Marilena Chauí: uma farsante histórica

Marilena Chauí é uma farsante. Uma farsa histérica. A auto-denominada “intelectual” é, na verdade, uma mentirosa, hipócrita.

No mínimo, se não é movida pela má-fé, o é pela ignorância. Ou ambos.
Segundo o site do PT (aqui), ela assinou, em parceria com outros mentirosos, um manifesto intitulado “Recuperar o PT para avançar na transformação do país”. Vou reproduzir apenas alguns trechos:

Para cumprir esse papel, no entanto, o PT precisa enfrentar com coragem e superar a grave crise política que se introduziu no partido nos últimos anos, culminando com o violento abalo constatado em torno de seus princípios e compromissos éticos em 2005 e 2006. Constitui gravíssimo erro político avaliar essa crise como superficial e enfrentá-la com maquiagem pautada pelo continuísmo.
A crise conjuga duas vertentes que convém distinguir. De um lado, a direita foi bem sucedida em incluir as acusações contra o PT em uma narrativa farsesca, segundo a qual episódios desse tipo nunca teriam ocorrido na história do Brasil. Esqueceram a compra de votos para aprovar a reeleição e esqueceram que o valerioduto foi montado pelo PSDB de Minas Gerais. De outro lado, não resta dúvida de que segmentos do PT terminaram se enredando em práticas que fizeram o rosto do nosso partido ficar parecido com o dos outros partidos brasileiros.
Responder com firmeza a essas questões, sem cair no jogo da direita, é o desafio principal. Mostrar que a direita deseja destruir o PT para retomar o caminho do neoliberalismo – que agravará a marginalização e a violência que começamos a combater no governo Lula. Dizer alto e bom som que o povo brasileiro e, sobretudo, os seus setores mais excluídos, contam com o PT e não podem prescindir dele, para mudar o Brasil.
O PT necessário, no entanto, é aquele da conduta ética, republicana, democrática e socialista que, por tantos anos, mobilizou e emocionou milhares de cidadãos brasileiros. As campanhas eleitorais movidas a dinheiro, a mercantilização do voto, o clientelismo e o abuso de poder devem ser combatidos dentro do partido, para que ele volte a ter, na prática, a cultura política que nos foi legada por figuras como Mário Pedrosa, Florestan Fernandes, Sérgio Buarque de Holanda, Perseu Abramo, Apolônio da Carvalho e tantos outros.

Os trechos em negrito e itálico são grifo meu.

O primeiro ponto a comentar é o seguinte: Marilena Chauí e outros auto-denominados “intelectuais petistas” sempre afirmaram que o mensalão e outras episódios de corrupção indiscutível jamais existiram: teriam sido criados pela “mídia golpista”, com o intuito de sujar a honra imaculada do PT.

Mentira. O mensalão existiu (não foi “inventado” pelo PT, como a recente denúncia do Procurador Geral da República demonstra, ao abrir inquérito contra o “valerioduto mineiro” ou “valerioduto tucano”, capitaneado pelo Marcos Valério e pelo senador Eduardo Azeredo, com participação relevante do Ministro Mares Guia), o que significa que as pessoas que agora assinam este manifesto estavam mentindo.

Se mentiram durante mais de 2 anos, por que agora resolveram falar a verdade ? Se mentiram durante 2 anos, culpando a “mídia golpista” pelas acusações (alegadamente falsas), por que deveriam ser levadas a sério agora ?

O que teria mudado ?

Marilena Chauí afirmou que o acidente (?) com o Airbus da TAM (que matou cerca de 200 pessoas em São Paulo) foi mais um exemplo da “mídia golpista” tentando colocar a culpa no PT. O conivente Paulo Henrique Amorin (que, por alguma razão ainda pouco explicada, abandonou o jornalismo sério e está seguindo os passos de outro vendido, Mino Carta) fez propaganda destas declarações mentirosas, estapafúrdias e ridículas da tresloucada e farsante “filósofa de merda” aqui. Já comentei este ponto em particular (aqui e aqui). Então, vamos seguir com o enterro !

Marilena Chauí e os demais “pseudo-auto-denominados intelectuais petistas” é que mentiram. Eles são uma farsa.

Até porque “intelectual petista” é a antítese do paradoxo: se uma pessoa é intelectual (segundo o Dicionário Houaiss: que ou aquele que vive predominantemente do intelecto, dedicando-se a atividades que requerem um emprego intelectual considerável; que ou aquele que domina um campo de conhecimento intelectual ou que tem muita cultura geral; erudito, pensador, sábio), por exclusão não pode ser PTista. Basta pensar um pouquinho para desprezar e repudiar a montanha de mentiras que sempre sustentaram o PT.

Assim, os tais “intelectuais petistas” são mentirosos, coniventes, submissos, burros demais ou hipócritas. Ou, talvez, uma combinação de tudo isso. Será que entre os nomes listados no tal “manifesto”, nenhum deles havia se dado conta dos fatos ? Será que todos eles andaram “desinformados” como Marilena Chauí ? Ou será que todos eles estavam esperando a poeira baixar para voltar a mentir deslavadamente em público ?

Alguns dos nomes que constam no tal manifesto são: André Singer, Hamilton Pereira, Maria da Conceição Tavares, Maria Victória Benevides, Mário Sérgio Cortella, Paul Singer, Renato Janine Ribeiro, Saturnino Braga e Sérgio Mamberti.

Será que todos eles mentiram de forma consciente ou são ingênuos a ponto de acreditar na teoria conspiratória da “mídia golpista” ?

Neste sentido, a coluna de Clóvis Rossi (Folha de São Paulo, 24/11/2007, na íntegra aqui) está impecável: Pena que só agora os intelectuais do partido (38 deles) descubram a pólvora em manifesto que diz: “O PT precisa enfrentar com coragem e superar a grave crise política que se introduziu no partido nos últimos anos”. “Grave crise política” é uma expressão débil para o caso. Mais honesto seria dizer, como o fez frei Betto, em livro, que se tratou de um “tumor fétido de alianças nefastas”. O manifesto, de resto, é a confissão de uma grosseira fraude.
Pelo menos uma das signatárias, a filósofa Marilena Chaui, especializou-se em dizer que o “tumor fétido” não passava de uma “conspiração” da mídia. Ora, se havia uma “grave crise política”, não houve conspiração, porque qualquer jornal que se preze noticia “graves crises políticas”, por definição. “Tumores fétidos” ainda mais. A conspiração, como cansei de dizer neste espaço, foi, portanto, dos fatos contra o PT, como agora confessam implicitamente os distraídos intelectuais petistas.

O segundo ponto que merece comentários: o texto (com grifo meu) remete a uma parcela do PT que teria “se enredando em práticas que fizeram o rosto do nosso partido ficar parecido com o dos outros partidos brasileiros”. Uma confissão de culpa pela corrupção, peculato e outros crimes que serão analisados pelo STF oportunamente (espero que logo!).

Mas, a despeito de tudo isso, o texto ainda aponta o dedo para a “direita” o “neo-liberalismo”, a “mídia”…..

Será que esse bando de “intelectuais” não consegue enxergar meio palmo à frente do nariz ?

Será que nenhum dos “intelectuais petistas” consegue parar de ruminar sua graminha e enxergar a realidade ?

29 comentários sobre “Marilena Chauí: uma farsante histórica

  1. jorge agostinho calil 29 de novembro de 2007 / 12:58 AM

    o pt É TUDO DE MAIS ABOMINAVEL COM TEORIA ARTIDARI É FACIL PERCEBEMOS QUE ELES ENCONTRARAM UM VAZIO NAS ESTRUTURAS POLITICAS E PARTIRAM PARA AÇAO ECONOMICA TOMARAMO ESTADO, CRIARAM UM COORPORATIVISMO QUE PARTIU DA USP,POIS OS INTELECTUAIS DESTA UNIVERSIDADE HÁ 40 ANOS DEVE RESPOSTA A SOCIEDADE CINTIFICA E INTELECTUAL DO MUNDO, OS TRABALHOS QUE ALI SÃO REALIZADOS COM DINHEIRO PUBLICO, NÃO COMTEPLARAM NOS ULTIMOS QUAARENTA ANOS NENHUM BENEFICIO SOCIAL:SÃO PAPAGAIOS QUE ´SO SABEM FALAR DE DESIGUALDADE SOCIAL RACISMO,INCLUSÃO SOCIAL E DISTRIBUIÇAO DE RENDA, MAS ATÉ HOJE NÃO VI NADA QUE ELES TENHAM CONTRIBUIDO PARA O PAIS CRIARAM PALLOCI CHAUI MARTIM E AI VAI

  2. vitor 8 de março de 2008 / 6:24 PM

    Fuck you!

  3. Carlos Munhoz 9 de março de 2008 / 3:39 AM

    O comentário do Vitor (“fuck you”) é tão profundo, complexo e relevante quanto os pronunciamentos e afirmações da “filósofa” (sic) Marilena Chauí.
    Ambos se merecem…..

  4. luiviegas 27 de julho de 2008 / 2:50 AM

    Rapaz , aproveita e dar uma olhada na página do curriculo lattes na internet da Marilena Chaui, são tantas titulações, tantas obras escritas. Será que os pares da filosofa deixaram uma farsante enganar todo mundo até hoje?Devo dizer que é dificil acreditar. Você parece aqueles assassinos novatos, que para tentar fazer nome, procuram matar um bandido mais famoso , experiente e temido por todos.

  5. Carlos Munhoz 27 de julho de 2008 / 5:00 PM

    luiviegas,
    Eu conheço o Lattes da Marilena Chauí (veja o que escrevi aqui: http://saladamaejoana.wordpress.com/2007/09/17/coitada-da-chaui/).
    Pelo visto, você só o descobriu agora……

    Agora, quantidade de livros publicados é indicativo de qualidade ?
    Se você acha que sim, deve ser fã do Paulo Coelho, né ?!
    Ok.

    Pessoalmente, prefiro QUALIDADE à QUANTIDADE.
    Entre ler Paulo Coelho porque ele tem dezenas de livros que vendem milhões de exemplares ou ler Schopenhauer (que os leitores do Paulo Coelho sequer conhecem), prefiro o segundo.

    Mas gosto é gosto…..

  6. Carlos 27 de julho de 2008 / 8:05 PM

    Francamente! Não gosto do “Partido dos Trabalhadores”, mas tentar colocar na igualdade Paulo Coelho e Marilena Chauí é uma aberração. Temos, sim, que questionar o posicionamento dela na conjuntura política, mas não é por isso que ela deva ser execrada.
    Marilena Chaí é uma intelectual que contribui, e muito, para a formação intelectual da sociedade. Não reconhecer isso, deixa a suspeitar das intençoes de quem não enxerga isso.

  7. Carlos Munhoz 27 de julho de 2008 / 8:47 PM

    Pô, xará, não desonra o nome !!!!!!!!!!!
    Aonde eu comparei Marilena Chauí a Paulo Coelho ??????

    Uma chance…… releia tudo, com mais calma……

    Eu não comparei Marilena Chauí com Paulo Coelho…..
    Ok, até poderia – porque ambos são lastimáveis.
    Mas não fiz isso.

    Ademais, não sejamos hipócritas: QUAL É, EFETIVAMENTE, A CONTRIBUIÇÃO da Marilena Chauí na “formação intelectual da sociedade” ?

    Objetivamente, como ela contribui ?????

    • Ricardo 3 de maio de 2012 / 10:09 PM

      Fui aluno da USP e conheci Chauí e sua corja: não contribuem para nada — no máximo, sabem recitar com um discurso afetado algumas passagens de alguns filósofos também afetados. Caem no papo furado deles quem é ingênuo ou revoltado filhinho-de-papai.

  8. Levy Silvério 10 de agosto de 2008 / 4:55 PM

    Não deveria perder meu precioso tempo para tecer comentários acerca de seus falatórios a respeito de Marilena Chauí ou de todos os petistas, ou da intelectualidade de esquerda ou petista, mas não suporto uma provocação.
    Primeiro: você é ingênuo.
    Segundo: você não precisa ser cortês pra falar do pior inimigo, mas faça-o com substancialidade. Seu diletantismo não o levará a lugar algum.
    Terceiro: Você escreve muito mal e nos dá a impressão que está com pressa, com a boca cheia de comida ou sei-la-o-quê, que bebe alguma coisa pra tentar engolir e continuar falando tentando não engasgar, mas engasga mesmo assim, cometendo falácias a esmo.
    Quarto: vá pro quarto, isso mesmo. Deita a cabecinha no travesseiro (aliás, seu travesseiro é adequado a esse seu pretenso cabeção?) e pensa um pouco, aproveite e leia um pouco de política para entender melhor. Aproveite e leia Schopenhauer, Kant, Nietzsche, Hegel, Marx e, se você se esforçar e conseguir, leia também um pouco de antropologia. Ah, pesquise também sobre o perfil da intelectualidade brasileira. Se conseguir,você vai ter uma surpresa, principalmente se conseguir identificar criticamente a quem e a quê serve cada um deles, ou pelo menos um representante de cada área, segmento, corrente etc.
    Quinto: vá pro quarto.
    Sexto: vá pro quarto.
    Sábado: não desista do quarto.
    Domingo: descanse. Vá pro quarto.
    Um abraço.
    P.s.: a idéia do nome do blog é genial. Ah, seu currículo denota seu perfil, ou seria o contrário? Você se considera competente no que faz?
    P.s.2: Escreva sobre Schopenhauer só pra nos aliviar a curiosidade em saber como você escreve pra gente grande.

  9. Carlos Munhoz 10 de agosto de 2008 / 11:37 PM

    Puxa, Levy, seu comentário foi tão útil e tão engraçadinho……. Impressionante.
    Não é necessário você dizer em quem vota. Já está claro.

    Em tempo: para quem reclama de mim, você escreve pior ainda……! Eu, pelo menos, evito cacófatos.

    • Ricardo 3 de maio de 2012 / 10:26 PM

      Carlos: você escreve bem, sim (e comparado aos petistas contratados para comentar em blogs, é um verdadeiro Machado de Assis)!

      Levy: se ler livros e ser capaz de recitá-los significasse alguma coisa, o cara do link a seguir seria o maior filósofo-gênio da história da raça humana-destepaíz!
      E mais: você parece gostar tanto de Marx — será que continuaria gostando se fosse filho dele (ou mesmo pai, esposa ou amante)? (veja o link 2)

      Link 1 – http://pt.wikipedia.org/wiki/Kim_Peek
      Link 2 – http://www.olavodecarvalho.org/convidados/ipojuca2.htm

      • Levy Silvério 4 de maio de 2012 / 9:09 AM

        Ricardo, talvez seguido de um numeral sequencial para lhe denotar sucessividade e lhe dar maior importância substancial ou real – de realeza, preste atenção:
        O conhecimento científico é assim, a pesquisa científica e a relação acadêmica pressupõem o respeito, citação e a correlação para não si ensimesmar – por mais redundante que a expressão pareça. Evitar o óbvio e não se arvorar no que já faz parte do establisment, das teses defendidas, discutidas e reconhecidas. Se o criador do blog fosse minimamente capaz, não faria um blog de ping pong de opinião infundada, e se arriscaria a versar seu conhecimento, sua pesquisa, suas análises aprofundadas e fundamentadas nos preceitos acadêmicos e científicos necessários. Já que a Marilena Chauí é o alvo de suas críticas e disposição de seu tempo, publica uma tese destruindo-na. Reforço: necessários.
        Ademais, o resto é resto, sem preconceito.

        • Carlos Munhoz 23 de abril de 2013 / 2:02 AM

          Eu rolo de rir quando analfabetos funcionais de nível 3 selecionam meia dúzia de palavras difíceis num dicionário e fazem ginástica para (tentar) concatená-las todas na mesma frase.
          Hilário!
          O sujeito solta um “para não si ensimesmar” e acha que pode ensinar alguma coisa a alguém sobre pesquisa científica…… (é desnecessário mencionar isso, mas eu faço doutorado na USP, aonde a Marilena Chauí infelizmente ainda está, e ensino metodologia de pesquisa na graduação – eu sei do que se trata a pesquisa e o conhecimento científico, diferentemente de você, evidentemente)
          Não sabe falar/escrever em português e solta um “establisment”…. Analfabeto funcional BILÍNGUE!!!!! Hilário!
          Por favor, Levy, continue escrevendo essas bobagens engraçadíssimas.
          Rir é sempre bom.
          Obrigado.

        • Levy Silverio 23 de abril de 2013 / 6:39 AM

          Hahaha… Carlos, demorou, hein?!? “si ensimesmar”, além do erro ortográfico, é quase como “suicidar-se a si mesmo”. “establishment” ficou faltando um”h”. Sabe quantos doutores são despejados no mercado todo semestre no Brasil? Na USP? Você sabia que esse país “xexelento” expurga uma das maiores quantidades de pós-graduados do mundo? Lógico que você saber disso tudo.
          Parabéns pelo doutoramento em curso.
          Você sabe qual é a distância exata, ou aproximada, entre os investimentos nas instituições públicas de ensino superior e técnico entre a gestão do empolado FHC e o analfabeto Lula?
          Tolinho.
          Rir é bom demais, em quase todas ocasiões.
          “Ademã, vou em frente. PT saudações” hehehehe…

  10. Daniel Montarroyos 16 de outubro de 2008 / 5:53 PM

    Acredito que o termo “filósofa” conferido a Marilena “Xuxa” Chauí é a coisa mais absurda que se possa fazer. Que contribuição ela trouxe ao pensamento? Que obra de grande relevo tem essa senhora? No máximo ela é uma professora-divulgadora de filosofia e escritora de livros didátidos para serem usados nas cadeiras de faculdade dos primeiros períodos.

  11. Carlos Munhoz 17 de outubro de 2008 / 3:07 AM

    Pois é, Daniel, o pior é esse bando de deslumbrados que acha a criatura um gênio, baseado no tamanho do currículo lattes dela, ou alguma outra métrica congênere.
    Ok, 2 livros dela são básicos nas disciplinas “rasas” de filosofia no Brasil….. mas daí a tê-la como “grande filósofa” vai uma distância monumental.

    Contudo, esse “pensamento” é a cara da PTralhada…. Se determinado “acadêmico” é amigo do PT, defende suas bandidagens, automaticamente é aclamado como “genial” ou coisa que o valha. Se o “acadêmico” em questão é um boçal que escreve bonito não importa, desde que ele defenda o PT.

    E, como a imprensa é infestada por PTralhas, isso acaba virando senso-comum….. Mesmo sendo falso….!

  12. kkkkkkkkkkkkk 4 de dezembro de 2008 / 10:38 PM

    Só pra constar. Por acaso alguém aqui já leu com dedicação alguma obra de Marilena Chauí?
    Ela é uma das maiores intelectuais do país. Já assistiu a um debate com a participação dela?
    Será que apenas um texto, que ela engedra um discurso favorável ao PT anula tudo o que ela escreveu? Não seria “pesado” escrever que Chauí é uma pseudo-intelectual? Para criticá-la, vocês precisam ser melhores do que ela no discurso, por acaso vocês conseguem fazer isso?

    • Carlos Munhoz 5 de dezembro de 2008 / 1:17 AM

      Prezado kkkkkkkkkkkkkk,
      Quer alguém melhor do que a Marilena Chauí “no discurso” ?!
      Aguarde até eu disponibilizar o áudio do meu cachorro dando um pau no discurso da Marilena Chauí sobre o mensalão ou mesmo sobre o acidente da TAM em Congonhas.
      Ela fica no chinelo, coitada.
      E olha que meu cachorro (ainda) não publicou nenhum livro !!!!!!!!!!!

  13. Oi Gente 8 de dezembro de 2008 / 11:34 PM

    Vou adicionar mais uma:
    Ela disse que as universidades públicas se preocupam com a formação e não com pesquisa.
    Mentira! Eu nem tenho aula, como boa parte dos universitários de onde estudo.
    Acho que de tanto ler, ela passou a viver num mundo paralelo e não consegue mais voltar pra compreender o mundo verdadeiramente.
    Agora, se fazer de instumento do PT pra convencer comunidades universitárias é o fim.
    Sinceramente, o Mensalão é algo que não tem defesa, até porque houveram 87987654 gravações que mostraram o que estavam fazendo com o dinheiro público.

  14. Oi Gente 8 de dezembro de 2008 / 11:36 PM

    Desculpe, mas esqueci um detalhe importante.
    Atualmente, existe uma coisa chamada índice H que mede a relevância do que foi escrito pelo pesquisador.
    Dê uma olhadinha se o dela está lá.

  15. Diego rosberg 27 de maio de 2009 / 4:43 PM

    Boa tarde,
    Meu nome é Diego Rosberg, sou aluno de História da Usp.Por acaso, eu acabei achando esse blog,e, me deparei com o que estava escrito a respeito da Professora Marilena Chaui.Bom, creio eu que devemos separar o que é militancia politica, da sua obra academica.Eu quero saber a respeito de sua obra academica, uma vez, que, ja me falaram bem de suas aulas na USP. Então, por favor, esclareçam-me a respeito de suas mediocres obras academicas, mas, substancialmente, analisando sua obra, e, não apenas adejetivando.Pois, é muito facil, adjetivar sem analise.
    Agradecidamente,
    Diego Rosberg.

    • Carlos Munhoz 29 de junho de 2009 / 7:25 PM

      Diego,
      Separar o que é militância política da obra acadêmica seria bom, mas a própria Marilena Chauí mistura estas duas coisas. Ela usa seu papel de professora da USP para fazer militância política, além de misturar o que DEVERIA ser opinião pessoal dela com fatos, inclusive históricos.
      Veja, por exemplo, a postura da professora Chauí na atual confusão/greve da USP. Veja o que ela falou sobre a greve em si, a defesa ridícula que ela fez do Claudionor Brandão etc…..

      É fácil adjetivar (este verbinho me soa a subterfúgio de operadores de telemarketing, aqueles que usam o maldito gerundismo para tudo….) sem análise, e é justamente isso o que faz esta picareta: ela simplesmente afirma que o mensalão foi uma invenção da “mídia golpista” (está adjetivando), mas ignora por completo os fatos – inclusive aqueles que constam do processo ora em trâmite no STF (portando, adjetivando sem análise).
      Dona Marilena Chauí ignora completamente os fatos, colocando sua vontade pessoal acima da razão – que demandaria analisar os documentos que constam da denúncia feita pelo Ministério Público, pelo Procurador Geral da República etc….

      Em tempo: ao invés de confiar “apenas” no que lhe foi falado sobre as aulas desta picareta, vá você mesmo assisti-las e tirar suas conclusões. Eu já tive algumas oportunidades de assistir à farsante, e a cada uma destas vezes ficava com uma impressão ainda pior. Lunática é pouco para qualificar os devaneios pueris da criatura.

  16. Danilo Basile 31 de julho de 2009 / 12:50 PM

    Não concordo com o post.

    • Carlos Munhoz 31 de julho de 2009 / 10:30 PM

      Ok, Danilo. Discordância registrada.

  17. Carlos 18 de outubro de 2010 / 8:48 AM

    Que coisa triste esse julgamento…

    Marilena Chaui pode até ser “pretensa intelectual” como o texto afirma (levianamente???), mas não se precisa, de fato, de validação intelectual dos fatos para que eles existam.

    Fato: A classe média, tanto a agonizante quanto a delirante, precisam se identificar a algum ideário e por isso se juntam ao coro da mídia (folha, veja, etc…)

    Dste modo, ignorância neste país não é, como gostariam todos os pretensos intelectuais e pessoas informadas (leitores de veja e Cia), privilégio dos esfomeados.

    Abraços a todos

  18. Rodrigo 10 de abril de 2011 / 11:43 PM

    Como se somente o PT fosse uma bosta total.

    Partido político da maneira que conhecemos hoje, trocado por bosta, é prejuízo pro cu do dono.

    Achar que o Lula é mal e o Serra é legal, é tão patético quanto à recíproca.

    • Carlos Munhoz 10 de março de 2012 / 4:36 AM

      Rodrigo, eu nunca escrevi que SÓ o PT é uma bosta total.
      Até porque, hoje, temos uns 40 ou 41 partidos – e não gosto de nenhum deles.
      Acho TODOS uma bosta, em maior ou menor grau.

  19. Júlio César 22 de abril de 2011 / 10:54 PM

    O que é jornalismo sério? Me diga qual é o jornal imparcial, apartidário, plural! É o da dita-branda que falsifica ficha criminal?

    • Carlos Munhoz 10 de março de 2012 / 4:34 AM

      Júlio César,
      Você tem todo o direito de não gostar da Folha, e criticá-la. Eu mesmo critico com certa frequência.
      Contudo, a despeito de erros cometidos, ela dá espaço para opiniões diversas. Entre os colunistas e/ou colaboradores frequentes da Folha, você já viu quantos são do PT?
      Mesmo quem escreve mal que dói (caso da Marta Suplicy, com uma coluna aos sábados) tem seu espaço para defender o PT.
      Nenhum jornal do mundo é imparcial. Nenhum é isento de erros. Nenhum é perfeito.

      Contudo, há os jornais que, a despeito dos erros, têm suas políticas de qualidade. São aqueles que pelo menos TENTAM fazer jornalismo sério, ou seja, verificam os dados, ouvem os vários lados envolvidos nos fatos etc.

      Você nunca vai achar, entre as publicações da esquerda, essa TENTATIVA de ser séria. Basta ver CartaCapital, Caros Amigos e afins.

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s