Ilusão de lógica

Retomando um assunto já tratado aqui, reproduzo um excelente artigo:

Iludindo o público

JOSÉ CARLOS DE AZEVEDO

N. WIENER graduou-se em matemática aos 14 anos e doutorou-se em lógica aos 18 na Universidade Harvard. Conhecido como pai da cibernética, contribuiu para outros ramos da ciência e afirmou que as “tentativas de modelar o clima espremendo equações da física em computadores, como se a meteorologia fosse uma ciência exata como a astronomia, estão condenadas ao fracasso”, que a “auto-ampliação de pequenos detalhes frustraria qualquer tentativa de prever o clima” e que “os líderes dessa atividade estavam iludindo o público ao pretender que a atmosfera é previsível”.

Opinião semelhante foi a de J. von Neumann, matemático que contribuiu para a mecânica quântica, as teorias dos jogos e dos computadores, o projeto da bomba de hidrogênio e a previsão do tempo.
Há quase 20 anos, o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática, na sigla em inglês), órgão da ONU, patrocina a novela do aquecimento global e faz “previsões” sem amparo científico.
Dois grupos distintos cuidam do clima: o dos cientistas, que conhecem a complexidade do problema e procuram decifrá-la, e os “modeladores”, que usam teorias do século 19 e “prevêem” o clima até o final dos séculos.

Este segundo grupo usa computadores colossais, faz projeções e estimativas, fala de indícios e vestígios, já consumiu US$ 50 bilhões e nada contribuiu para elucidar o problema. Quer frear o desenvolvimento mundial e levar países à miséria ao propor a redução drástica do uso de combustíveis fósseis porque, diz ele sem provas, o dióxido de carbono (CO2) gerado pelo homem é o responsável pelo aquecimento. Reduzindo a emissão, acrescenta, o aquecimento no fim deste século será de uns dois graus e a natureza estará salva.
Mais eficazes são as propostas do Voluntary Human Extinction Movement e da Gaia Liberation Front, que querem extinguir a humanidade para salvar a natureza.
Não há prova que o CO2 é responsável pelo “efeito estufa”, mas é certo que o Sol e a água (nuvens, vapor d’água, cristais de gelo) condicionam a temperatura e o clima na Terra. O IPCC e seus 2.500 “cientistas”, porém, culpam o CO2.

Ocorre que o IPCC não estuda nada: faz resenha de trabalhos publicados, adultera-os quando lhe convém e alardeou a importância de dois deles, o de Michael Mann e o relativo às camadas de gelo extraído na Antártida, em Vostok.

O trabalho de Mann analisou a temperatura na Terra entre os anos 1000 e 1980 e disse que as emissões de CO2 a partir do início da era industrial causaram o maior aumento de temperatura daquele milênio. Pois esse trabalho é uma manipulação de dados e nem falam mais dele. Quanto às camadas de gelo, é certo que o aumento da temperatura antecede o da emissão do CO2, e não o oposto.
A banda de música do IPCC é o filme do Al Gore, cuja exibição foi proibida na Inglaterra por decisão judicial, exceto se mencionar as inverdades que contém: aumento do nível dos mares, morte de corais e ursos polares, Tuvalu, Vostok, malária etc.

Restou ao IPCC citar os 2.500 “cientistas” e o seu “consenso” sobre CO2 “antropogênico”. Consenso não é referencial científico e, se for questão de números, há muitas listas de consensos de cientistas qualificados, identificados e contrários ao IPCC: a de Frederick Seitz, antigo presidente da Academia Nacional de Ciências e do Instituto Americano de Física dos EUA e atual presidente da Universidade Rockefeller e do Instituto George Marshall, por exemplo, tem mais de 32 mil assinaturas. O último relatório do IPCC tem 51.
A compreensão da natureza do clima começou em 1610 com Galileu, descobridor das manchas do Sol. Em 1752, Franklin mostrou que as nuvens têm cargas elétricas. Em 1998, o Instituto de Pesquisas Espaciais da Dinamarca provou a influência da radiação cósmica no clima. Em 2006, o Cern, o maior centro de pesquisas nucleares, cujo acelerador de partículas tem 27 km, criou um consórcio com dezenas de universidades e cientistas para ampliar as descobertas na Dinamarca que provam que o campo magnético do Sol controla a radiação cósmica incidente e, portanto, o clima; e que a passagem do Sol pela Via Láctea explica as glaciações e interglaciações. Os “modeladores” iludem a população e não dizem que o pólo Norte de Marte está derretendo.

Os investimentos em computadores profetas devem ser destinados às pesquisas em biologia. As plantas retiram da atmosfera, por ano, bilhões de toneladas de carbono, e um bom laboratório -a Embrapa, por exemplo-, com um mínimo daqueles US$ 50 bilhões, pode desenvolver plantas que absorvem mais carbono. Elas farão o ar mais limpo e produzirão mais alimentos.

JOSÉ CARLOS DE ALMEIDA AZEVEDO , 76, é doutor em física pelo MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts, EUA). Foi reitor da UnB (Universidade de Brasília).

Desmatando mentiras

Desde a divulgação dos dados sobre desmatamento na Amazônia (maiores detalhes aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), o que se tem visto é um rasteiro e vagabundo joguinho de empurra-empurra entre membros do (des)governo PTralha. Basta uma rápida consulta no Google Notícias, e serão listadas centenas de matérias publicadas recentemente, tratando deste tema – sem falar da repercussão internacional.

Divertido, quando se relembra que o PT, enquanto aproveitava as vicissitudes oposicionistas, sempre criticou duramente a suposta “entrega” da Amazônia para estrangeiros, a falta de controle do governo brasileiro sobre o desmatamento e afins.

Mas um dos melhores textos que li sobre o assunto é do colunista da Veja, André Petry (na íntegra, aqui). O texto pode ser resumido, mais ou menos, assim:

Quando cai a taxa de desmatamento da Amazônia, a ministra Marina diz que é obra do governo eficiente.
Quando aumenta o desmatamento, aí é culpa do preço do boi e da soja.
Não é uma delícia?

O texto vai além, e acerta em cheio: como a distorção da verdade, por parte do (des)governo PTista, em geral, acarreta problemas:

O brutal aumento do desmatamento da Amazônia ceifou 7 000 quilômetros quadrados de floresta no segundo semestre do ano passado e arrancou a raiz das bravatas da ministra Marina Silva. Em 2004-2005, quando o desmatamento caiu 31%, a ministra garantiu que o saldo era resultado do trabalho do governo, e não uma decorrência dos preços baixos do boi e da soja – atividades que costumam avançar sobre a floresta. Em 2005-2006, com nova queda, desta vez de 25%, a ministra comemorou o sucesso e voltou à carga. “Seria simplismo e reducionismo achar que o que aconteceu foi por causa do preço das commodities.”

A platéia sempre foi informada pela ministra de que a floresta estava ficando de pé porque o Ministério do Meio Ambiente era eficiente e implementava políticas públicas na direção certa, e não porque o boi e a soja estavam baratos, o que certamente desestimulava sojicultores e pecuaristas de comer um pedaço da floresta. Agora, com o anúncio do recorde no desmatamento, adivinha de quem é a culpa? Do boi e da soja. Eis o que disse a ministra na semana passada diante do desastre: “Esperamos conseguir conter o desmatamento mesmo com o aumento do preço das commodities”. Não é uma delícia? Quando o desmatamento cai, é obra do governo eficiente. Quando aumenta, é culpa do preço do boi e da soja.

Marina já fez pior. Em entrevista em setembro de 2005, a ministra deu pormenores do sucesso do seu trabalho. Disse que havia uma previsão naquele ano de que o desmatamento cairia entre 50% e 60% no Pará. E para ressaltar a importância do trabalho ministerial explicou que, no Pará, boi e soja eram desimportantes. “Lá a influência das commodities não é tão relevante como é em Mato Grosso.” Agora, o Imazon, respeitada ONG que trabalha na Amazônia, informa que o desmatamento disparou justamente no Pará. Só de outubro para novembro, a ação da motosserra aumentou 300% no Pará. Quer dizer: no peculiar raciocínio da ministra, o desmatamento aumentou onde o preço das commodities não é tão relevante e, no entanto, esse aumento se explica justamente pelo preço das commodities.

É óbvio que boi e soja não esclarecem tudo. Não são os únicos responsáveis por derrubar árvores ou mantê-las em pé. Há outras causas que confluem para um resultado positivo ou negativo. O discurso da ministra esconde isso e distorce a realidade, desviando-a para o que lhe convém.

Isto é uma tradição do (des)governo PTista: se há algum problema, qualquer coisa ruim, a culpa é da mídia golpista, da “herança maldita” deixada pelos governos anteriores, dos especuladores, dos imperialistas norte-americanos etc…… Nesta hora, não faltam culpados. Porém, quando há uma boa notícia, ainda que minúscula, repentinamente ela representa nada além da indubitável e inexorável competência das ações, medidas e planejamento do PT……. Tem que ser muito burro – ou muito desinformado – para cair nesse conto do vigário……!

Necessário registrar uma obviedade: TODOS os partidos políticos brasileiros adotam este “princípio”. Uns, entretanto, de forma menos enfática do que o PT – que, de resto, sempre se colocou no lugar de paladino da verdade, da ética etc.

Neste caso específico da Amazônia, todavia, alguns aspectos particulares me chamam a atenção.

A mídia, em geral, tem ajudado e muito na divulgação da idéia de que o etanol brasileiro é o futuro – não apenas devido à crise (permanente) do petróleo, mas também pela ótica da proteção ao meio ambiente: afinal, o etanol é anunciado pelo próprio Rei Mulla como “energia renovável” e todo aquele blábláblá. As campanhas publicitárias bancadas pelo governo federal, aliás, destacam esta “virtude” do etanol brasileiro: a campanha transmite explicitamente a idéia de que o etanol brasileiro é muito melhor para o meio ambiente não apenas pela menor poluição (em comparação aos derivados do petróleo, especialmente a gasolina), mas pelo fato de ser “sustentável” em longo prazo.

Sobre este aspecto, em particular, duas observações:

1) O secretário de Meio Ambiente do Pará, Valmir Ortega, disse ontem que a secretaria já havia identificado um aumento no desmatamento no Estado a partir de outubro de 2007. Segundo Ortega, a utilização das terras das regiões Sudeste e Centro-Oeste para o cultivo da cana e de soja empurrou a pecuária para a região Norte. “Com base nos dados do censo agropecuário do Ministério da Agricultura, percebemos que a pressão para o uso da terra nas região centro-sul do país com o cultivo da cana, que é uma commodity valorizada, empurrou a expansão da pecuária para o Norte”, disse. A governadora Ana Júlia Carepa (PT) disse por meio de sua assessoria de imprensa que o governo “está comprometido com a contenção e com a redução dos níveis de desmatamento”. Carepa anunciou que irá lançar em fevereiro um “Plano Estadual de Combate ao Desmatamento”, articulado com as políticas do governo federal.

Esta reportagem é da Folha de São Paulo (aqui), e torna-se interessante porque parte justamente de uma governadora do próprio PT (do Pará) a associação entre o plantio de álcool e o aumento da devastação da Amazônia….. Mas péraí: então o aumento do consumo de álcool contribuiu para o desmatamento da Amazônia, segundo o PT, ou o aumento do consumo do álcool é uma ação que protege o meio-ambiente, segundo o PT ?!

Nem mesmo entre eles há nenhum consenso !!!!!!!!!!

2) Um documentário do canal Bloomberg, que trata das condições de trabalho que cercam a produção do álcool brasileiro:

Os detalhes sobre este documentário estão no site da Bloomberg, aqui (em inglês), numa matéria intitulada Ethanol’s Deadly Brew

O sub-título da reportagem é contundente: Thousands of Brazilian sugar cane workers are injured and scores die each year in the rush to produce a fuel that Presidents Bush and Lula celebrate as a path to energy independence.

E assim o PT continua a distorcer a realidade apenas para fazer propaganda (enganosa) capaz de lhe manter como uma escolha razoável na mente de milhares ou milhões de pobres coitados, desinformados e incautos.

Sectarismo, proselitismo e outros ismos

Não é apenas no campo da política que vemos excesso de proselitismo, exageros, demagogia, populismo……. A despeito de a política ser, sem dúvida, área vasta a ser semeada com tudo isso.

Um dos pontos que mais tem me chamado a atenção diz respeito às questões envolvendo a “sustentabilidade” – para usar o termo do momento, da moda.

Empresas estão investindo em comunicação para vender uma imagem associada à tal “sustentabilidade”, e esta discussão acaba resvalando, impreterivelmente, em questões políticas. Empresas, governos e cidadãos (ou “sociedade civil”) têm, claro, seus respectivos papéis na questão da preservação do meio-ambiente – isso é inegável. Porém, o que eu tenho percebido é um certo exagero.

Tenho visto muito sectarismo dos debates que cercam tal assunto. Entidades que “nasceram” com a missão de defender o meio-ambiente (como o Greenpeace, por exemplo – que abandonou, há muito tempo, a parte “peace”, promovendo ações agressivas, ilegais e quase terroristas), de alguns anos para cá, vêm deixando de lado o meio-ambiente em si para fazer muito mais politicagem.

Apenas para constar, destaco um documentário produzido pelo Canal 4 britânico, que traz uma discussão decerto polêmica – mas não por isso desmerecedora de alguma atenção. Eis alguns trechos:

Pesquisando sobre o tal documentário rapidamente, vi algumas contestações, questionamentos etc.

Ao reproduzi-los aqui, não estou endossando nada. Apenas trazendo à tona. Creio que, desta forma, é possíveltratar desta questão – decerto relevante – mas sem ignorar por completo um possível “outro lado”.

Afinal, esta questão do meio-ambiente tem parecido um discurso único: TODO MUNDO tem a mesma certeza ?! Isso é, conceitualmente, estranho……

Na prática, vejo muita gente defendendo esta questão muito mais com um sectarismo perigoso do que com racionalidade……. Por exemplo, o IPCC….. As declarações vistas no documentário supracitado são, no mínimo, merecedoras de alguma reflexão.

Será que não tem gente extrapolando nesta questão ?! Creio que ela merece uma discussão mais embasada, e menos baseada em “modismos”, em proselitismo, em populismo…. Caso contrário, babacas como os do MST continuarão usando o assunto (e sua abordagem enviesada) como palco de seus desmandos, de suas invasões ilegais, de seus crimes.