APARELHAMENTO – definição

A corja PTista é realmente dissimulada até o último fio de cabelo implantado…….

Na TV fala em “democracia”, “igualdade social” e outras pérolas que enganam direitinho os ignorantes.

Na prática, só interessa instalar os sindicalistas, amigos e incomPTentes em geral nas tetas do governo:

Responsável por evitar o desmatamento ilegal no país, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis) é um dos órgãos federais com presença mais forte de indicados do PT. Além do presidente do órgão, Bazileu Margarido, o partido indicou 22 dos 28 chefes estaduais do instituto (o Amazonas tem duas superintendências).
A maioria paga “dízimo” -doa uma parcela do salário para o caixa petista. Apenas cinco superintendentes podem ser considerados independentes, enquanto um deles, o chefe em Teresina (PI), Romildo Mafra, é da cota do PMDB.
Um dos membros do comitê, o climatologista Carlos Nobre, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), afirma que os superintendentes estaduais do Ibama deveriam ser escolhidos por um comitê de buscas, como acontece há quase uma década nos institutos ligados ao MCT (Ministério da Ciência e Tecnologia). Para Nobre, esse processo no MCT tem evitado “pára-quedistas” -ou seja, indicados políticos sem conhecimento da área. “O funcionamento dos órgãos ambientais seria melhor e mais efetivo se trouxesse pessoas de melhor preparo.”

Insatisfeitos com a quantidade de indicados do PT no Ibama, os peemedebistas constantemente bombardeiam petistas nos Estados. Em Santa Catarina, o governador Luiz Henrique tenta tirar do posto o petista Luiz Ernesto Trein, que se segura por ter uma madrinha forte, a senadora Ideli Salvatti. Em Mato Grosso do Sul, o PMDB quer tomar o cargo de Nereu Fontes (PT). O indicado seria Waldir Miranda, irmão do deputado federal Waldemir Moka, da cúpula ruralista.
Para arrebatar o Ibama, o PT se aproveita da reserva de ambientalistas em seus quadros. Assim, muitas das indicações políticas têm algum conhecimento na área. A superintendente em São Paulo, Analice Pereira, é um exemplo. Bióloga, chegou ao cargo em 2003 por influência de seu irmão, o ex-secretário-geral do PT Silvio Pereira. O irmão caiu no “mensalão”, mas ela segue no cargo.
Em 2005, o petista Hugo Werle, então chefe do Ibama em Cuiabá (MT), foi preso pela Polícia Federal na Operação Curupira, sob a suspeita de integrar um esquema com madeireiros para falsificar autorizações de transporte de madeira, facilitando extração ilegal. A suspeita era de que dinheiro de propinas financiasse o partido.
Para o petista Gilney Viana, ex-secretário de Desenvolvimento Sustentável do MMA, indicações políticas podem ocorrer, mas devem ser exceção. “Parte da burocracia do Ibama tem uma inclinação liberal, e é preciso uma orientação política em alguns casos. Mas a regra deveria ser valorizar a prata da casa”. Procurado, o Ibama não se manifestou.

A matéria é da Folha de São Paulo (aqui, na íntegra para assinantes).

Depois, quando faz-se um escândalo por conta do desmatamento da Amazônia e de outras regiões do Brasil, tem gente que, inocentemente, fica se perguntando “por que será que isso acontece?”.

Ué, se ao invés de colocar pessoas que entendam do assunto nos cargos principais a PTralhada só aloca amiguinhos (sindicalistas, pelegos, sindicalistas pelegos e pelegos não necessariamente sindicalistas, mas ainda assim incomPTentes), era de se esperar o quê ??????

Desmatando mentiras

Desde a divulgação dos dados sobre desmatamento na Amazônia (maiores detalhes aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), o que se tem visto é um rasteiro e vagabundo joguinho de empurra-empurra entre membros do (des)governo PTralha. Basta uma rápida consulta no Google Notícias, e serão listadas centenas de matérias publicadas recentemente, tratando deste tema – sem falar da repercussão internacional.

Divertido, quando se relembra que o PT, enquanto aproveitava as vicissitudes oposicionistas, sempre criticou duramente a suposta “entrega” da Amazônia para estrangeiros, a falta de controle do governo brasileiro sobre o desmatamento e afins.

Mas um dos melhores textos que li sobre o assunto é do colunista da Veja, André Petry (na íntegra, aqui). O texto pode ser resumido, mais ou menos, assim:

Quando cai a taxa de desmatamento da Amazônia, a ministra Marina diz que é obra do governo eficiente.
Quando aumenta o desmatamento, aí é culpa do preço do boi e da soja.
Não é uma delícia?

O texto vai além, e acerta em cheio: como a distorção da verdade, por parte do (des)governo PTista, em geral, acarreta problemas:

O brutal aumento do desmatamento da Amazônia ceifou 7 000 quilômetros quadrados de floresta no segundo semestre do ano passado e arrancou a raiz das bravatas da ministra Marina Silva. Em 2004-2005, quando o desmatamento caiu 31%, a ministra garantiu que o saldo era resultado do trabalho do governo, e não uma decorrência dos preços baixos do boi e da soja – atividades que costumam avançar sobre a floresta. Em 2005-2006, com nova queda, desta vez de 25%, a ministra comemorou o sucesso e voltou à carga. “Seria simplismo e reducionismo achar que o que aconteceu foi por causa do preço das commodities.”

A platéia sempre foi informada pela ministra de que a floresta estava ficando de pé porque o Ministério do Meio Ambiente era eficiente e implementava políticas públicas na direção certa, e não porque o boi e a soja estavam baratos, o que certamente desestimulava sojicultores e pecuaristas de comer um pedaço da floresta. Agora, com o anúncio do recorde no desmatamento, adivinha de quem é a culpa? Do boi e da soja. Eis o que disse a ministra na semana passada diante do desastre: “Esperamos conseguir conter o desmatamento mesmo com o aumento do preço das commodities”. Não é uma delícia? Quando o desmatamento cai, é obra do governo eficiente. Quando aumenta, é culpa do preço do boi e da soja.

Marina já fez pior. Em entrevista em setembro de 2005, a ministra deu pormenores do sucesso do seu trabalho. Disse que havia uma previsão naquele ano de que o desmatamento cairia entre 50% e 60% no Pará. E para ressaltar a importância do trabalho ministerial explicou que, no Pará, boi e soja eram desimportantes. “Lá a influência das commodities não é tão relevante como é em Mato Grosso.” Agora, o Imazon, respeitada ONG que trabalha na Amazônia, informa que o desmatamento disparou justamente no Pará. Só de outubro para novembro, a ação da motosserra aumentou 300% no Pará. Quer dizer: no peculiar raciocínio da ministra, o desmatamento aumentou onde o preço das commodities não é tão relevante e, no entanto, esse aumento se explica justamente pelo preço das commodities.

É óbvio que boi e soja não esclarecem tudo. Não são os únicos responsáveis por derrubar árvores ou mantê-las em pé. Há outras causas que confluem para um resultado positivo ou negativo. O discurso da ministra esconde isso e distorce a realidade, desviando-a para o que lhe convém.

Isto é uma tradição do (des)governo PTista: se há algum problema, qualquer coisa ruim, a culpa é da mídia golpista, da “herança maldita” deixada pelos governos anteriores, dos especuladores, dos imperialistas norte-americanos etc…… Nesta hora, não faltam culpados. Porém, quando há uma boa notícia, ainda que minúscula, repentinamente ela representa nada além da indubitável e inexorável competência das ações, medidas e planejamento do PT……. Tem que ser muito burro – ou muito desinformado – para cair nesse conto do vigário……!

Necessário registrar uma obviedade: TODOS os partidos políticos brasileiros adotam este “princípio”. Uns, entretanto, de forma menos enfática do que o PT – que, de resto, sempre se colocou no lugar de paladino da verdade, da ética etc.

Neste caso específico da Amazônia, todavia, alguns aspectos particulares me chamam a atenção.

A mídia, em geral, tem ajudado e muito na divulgação da idéia de que o etanol brasileiro é o futuro – não apenas devido à crise (permanente) do petróleo, mas também pela ótica da proteção ao meio ambiente: afinal, o etanol é anunciado pelo próprio Rei Mulla como “energia renovável” e todo aquele blábláblá. As campanhas publicitárias bancadas pelo governo federal, aliás, destacam esta “virtude” do etanol brasileiro: a campanha transmite explicitamente a idéia de que o etanol brasileiro é muito melhor para o meio ambiente não apenas pela menor poluição (em comparação aos derivados do petróleo, especialmente a gasolina), mas pelo fato de ser “sustentável” em longo prazo.

Sobre este aspecto, em particular, duas observações:

1) O secretário de Meio Ambiente do Pará, Valmir Ortega, disse ontem que a secretaria já havia identificado um aumento no desmatamento no Estado a partir de outubro de 2007. Segundo Ortega, a utilização das terras das regiões Sudeste e Centro-Oeste para o cultivo da cana e de soja empurrou a pecuária para a região Norte. “Com base nos dados do censo agropecuário do Ministério da Agricultura, percebemos que a pressão para o uso da terra nas região centro-sul do país com o cultivo da cana, que é uma commodity valorizada, empurrou a expansão da pecuária para o Norte”, disse. A governadora Ana Júlia Carepa (PT) disse por meio de sua assessoria de imprensa que o governo “está comprometido com a contenção e com a redução dos níveis de desmatamento”. Carepa anunciou que irá lançar em fevereiro um “Plano Estadual de Combate ao Desmatamento”, articulado com as políticas do governo federal.

Esta reportagem é da Folha de São Paulo (aqui), e torna-se interessante porque parte justamente de uma governadora do próprio PT (do Pará) a associação entre o plantio de álcool e o aumento da devastação da Amazônia….. Mas péraí: então o aumento do consumo de álcool contribuiu para o desmatamento da Amazônia, segundo o PT, ou o aumento do consumo do álcool é uma ação que protege o meio-ambiente, segundo o PT ?!

Nem mesmo entre eles há nenhum consenso !!!!!!!!!!

2) Um documentário do canal Bloomberg, que trata das condições de trabalho que cercam a produção do álcool brasileiro:

Os detalhes sobre este documentário estão no site da Bloomberg, aqui (em inglês), numa matéria intitulada Ethanol’s Deadly Brew

O sub-título da reportagem é contundente: Thousands of Brazilian sugar cane workers are injured and scores die each year in the rush to produce a fuel that Presidents Bush and Lula celebrate as a path to energy independence.

E assim o PT continua a distorcer a realidade apenas para fazer propaganda (enganosa) capaz de lhe manter como uma escolha razoável na mente de milhares ou milhões de pobres coitados, desinformados e incautos.