20 anos e muitas bravatas depois

O texto não é meu. Recebi por e-mail, encaminhei à minha tradicional “listinha”, e aproveito para reproduzir aqui também.

Deve ser lido, analisado e lembrado.

Sempre.

Constituição: liderados por Lula, petistas votaram contra


Partido foi único a se recusar a apoiar Carta Magna em 1988

Neste domingo, 5 de outubro, a Constituição Federal completa 20 anos de existência. O documento que simbolizou o início de uma era democrática no Brasil – após quase duas décadas de regime ditatorial – foi elaborado por diversos personagens que ainda hoje integram o cenário político do país. Na Assembléia Nacional Constituinte (ANC), além do então presidente Ulysses Guimarães, estava presente o presidente da República, o então deputado constituinte Luiz Inácio Lula da Silva.

Em 1988, Lula, foi escolhido para fazer o discurso no qual o PT anunciava que votaria contra o texto final da nova Constituição. Em um pronunciamento firme, acusou as elites brasileiras de mentirem e manobrarem para impor uma carta conservadora que não atendia os direitos dos trabalhadores. A legenda foi a única a votar contra a nova Carta.

Em seus 52 discursos ao longo da Assembléia Constituinte, o atual presidente do Brasil defendeu o direito dos trabalhadores à greve, uma reforma agrária radical e o respeito ao meio ambiente, além de criticar o governo do então presidente da República, José Sarney (PMDB), hoje um de seus principais aliados no Senado. O PT não apenas votou contra como sua bancada chegou a pensar em não assinar o documento. A principal alegação de Lula era que se tratava de uma Carta muito “conservadora”.

Entre os integrantes da bancada petista, estavam, além do próprio Lula, os deputados José Genoíno (SP), Virgílio Guimarães (MG), o hoje senador Paulo Paim (RS), o ex-governador do Rio Grande do Sul Olívio Dutra, além dos ex-ministros Luiz Gushiken e Benedita da Silva. Apesar da nova Constituição ter sido considerada um marco em termos de direitos individuais e trabalhistas, o líder do PT deu diversas entrevistas à época dizendo que ela ficou “aquém das reivindicações dos trabalhadores”.

Duas décadas depois, o discurso mudou e abrandou bastante. Questionado pela mídia sobre a importância da Carta nos dias de hoje, o presidente tem se desmanchado em elogios ao texto. E reconheceu a alguns jornais, na semana passada, que teria sido muito pior se o partido dele tivesse vencido durante a votação na Assembléia.

Em entrevista ao “Correio Braziliense”, o Lula de 2008 não hesitou em afirmar que “tudo que nós alcançamos até agora foi fruto da Constituição de 1988”. Entre os pontos destacados pelo presidente estão a universalização dos direitos sociais, medidas tomadas contra a pobreza e a desigualdade, além da Carta ter proporcionado as condições para que possamos viver hoje um bom momento econômico.

A Assembléia Constituinte também foi alvo da ira de Lula, quando acusou os parlamentares de incapacidade política, de falta de diálogo e também de articulação, segundo “O Globo” relatou na ocasião. Agora, o presidente preferiu mudar o tom e enalteceu ao jornal candango os trabalhos da ANC e a participação popular quando da elaboração da Constituição. “A Assembléia Constituinte foi o momento mais rico da vida parlamentar brasileira. Houve uma participação popular como nunca se viu no país, com milhares de pessoas indo ao Congresso fazer pressão, reivindicar. Foi graças a esse estímulo que fizemos uma Constituição avançada”, disse ao “Correio” de 28 de setembro último.

Como a PTralhada tem memória seletiva bem ruinzinha, é bom que na próxima vez que você, leitor bem informado, ouvir algum PTralha elogiando a Consituição e exigindo seu cumprimento, lembre-se de que se dependesse deles, PTralhas, a Constituição não existiria.

O único jeito de eliminarmos essa raça asquerosa, os PTralhas, é mostrar quão mentirosos eles são.

Sempre.

Superávit Petista

Uma intrigante matéria da Folha de São Paulo desta semana (aqui, na íntegra) me fez lembrar dos inúmeros discursos do Lulla e do PT sobre o superávit do setor público no Brasil – especialmente na época em que o Lulla disputava a Presidência.

O PT sempre criticou o superávit, afirmando que a preocupação excessiva com esta questão acabava retirando um montante de recursos financeiros que poderiam ser investidos em outras áreas – especialmente a “área social”. Era aquela época em que o PT queimava bandeira dos EUA defronte ao Consulado, criticava o “imperialismo”, defendia o MST e as invasões de terra etc.

Fico imaginando qual a sensação de um PTista que filiou-se ao partido há uns 20 anos quando vê o gráfico abaixo:

Evolução do superávit primário brasileiro

O gráfico mostra, de maneira clara, que o PT realmente jogou fora suas “bandeiras históricas”: basta ver o crescimento acelerado do superávit primário do setor público desde 2003, quando Lulla assumiu seu reinadinho. Os dados são do Banco Central – aquele órgão, cabe relembrar, presidido por um tucano que foi diretor de um banco que o PT costumava criticar duramente, em especial o aloprado Aloízio Mercadante. O valor referente a 2008 indica o montante contabilizado até o mês de fevereiro/2008.

O que não deixa margem de dúvidas: os “quadros históricos do PT” fugiram ou converteram-se ao neoliberalismo que o PT imputava ao PSDB e ao FHC em particular.

E depois tem gente inescrupulosa (ou ignorante) que afirma haver uma “enorme” diferença entre as práticas do PT e do PSDB……… Uma matilha de boçais mal-intencionados….

Gente como Paulo Henrique Amorim, com toda aquela credibilidade que lhe é peculiar……. Aliás, em complemento ao post anterior, que tratava justamente dessa criatura repulsiva, eis algumas leituras que são diversão pura: aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Mas isso não é tudo:

A perspectiva de alta na taxa básica dos juros já afeta as projeções fiscais do Banco Central para este ano. Agora, a expectativa oficial é de um déficit nominal do setor público de 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB), acima do 1,2% do PIB previsto pelo BC em fevereiro. Os gastos com juros da dívida foram reestimados de um percentual de 5% do PIB para 5,4% do PIB.
Estatísticas fiscais divulgadas ontem pelo BC mostram que o superávit primário do setor público acumulado em 12 meses subiu de 4,14% do PIB para 4,18% do PIB entre janeiro e fevereiro. O bom resultado primário, contudo, não impediu que a dívida líquida do setor público aumentasse, passando de 41,9% do PIB para 42,2% do PIB entre um mês e outro.
O governo federal encerrou o período de 12 meses até fevereiro com um superávit de R$ 2,52% do PIB, resultado superior aos 2,49% acumulados até janeiro. O desempenho fiscal também melhorou nos Estados, com o superávit consolidado dos governos estaduais subindo de 1,0% do PIB até janeiro para 1,03% do PIB na comparação até fevereiro.
Todas as projeções do BC tomam como pressuposto o cumprimento da meta de superávit primário do setor público de 3,8% do PIB. Ou seja, que o superávit primário nos 12 meses encerrados em fevereiro, de 4,18%, seja reduzido ao longo do ano.
Em fevereiro, o superávit primário do setor público foi de R$ 8,966 bilhões, 34% maior do que o observado no mesmo mês de 2007. O governo federal, o BC e o INSS registraram um resultado positivo de R$ 4,088 bilhões (alta de 54% em relação a fevereiro de 2007). “O resultado é puxado sobretudo pelo aumento da arrecadação e, em menor escala, pela demora em aprovar o orçamento deste ano”, afirma Lopes.
Os governos estaduais apresentaram um resultado positivo de R$ 3,246 bilhões em fevereiro, alta de alta de 44% em relação ao mesmo mês de 2007. “Os dados sobre a arrecadação do ICMS mostram um forte crescimento no início deste ano”, afirma Lopes. Caiu o superávit das estatais federais, de R$ 888 milhões para R$ 542 milhões, entre fevereiro de 2007 e de 2008. O resultado das estatais, explica Lopes, não apresentam um padrão sazonal, oscilando bastante entre um mês e outro.
O aumento do superávit primário de fevereiro não se traduziu, porém, na redução do resultado nominal – ele passou de 2,01% do PIB para 2,07% do PIB, na comparação entre os 12 meses encerrados em janeiro e em fevereiro. O déficit nominal subiu em virtude da expansão do gastos com juros da dívida, que passou de 6,15% para 6,25%, na mesma base de comparação.
Em fevereiro, a despesa com juros foi de R$ 15,444 bilhões, alta de 40% em relação ao mesmo mês de 2007. O incremento da despesa com juros se deve, em parte, a uma perda de R$ 2,9 bilhões que o BC sofreu no mês em operações de “swap”.
A dívida líquida subiu de 41,9% do PIB para 42,2% do PIB entre janeiro e fevereiro em virtude da apreciação cambial de 4,38% em fevereiro, que reduziu o valor em reais dos créditos do governo em dólar. A expectativa do BC é que, em março, a dívida líquida recue para 41,7% do PIB, em virtude da depreciação de 2,9% no câmbio observada até a manhã de ontem, quando o dólar estava cotado em R$ 1,74.

A matéria é longa, por isso editei. A íntegra está no ValorEconômico, aqui.

Peggy Sue: o passado assombra novamente

Acho que identifiquei o problema do PT (bom, na verdade um deles, entre tantos): Sindrome de Peggy Sue.

Inspirado no filme do Francis Ford Coppola, o PT piorou o roteiro (claro!), mas reeditou a “sina”. Primeiro, desistiu daquilo que defendeu durante 20 anos e simplesmente adotou a MESMA política econômica do FHC. Aliás, não só a econômica: na verdade simplesmente manteve o terceiro mandato do PSDB. Isso não é, no geral, tão ruim. Afinal, dada a incomPTência da turma, melhor copiar (mal) do que tentar inovar (pior ainda).

Mas em certos aspectos, beira o ridículo. Bom, na verdade não “beira”. EXTRAPOLA. O mesmo ocorreu com a CPMF, Lei de Responsabilidade fiscal e outras coisas mais…… Por falar em CPMF, o colunista de VEJA, André Petry, faz a sessão reminiscências: Na democracia brasileira, Lula foi o mais insistente oposicionista. Foi oposição a tudo e a todos, recusou-se a se aliar a qualquer governo de 1985 em diante, até que chegou a sua hora de morar no Palácio da Alvorada. E, no entanto, apesar de sua longa experiência na planície, Lula é seguramente o político que mais ajudou a desmoralizar o papel de oposicionista na democracia brasileira. Lula já disse que na oposição só fazia “bravatas” e, mais recentemente, informou que, entre as bravatas, se incluíam os princípios. A frase devia ser gravada em mármore: “Principismo você faz no partido quando pensa que não vai ganhar as eleições nunca”. Um show de desmoralização. Agora, durante a viagem à África, Lula manteve a campanha para aprovar a CPMF e saiu-se com a seguinte declaração à oposição demo-tucana: “Acho importante que todo mundo releia discursos de quatro ou oito anos atrás e mantenha a posição”. Lula, claro, queria lembrar o que diziam ex-pefelistas e tucanos nas votações da CPMF durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

Mas Lula, querendo denunciar uma contradição dos adversários, não devia dizer que acha importante “todo mundo” reler discursos antigos sobre a CPMF. Eis por quê:

• Em julho de 1996, Paulo Paim, do PT gaúcho, subiu à tribuna da Câmara dos Deputados quando se discutia a criação da CPMF e disse: – Que imposto daninho esse! Uma semana depois, com a CPMF já aprovada, Paim voltou ao assunto: – Listei 22 motivos pelos quais o Partido dos Trabalhadores votou contra. (Já se sabe para que servem as listas dos petistas….)

• Em maio de 1998, quando se debatia a prorrogação da CPMF, o deputado Arlindo Chinaglia, do PT paulista, fez um discurso em que disse o seguinte: – Queremos alertar para o fato de que o Partido dos Trabalhadores votou contra a CPMF e não temos nenhum motivo para alterar sua opinião. (Petista não muda de opinião. Muda de conveniência.)

• Em março de 1999, debatia-se o aumento da alíquota da CPMF de 0,20% para 0,38%. O deputado e hoje senador Aloizio Mercadante, do PT paulista, fez um desabafo na tribuna: – Chega de mais impostos, chega dessa estrutura tributária deformada e burocrática!

Dias depois, José Genoíno anunciou o voto do PT na discussão com um discurso aplaudido ao final. Disse: – A oposição coloca-se contrária à CPMF por razões globais, pela visão de um outro modelo econômico, diverso desse que o presidente Fernando Henrique Cardoso adota.

Eu me atrevo a complementar a listinha do colunista de VEJA (cujo texto, na íntegra, está aqui), ressaltando algumas declarações do passado:

Em 09/03/1999, o (atual) Senador Aloizio Mercadante, fazendo oposição do governo FHC, declarou: “Esse imposto não contribui para as exportações, que é o desafio maior da economia brasileira. Aumentar a carga tributária e o imposto cumulativo significa aprofundar a recessão do país“. Atualmente, o ilustre Senador defende a CPMF. Ele mudou de opinião porque reviu seus conceitos, ou porque é um cínico e hipócrita que fala aquilo que o PT manda ?

Em 18/03/1999, José Genoíno (aquele deputado que presidia o PT e assinou documentos em branco, situação desmascarada quando da CPI do Mensalão) declarava: “Nos posicionamos contra a prorrogação da CPMF. Quem mais se beneficia da CPMF é o governo. Achamos que a CPMF é a anti-reforma fiscal e tributária“. Será que atualmente, o deputado José Genoíno mantém sua posição ?! Ao verificar a lista dos deputados que já votaram a prorrogação da CPMF (em dois turnos), é possível verificarmos que o Deputado José Genoíno votou, nos 2 turnos, FAVORAVELMENTE á prorrogação da CPMF. Ele mudou de opinião porque recebeu bons argumentos ou simplesmente porque é outro cínico e hipócrita que fazia bravatas no passado mas tenta angariar fundos para o PT atualmente ?

 

Agora é a DENGUE: O Ministro da Saúde de Lulla reconheceu uma epidemia. Ao ler as declarações do ilustre ministro, lembrei imediatamente da campanha presidencial de 2002…… o PT ironizou a epidemia da dengue – mais especificamente, ironizou o então candidato José Serra, que fora Ministro da Saúde de FHC. Segundo a propaganda política do PT (que contava, inclusive, com atores fantasiados, caricaturalmente, como mosquitos da dengue gigantes – e que tinham traços que remetiam à expressão facial nada simpática do José Serra), o Ministro da Saúde e o Presidente da República (respectivamente Serra e FHC) eram responsáveis diretos pela epidemia de dengue no país.

Se fôssemos seguir a mesma linha de raciocínio (?), atualmente, os responsáveis pela nova epidemia de dengue, então, seriam……..quem ?!

Engraçado ver um texto postado no site do Ministério da Saúde (íntegra aqui) que traz a seguinte redação: Em 2002, os casos de dengue atingiram a soma de 794 mil pessoas contaminadas. O número caiu para 345 mil no ano passado. Mas, nos nove primeiros meses deste ano, o Brasil registrou mais de 480 mil casos de dengue, o que representa aumento de mais de 50% em relação ao mesmo período de 2006.

A primeira coisa que me chama a atenção, por se tratar de uma suposta NOTÍCIA publicada no site do Ministério da Saúde, é o seguinte: por que a notícia remete a 2002, depois “pula” para 2006 e depois vai para 2007 ? O que houve com 2003, 2004, 2005 ?! Nas entrelinhas, fica mais do que clara a tentativa de retomar aquele discurso batido (e vazio) da “herança maldita”……. Mas de qualquer forma, em 2002 foram 794 mil casos; em 2007 já são mais de 480 mil casos (e o ano não acabou ainda!).

Resta saber, agora, quem manterá o “recorde”…… Neste sentido, vale esta leitura aqui. Um pequeno trecho, delicioso: O governo vai arranjar um jeito de jogar toda a culpa na herança maldita, já que José Serra era ministro da Saúde e mandou demitir sei lá quantos matadores do mosquito Aedes aegypt no Rio. Era isso que nós e o PT dizíamos, não era? Bem, mas a dengue virou uma epidemia, e isso é “absolutamente injustificável”, como disse o atual ministro da Saúde, José Gomes Temporão. O PT e Lula não estão no poder há cinco anos? Então, a herança maldita é do primeiro mandato. Pelos dados de Temporão, já são 481.316 casos de dengue notificados de janeiro a setembro, 50% a mais do que no mesmo período do ano passado. Foram 121 mortes, contra 77 em todo o ano de 2006.

Antes que algum PTista de plantão tente, como de costume, mentir e tergiversar, o aumento da dengue não afeta “apenas” Estados de seus opositores, como São Paulo (governado pelo ex-Ministro que foi alvo da propaganda do PT, em 2002). O Maranhão viu aumento de 225% nos casos de dengue, como informado aqui e aqui.