Brasil: o país do direito sem obrigação

Li na InfoMoney (íntegra AQUI), e concordo em gênero, número e grau:

Apesar de todo o sucesso pessoal, o bilionário da 3G Capital, Carlos Alberto Sicupira, manifestou preocupação sobre a atual situação do País após alguns anos de euforia econômica, durante conferência na Expert 2014, realizada pela XP Investimentos no último final de semana.

Sicupira, que é sócio de Marcel Telles e Jorge Paulo Lemann, não se limitou a falar sobre as dicas de seu negócio e deu sua opinião sobre o cenário econômico nacional e as eleições de 2014. Ele afirmou que, até três anos atrás, havia uma espécie de anestesia sobre os últimos cinco anos do País. “Nunca tinha visto o Brasil tão bem na minha vida”, afirmou.

Atualmente, o Brasil voltou ao que sempre foi: “o Brasil é assim. O cara chega e muda a regra. Se vocês acham que o Brasil vai virar os Estados Unidos, estão enganados”, afirmou. Culturalmente, afirma, o País é do “coitadinho”, da impunidade e do direito sem obrigação. E, para ele, essa cultura brasileira não mudará independentemente de quem for eleito presidente.

Sicupira ainda falou sobre a impunidade no Brasil, afirmando que ela está “em todos nós” e que nós somos os culpados pela não transformação do País. “Porque não decidimos na hora da eleição? Nós também somos os culpados”, afirmou. Para ele, o negócio está na nossa mão: “nós temos o direito de votar, mas não sabemos em quem votamos”, afirmou, ressaltando que este processo tem raízes históricas. “Enquanto isso não mudar, não viraremos os EUA, ficaremos melhorando na margem”.

Ele está coberto de razão.

No Brasil, ser bem sucedido significa ser atacado – geralmente pelos “progressistas”, termo inventado para tentar suavizar adjetivos mais realistas, como “socialista” e “comunista”. Quem é bem sucedido vira alvo dessa corja, que diz defender os “pobres” mas na verdade odeia pobre. E odeia rico. E odeia classe média (a verdadeira, não aquela que o PT resolveu chamar de classe média só para deturpar as estatísticas do IBGE).

2014-02-14 17.14.09

Preciso citar o caso clássico da Marilena Chauí? Uma bufona, que recebe salário da USP para fazer proselitismo, e ODEIA a classe média – que ela considera fascista (ou “faxista”, segundo sua pronúncia tosca):

O Brasil está recheado de gente pródiga em reclamar por “direitos”, mas poucos estão consicentes de que antes disso é preciso cumprir com suas “obrigações”. Isso gera o cidadão-coitado: não hesita em reclamar seus direitos, mas na hora de cumprir os deveres e obrigações, empurra com a barriga.  A esquerda, via de regra, adora tratar o cidadão como coitado – e, por isso, a concepção da esquerda é transformar o Estado no senhor da razão. O Estado deve dizer ao cidadão o que fazer, como fazer, quando fazer, aonde fazer. Muitos brasileiros adoram esse Estado interventor, grande, “poderoso”, paternalista. A esquerda quer leis que dêem ao Estado o poder de decidir o que você assiste na TV, como cria seus filhos etc.

Chimpanzé acadêmico

A História já nos deu inúmeros casos de Estados que foram inchando, inchando, até dominar completamente a vida do cidadão. Os exemplos não são bons: Hitler, Stálin, Pol-Pot, Castro, Guevara, Mao Tse Tung, e por aí vão. O resumo geral é que a esquerda (pode chamar de progressista, socialista, comunista ou qualquer outro sinônimo) adora assassinos. Veja-se o caso do Cesare Battisti, por exemplo.

Há pouco tempo, o DataFolha fez uma pesquisa que pretendia mapear o posicionamento do cidadão brasileiro em termos de espectro político. A pesquisa tinha diversos erros metodológicos, mas apontou que o percentual de brasileiros que se dizem “de esquerda” é menor (bem menor) do que os que se colocam como sendo “de direita”. Alguns detalhes estão AQUI.

Uma semana depois, entretanto, o DataFolha divulgou mais um “pedaço” da pesquisa, e desta vez o resultado foi diferente. Esta segunda parte da pesquisa revelava um número expressivo (em muitos casos, majoritário) de pessoas que queriam maior presença do Estado nas questões econômicas.

Somadas as duas partes da pesquisa do DataFolha (e, repito, mesmo considerando que há erros suficientes para descartar a pesquisa), a conclusão mais evidente é que o brasileiro, na média, se diz de direita politicamente, mas não abre mão do paternalismo do Estado.

10175066_749919571738159_8884353215633591380_n

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s