Brasil cada vez menos atrativo: HSBC sairá do país

Mais de uma década do desastre petista.

Os resultados começaram a aparecer em 2014, estão muito mais fortes agora em 2015. E tudo ainda pode piorar muito mais. O tema de hoje está em destaque nos principais sites noticiosos (os trechos abaixo são do Valor Econômico, na íntegra AQUI):

O banco britânico HSBC esperar levantar US$ 17 bilhões com a venda de suas unidades brasileira e turca. O plano faz parte da nova estratégia do banco, detalhada nesta terça-feira durante evento com investidores, para recuperar a rentabilidade e superar as perdas ocasionadas pelo escândalo conhecido como Swissleaks, em que é acusado de ajudar clientes de alta renda a sonegar imposto e a ocultar recursos depositados na Suíça.
Além dos valores obtidos nas respectivas transações, estão incluídas a liberação de exigência de capital e ganhos obtidos em decorrência do fim desses investimentos até 2017.

O banco não detalhou quanto espera obter especificamente com a venda do HSBC Brasil, que teve prejuízo de R$ 549 milhões em 2014. Seu valor é estimado em mais de R$ 10 bilhões, sem contar ágio esperado pela “oportunidade de negócio”.

Na semana passada, Itaú, Bradesco e Santander fizeram propostas iniciais pelo banco. A reportagem apurou que elas não superaram essa faixa de preço.
Na segunda (8), começou uma segunda rodada de negociações com o objetivo de os interessados apresentarem “ofertas vinculantes”, agora com compromisso entre os dois lados.

O HSBC tem diversas razões para esta decisão de abandonar o mercado brasileiro – o que é evidente, pois não se toma uma decisão deste porte baseado apenas em 1 ou 2 coisas. Contudo, é mais do que evidente que a situação ruim do Brasil pesou na decisão (íntegra da matéria AQUI):

O banco britânico HSBC anunciou nesta terça-feira que vai encerrar as suas atividades no Brasil e na Turquia. A decisão faz parte do plano de reestruturação da instituição financeira, que quer reduzir os seus ativos em 25%, gerando, assim, uma economia de 5 bilhões de dólares até 2017.
O banco também informou que cortará 50.000 postos de trabalho, sendo a metade deles das filiais do Brasil e da Turquia, e a outra metade de outras agências espalhadas pelo mundo. O foco da companhia agora é concentrar as atenções em operações na China, Índia e México.

Em apresentação aos investidores nesta madrugada, a instituição explicou que a saída do mercado brasileiro ocorre porque, para ser um dos três maiores no país, teria de multiplicar o total de ativos por seis. Outro argumento é que as exportações do Brasil (225 bilhões de dólares) são comparativamente menores que em outros mercados em que a casa seguirá com as portas abertas, como México (398 bilhões de dólares), Emirados Árabes Unidos (373 bilhões de dólares) e Índia (324 bilhões de dólares).

O redimensionamento do banco, que também atinge outros mercados e áreas de negócios, permitirá à casa estar “alinhada com as maiores zonas econômicas e de comércio do mundo”, conforme diz o comunicado divulgado aos investidores em Londres. A saída do mercado brasileiro, porém, não será completa, restringindo-se a uma pequena operação para atender grandes empresas. “Planejamos manter presença no Brasil para atender grandes clientes corporativos com respeito às necessidades internacionais”, informa a nota.

Enquanto arruma as malas no Brasil e Turquia, o HSBC anuncia que pretende “reconstruir a lucratividade no México”. Uma das intenções na segunda maior economia latino-americana é aproveitar as oportunidades criadas com o Acordo de Livre Comércio da América do Norte, o Nafta.

A principal aposta do HSBC, porém, está na Ásia. “O HSBC planeja desenvolver negócios no delta do Rio das Pérolas, na província de Guangdong (áreas da China) e na região da ASEAN (Associação das Nações do Sudeste Asiático”, diz o comunicado. Entre as áreas que serão mais exploradas na região, estão a gestão de ativos e os seguros. Além disso, o banco quer aproveitar as oportunidades criadas pela internacionalização da moeda chinesa.
Em evento de apresentação do cenário para investidores, o executivo-chefe do banco, Stuart Gulliver, explicou com naturalidade a decisão de sair do país. “Os negócios têm gerado resultado abaixo do esperado no Brasil, Turquia, México e Estados Unidos. O que vamos fazer é vender o Brasil e a Turquia e mudar no México e EUA”, afirmou. Em relação à segunda maior economia da América Latina, o tom foi diferente. “O quadro é diferente no México, onde a economia é aberta e há 11 reformas em curso”, disse o executivo que destacou que a participação das exportações no PIB mexicano supera até a da China. “É lógico estarmos no México, uma economia aberta, com reformas e ligada aos Estados Unidos”, completou.

A decisão do HSBC faz todo o sentido. O banco passa por uma situação complicada, apenas piorada pelo caso “Swissleaks”. Neste contexto, manter as operações num ambiente como o Brasil não ajuda nada – pelo contrário, só piora.

O desastre causado pelo PT tem relação direta com a perda da competitividade do país no comércio mundial, a crise econômica gerada pela incompetência de Dilma e Lulla, as escolhas do Brasil em alinhar-se a países com economia ruim e ditaduras vagabundas como Venezuela, Cuba e Argentina…e a lista é longa. E ruim – como mostra esta matéria do Valor Econômico de 08/06/2015:

Balanço divulgado hoje pela Anfavea, entidade que representa as montadoras instaladas no país, mostra que os fabricantes de veículos e tratores agrícolas eliminaram 1,38 mil postos de trabalho no mês passado.
O setor terminou maio empregando 138,2 mil pessoas, 1% a menos do que em abril. O resultado leva para 6,3 mil metalúrgicos o número de demissões desde o início do ano. Desde novembro de 2013, quando as montadoras iniciaram o atual ciclo de ajuste de mão de obra, 21,4 mil vagas já foram eliminadas.
Só a Mercedes-Benz anunciou no fim de maio demissões de 500 operários em sua fábrica no ABC paulista, mas parte desse contingente pode não ter entrado nas estatísticas do mês, já que muitas das demissões só devem ser homologadas em junho.

Os estragos causados pelo PT transformaram o Brasil num país refratário a investimentos. E o Estado fica cada vez mais inchado, mais caro…

2015-04-21 01.14.49

Em suma, o Brasil está em meio a uma crise econômica que não víamos há muitos anos; há uma crise política jamais vista nos últimos 40 anos; as pessoas estão endividadas, receosas por perder o emprego (sem falar nas que já estão perdendo) e extremamente pessimistas com relação ao seu futuro; as empresas não têm pretensão de investir num ambiente de incertezas; a carga tributária, que já é recorde, parece que vai aumentar ainda mais, porque os incompetentes em Brasília acham que precisam ter 40 ministérios e 23 mil cargos de confiança, o que eleva os gastos do Estado às alturas.

Freada_da_economia_corta_552_mil_postos_de_trabalho_formal_no_País_-_Economia_-_Estadão_-_2015-06-07_03.46.46

Como se tudo isso não bastasse, quem está em posição de consertar os rumos do Brasil é justamente o grupo de boçais que colocou o Brasil nesta situação péssima.

11428004_889831371074675_3578459912179536439_n

2015-03-31 12.07.15

Não dá vontade de fazer como o HSBC e sair dessa espelunca?

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s