunistas banidos para o México, em troca da vida do cônsul do Japão em São Paulo.
  • Diógenes ficou pouco tempo no México, indo rever seus amigos em Cuba, onde ficou por cerca de um ano. Em 25 de Junho de 1971, saiu de Cuba e foi para o Chile, que havia se tornado, com Allende, a nova “Cuba sul-americana” . Com a queda de Allende, em Setembro de 1973, retornou ao México e daí foi para a Europa, onde esteve em diversos países, dentre os quais a Itália e a Bélgica.
  • Em fins de 1974, radicou-se em Lisboa, onde permaneceu um ano.
  • Em Janeiro de 1976, iniciou seu périplo africano, onde foi para Angola e Guiné-Bissau, sempre junto com sua então companheira Dulce de Souza Maia, a “Judith” da VPR.
  • Em 1979 e em 1981, representando o governo de Guiné-Bissau, esteve no Brasil por alguns dias.
  • Em 1986, era o assessor do vereador do PDT Valneri Neves Antunes, antigo companheiro da VPR e fazia parte do movimento “Tortura Nunca Mais”.

Na década de 1990, ingressou nos quadros do PT/RS, sempre assessorando seus líderes mais influentes.
Era o Diógenes da VPR.
Hoje, é o Diógenes do PT
Atualmente é o presidente do Clube de Seguros da Cidadania, em Porto Alegre, órgão encarregado de coletar fundos para o PT.

Como já anotara o jornalista Elio Gaspari (veja aqui), o ilustre “Diógenes do PT” foi agraciado, pelo não menos ilustre Ministro da Justiça ( o PTralha Tarso Genro), com vencimentos de R$ 1.627,72 mensais, fora uma bolada de mais de 400 MIL REAIS a título de “anistia”.

Eis os detalhes:

Publicada no Diário Oficial da União de 24 de janeiro de 2008 – pág. 38
Ministério da Justiça – GABINETE DO MINISTRO
PORTARIA Nº 112 DE 23 DE JANEIRO DE 2008
O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais, com fulcro no artigo 10 da Lei nº 10.559, de 13 de novembro de 2002, publicada no Diário Oficial de 14 de novembro de 2002 e considerando o resultado do julgamento proferido pela
Comissão de Anistia, na 75ª Sessão realizada no dia 06 de setembro de 2007, no Requerimento de Anistia nº 2003.01.17477, resolve: Declarar DIÓGENES JOSÉ CARVALHO DE OLIVEIRA portador do CPF nº 428.216.490- 53, anistiado político, concedendo-lhe reparação econômica, de caráter indenizatório, em prestação mensal,
permanente e continuada, correspondente ao cargo de Auxiliar Administrativo, conforme informado pela Companhia Estadual de Geração e Transmissão de Energia Elétrica do Rio Grande do Sul – CEEE – GT, no valor de R$ 1.627,72 (um mil, seiscentos e vinte e sete reais e setenta e dois centavos), com efeitos retroativos da data do julgamento em 06.09.2007 a 05.10.1988, perfazendo um total retroativo de R$ 400.337,73 (quatrocentos mil, trezentos e trinta e sete reais e setenta e três centavos), e a contagem do tempo, para todos os efeitos, do período compreendido entre 06.06.1966 e 10.10.1979, nos termos do artigo 1º, incisos I, II e III da Lei nº 10.559, de 2002.

Isso é o PT.

Isso é o que o PT vem fazendo: dilapidando o erário. Fudendo o Brasil.

Direitos humanos – a favor dos bandidos

Complementando o post de ontem (aqui), a coluna de Elio Gaspari na Folha de São Paulo de hoje (aqui) é simplesmente um primor:

Em 2008 remunera-se o terrorista de 1968

DAQUI A OITO dias completam-se 40 anos de um episódio pouco lembrado e injustamente inconcluso. À primeira hora de 20 de março de 1968, o jovem Orlando Lovecchio Filho, de 22 anos, deixou seu carro numa garagem da avenida Paulista e tomou o caminho de casa. Uma explosão arrebentou-lhe a perna esquerda. Pegara a sobra de um atentado contra o consulado americano, praticado por terroristas da Vanguarda Popular Revolucionária. (Nem todos os militantes da VPR podem ser chamados de terroristas, mas quem punha bomba em lugar público, terrorista era.)

Lovecchio teve a perna amputada abaixo do joelho e a carreira de piloto comercial destruída. O atentado foi conduzido por Diógenes Carvalho Oliveira e pelos arquitetos Sérgio Ferro e Rodrigo Lefèvre, além de Dulce Maia e uma pessoa que não foi identificada.
A bomba do consulado americano explodiu oito dias antes do assassinato de Edson Luís de Lima Souto no restaurante do Calabouço, no Rio de Janeiro, e nove meses antes da imposição ao país do Ato Institucional nº 5. Essas referências cronológicas desamparam a teoria segundo a qual o AI-5 provocou o surgimento da esquerda armada. Até onde é possível fazer afirmações desse tipo, pode-se dizer que sem o AI-5 certamente continuaria a haver terrorismo e sem terrorismo certamente teria havido o AI-5.

O caso de Lovecchio tem outra dimensão. Passados 40 anos, ele recebe da Viúva uma pensão especial de R$ 571 mensais. Nada a ver com o Bolsa Ditadura. Para não estimular o gênero coitadinho, é bom registrar que ele reorganizou sua vida, caminha com uma prótese, é corretor e imóveis e mora em Santos com a mãe e um filho.
A vítima da bomba não teve direito ao Bolsa Ditadura, mas o bombista Diógenes teve. No dia 24 de janeiro passado, o governo concedeu-lhe uma aposentadoria de R$ 1.627 mensais, reconhecendo ainda uma dívida de R$ 400 mil de pagamentos atrasados.

Em 1968, com mestrado cubano em explosivos, Diógenes atacou dois quartéis, participou de quatro assaltos, três atentados a bomba e uma execução. Em menos de um ano, esteve na cena de três mortes, entre as quais a do capitão americano Charles Chandler, abatido quando saía de casa. Tudo isso antes do AI-5.

Diógenes foi preso em março de 1969 e um ano depois foi trocado pelo cônsul japonês, seqüestrado em São Paulo. Durante o tempo em que esteve preso, ele foi torturado pelos militares que comandavam a repressão política. Por isso foi uma vítima da ditadura, com direito a ser indenizado pelo que sofreu. Daí a atribuir suas malfeitorias a uma luta pela democracia iria enorme distância. O que ele queria era outra ditadura. Andou por Cuba, Chile, China e Coréia do Norte. Voltou ao Brasil com a anistia e tornou-se o “Diógenes do PT”. Apanhado num contubérnio do grão-petismo gaúcho com o jogo do bicho, deixou o partido em 2002.

Lovecchio, que ficou sem a perna, recebe um terço do que é pago ao cidadão que organizou a explosão que o mutilou. (Um projeto que re- vê o valor de sua pensão, de iniciativa da ex-deputada petista Mariângela Duarte, está adormecido na Câmara.)
Em 1968, antes do AI-5, morreram sete pessoas pela mão do terrorismo de esquerda. Há algo de errado na aritmética das indenizações e na álgebra que faz de Diógenes uma vítima e de Lovecchio um estorvo. Afinal, os terroristas também sonham.

Não entendi, ainda, qual o ponto de intersecção entre os “Direitos Humanos” (no Brasil, formado por um grupo de pelegos PTralhas) e a Justiça. 

Direitos humanos: servem a quem ?

Recebi por e-mail, e com certeza já circulou outras vezes.Não sei a autoria, e pode até ser “falso”.

Mas, ainda assim, é um texto curto, conquanto incrivelmante verossímil.

Carta enviada de uma mãe para uma mãe em SP, após noticiário na tv

De mãe para mãe…

Hoje vi seu enérgico protesto diante das câmeras de televisão contra a transferência do seu filho, menor infrator, das dependências da FEBEM em São Paulo para outra dependência da FEBEM no interior do Estado. Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes decorrentes daquela transferência. Vi também toda a cobertura que a mídia deu para o fato, assim como vi que não só você, mas igualmente outras mães na mesma situação, contam com o apoio de comissões, pastorais, órgãos e entidades de defesa de direitos humanos.

Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender o seu protesto. Quero com ele fazer coro. Enorme é a distância que me separa do meu filho. Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo. Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família. Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha, para mim, importante papel de amigo e conselheiro espiritual.

Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou estupidamente num assalto a uma videolocadora, onde ele, meu filho, trabalhava durante o dia para pagar os estudos à noite. No próximo domingo, quando você estiver se abraçando, beijando e fazendo carícias no seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores no seu humilde túmulo, num cemitério da periferia de São Paulo…

Ah! Ia me esquecendo: e também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranqüila, viu? Que eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá na última rebelião da Febem.

Direitos humanos são para humanos direitos!!