Mosquitos e parasitas

A coluna do Clóvis Rossi (de 23/03/2008) é impecável:

Na campanha eleitoral de 2002, o lulopetismo colou no adversário José Serra o rótulo de “ministro da dengue”.
Cinco anos e três meses de lulopetismo depois, mudou o foco: o culpado pelo novo surto já não é o ministro, mas o prefeito, no caso o prefeito do Rio de Janeiro, principal foco da doença.
O que não mudou foi o mosquito, firme e forte. Também não mudou a mania lulopetista (e, mais amplamente, brasileira) de fugir para a frente, culpando sempre os outros por todos os problemas, erros, ineficiências e corrupções. É bem capaz de aparecer algum debilóide com a teoria de que foi a “mídia golpista” que soltou os mosquitos.
Outra coisa que não mudou: o profundo subdesenvolvimento do país, apesar de uma certa confusão interessada em tentar fazer crer que 5,4% de crescimento, que o aumento do crédito, que a expectativa de “investment grade” -que tudo isso são sinais de desenvolvimento.
São, sim, bons sinais, mas desenvolvimento é muito mais: é evolução na saúde (que o novo surto da dengue desmente), na educação (que todos os testes, nacionais e internacionais, desmentem), na segurança pública (que o noticiário cotidiano desmente), e o vasto etc. que todo mundo conhece.
Por falar em segurança pública, esta Folha mostrou ontem que os policiais militares de São Paulo morrem mais em “bicos” do que no serviço policial propriamente dito.
Traduzindo: o Estado é incapaz de oferecer segurança, o que leva à contratação de seus agentes para tentarem dar a segurança que, como policiais, não conseguem. E eles são mortos na tentativa.
Resumo da ópera: o Brasil é governado há 13 anos e três meses por tucanos e petistas. Treze anos perdidos em copiar um ao outro, sem dizer, claro, que há cópias, e em culpar um ao outro quando as cópias não dão certo. O mosquito e o crime agradecem.

É isso aí…..

Com o discurso populista, demagógico e mentiroso, Lulla e sua quadrilha (aquela do mensalão) repetem os mesmos erros de FHC – a despeito de tentar vender uma imagem diferente. Infelizmente, alguns menos desavisados (ou menos incapazes de sinapses), acreditam…..

Pior do que os mosquitos da dengue são os parasitas do PT.

Criminalidade em São Paulo

Num tom (demasiadamente) elogioso, a Revista Veja desta semana traz uma matéria sobre a queda da criminalidade no Estado de São Paulo.  Diz a matéria (na íntegra aqui):

A cidade de São Paulo viveu um dia histórico na sexta-feira 7 de dezembro: foram 24 horas sem um único assassinato. Fazia muito tempo que isso não ocorria. O último registro de um dia de paz como esse data da década de 50. A melhor notícia, no entanto, é que não se trata de um episódio fortuito: a cidade e também o estado de São Paulo vêm registrando índices declinantes de criminalidade. De 1999 para cá, a taxa de homicídios caiu 79% na capital e 69% no estado. Atualmente, contabilizam-se onze assassinatos por ano para cada 100.000 habitantes no estado, taxa bem inferior à do Rio de Janeiro e à do Brasil, de 39 e 22 mortos para cada 100.000 habitantes, respectivamente. Se o governo estadual conseguir reduzir esse número para dez homicídios – o que espera fazer já no ano que vem –, São Paulo passará a ter índices aceitáveis desse tipo de crime, segundo os padrões da Organização Mundial de Saúde.

A melhor marca da década era a de 2004, ano em que 253 municípios ficaram sem assassinatos. O crime de homicídio foi um dos que mais caíram, mas não foi o único. Também sofreu forte redução a quantidade de latrocínios, roubos e roubos de veículos. Essa melhora nos indicadores da criminalidade se deve a um conjunto de medidas que o governo paulista começou a colocar em prática em 2000 e foi aprimorado na gestão do tucano José Serra. O marco inicial desse projeto é o Infocrim – sistema eletrônico que, inspirado no modelo nova-iorquino, interligou os distritos policiais da capital (e que, atualmente, inclui outros oito municípios do interior e litoral). Por meio da análise dos boletins de ocorrência lançados na rede pelas delegacias, policiais traçam um mapa detalhado de cada tipo de crime, incluindo informações como local e horário em que ele ocorre com mais freqüência, situações que costumam propiciá-lo e vítimas preferenciais. De posse desses dados, a polícia pode agir de modo mais cirúrgico. Os carros de patrulha, por exemplo, que antes rodavam a esmo, começaram a seguir uma rota determinada, e os cruzamentos de trânsito com maior número de assaltos receberam reforço na vigilância.

Eis a ilustração que acompanha a matéria:

Taxa de assassinatos em São Paulo

Novamente: o tom da matéria me parece demasiadamente elogioso. Conquanto traga uma boa notícia – especialmente para nós, paulistas – , não era preciso elogiar tanto…..

Mas estes resultados ajudam a explicar a boa avaliação do governador José Serra, como demonstrou pesquisa do DataFolha (aqui). Afirma o DataFolha:

Onze meses após a posse, 49% dos eleitores avaliam o governo de São Paulo como ótimo ou bom. Em março, passados três meses de governo, esse índice era de 39%.Ainda segundo a pesquisa, a avaliação negativa do governo de São Paulo sofreu uma queda de quatro pontos em sete meses. Em março, 16% dos entrevistados apontavam o governo como ruim/péssimo. Atualmente, essa taxa é de 12%.De março para cá, a nota média conferida ao governo também aumentou: de 6 para 6,5.
Segundo a pesquisa Datafolha, realizada de 26 a 29 de novembro, 35% dos entrevistados classificam a administração Serra como regular. Em março, eram 37%. Quatro por cento não souberam opinar.
Apesar da tradicional associação do PSDB à classe média/alta, Serra hoje conta com maior aprovação precisamente entre os entrevistados da mais baixa faixa de consumo.Segundo o Datafolha, 53% dos entrevistados da classe D/E apontam o governo Serra como ótimo/bom. Esse índice é de 50% entre os da classe C e chega a 47% entre os da classe A/B.

Como eu já disse antes, nutro grande admiração pelo José Serra: é um dos poucos políticos, hoje, que conseguem combinar um perfil de bom gestor com as atividades políticas. Mas a Veja não precisava circular um texto tão “chapa branca”……

Peggy Sue: o passado assombra novamente

Acho que identifiquei o problema do PT (bom, na verdade um deles, entre tantos): Sindrome de Peggy Sue.

Inspirado no filme do Francis Ford Coppola, o PT piorou o roteiro (claro!), mas reeditou a “sina”. Primeiro, desistiu daquilo que defendeu durante 20 anos e simplesmente adotou a MESMA política econômica do FHC. Aliás, não só a econômica: na verdade simplesmente manteve o terceiro mandato do PSDB. Isso não é, no geral, tão ruim. Afinal, dada a incomPTência da turma, melhor copiar (mal) do que tentar inovar (pior ainda).

Mas em certos aspectos, beira o ridículo. Bom, na verdade não “beira”. EXTRAPOLA. O mesmo ocorreu com a CPMF, Lei de Responsabilidade fiscal e outras coisas mais…… Por falar em CPMF, o colunista de VEJA, André Petry, faz a sessão reminiscências: Na democracia brasileira, Lula foi o mais insistente oposicionista. Foi oposição a tudo e a todos, recusou-se a se aliar a qualquer governo de 1985 em diante, até que chegou a sua hora de morar no Palácio da Alvorada. E, no entanto, apesar de sua longa experiência na planície, Lula é seguramente o político que mais ajudou a desmoralizar o papel de oposicionista na democracia brasileira. Lula já disse que na oposição só fazia “bravatas” e, mais recentemente, informou que, entre as bravatas, se incluíam os princípios. A frase devia ser gravada em mármore: “Principismo você faz no partido quando pensa que não vai ganhar as eleições nunca”. Um show de desmoralização. Agora, durante a viagem à África, Lula manteve a campanha para aprovar a CPMF e saiu-se com a seguinte declaração à oposição demo-tucana: “Acho importante que todo mundo releia discursos de quatro ou oito anos atrás e mantenha a posição”. Lula, claro, queria lembrar o que diziam ex-pefelistas e tucanos nas votações da CPMF durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

Mas Lula, querendo denunciar uma contradição dos adversários, não devia dizer que acha importante “todo mundo” reler discursos antigos sobre a CPMF. Eis por quê:

• Em julho de 1996, Paulo Paim, do PT gaúcho, subiu à tribuna da Câmara dos Deputados quando se discutia a criação da CPMF e disse: – Que imposto daninho esse! Uma semana depois, com a CPMF já aprovada, Paim voltou ao assunto: – Listei 22 motivos pelos quais o Partido dos Trabalhadores votou contra. (Já se sabe para que servem as listas dos petistas….)

• Em maio de 1998, quando se debatia a prorrogação da CPMF, o deputado Arlindo Chinaglia, do PT paulista, fez um discurso em que disse o seguinte: – Queremos alertar para o fato de que o Partido dos Trabalhadores votou contra a CPMF e não temos nenhum motivo para alterar sua opinião. (Petista não muda de opinião. Muda de conveniência.)

• Em março de 1999, debatia-se o aumento da alíquota da CPMF de 0,20% para 0,38%. O deputado e hoje senador Aloizio Mercadante, do PT paulista, fez um desabafo na tribuna: – Chega de mais impostos, chega dessa estrutura tributária deformada e burocrática!

Dias depois, José Genoíno anunciou o voto do PT na discussão com um discurso aplaudido ao final. Disse: – A oposição coloca-se contrária à CPMF por razões globais, pela visão de um outro modelo econômico, diverso desse que o presidente Fernando Henrique Cardoso adota.

Eu me atrevo a complementar a listinha do colunista de VEJA (cujo texto, na íntegra, está aqui), ressaltando algumas declarações do passado:

Em 09/03/1999, o (atual) Senador Aloizio Mercadante, fazendo oposição do governo FHC, declarou: “Esse imposto não contribui para as exportações, que é o desafio maior da economia brasileira. Aumentar a carga tributária e o imposto cumulativo significa aprofundar a recessão do país“. Atualmente, o ilustre Senador defende a CPMF. Ele mudou de opinião porque reviu seus conceitos, ou porque é um cínico e hipócrita que fala aquilo que o PT manda ?

Em 18/03/1999, José Genoíno (aquele deputado que presidia o PT e assinou documentos em branco, situação desmascarada quando da CPI do Mensalão) declarava: “Nos posicionamos contra a prorrogação da CPMF. Quem mais se beneficia da CPMF é o governo. Achamos que a CPMF é a anti-reforma fiscal e tributária“. Será que atualmente, o deputado José Genoíno mantém sua posição ?! Ao verificar a lista dos deputados que já votaram a prorrogação da CPMF (em dois turnos), é possível verificarmos que o Deputado José Genoíno votou, nos 2 turnos, FAVORAVELMENTE á prorrogação da CPMF. Ele mudou de opinião porque recebeu bons argumentos ou simplesmente porque é outro cínico e hipócrita que fazia bravatas no passado mas tenta angariar fundos para o PT atualmente ?

 

Agora é a DENGUE: O Ministro da Saúde de Lulla reconheceu uma epidemia. Ao ler as declarações do ilustre ministro, lembrei imediatamente da campanha presidencial de 2002…… o PT ironizou a epidemia da dengue – mais especificamente, ironizou o então candidato José Serra, que fora Ministro da Saúde de FHC. Segundo a propaganda política do PT (que contava, inclusive, com atores fantasiados, caricaturalmente, como mosquitos da dengue gigantes – e que tinham traços que remetiam à expressão facial nada simpática do José Serra), o Ministro da Saúde e o Presidente da República (respectivamente Serra e FHC) eram responsáveis diretos pela epidemia de dengue no país.

Se fôssemos seguir a mesma linha de raciocínio (?), atualmente, os responsáveis pela nova epidemia de dengue, então, seriam……..quem ?!

Engraçado ver um texto postado no site do Ministério da Saúde (íntegra aqui) que traz a seguinte redação: Em 2002, os casos de dengue atingiram a soma de 794 mil pessoas contaminadas. O número caiu para 345 mil no ano passado. Mas, nos nove primeiros meses deste ano, o Brasil registrou mais de 480 mil casos de dengue, o que representa aumento de mais de 50% em relação ao mesmo período de 2006.

A primeira coisa que me chama a atenção, por se tratar de uma suposta NOTÍCIA publicada no site do Ministério da Saúde, é o seguinte: por que a notícia remete a 2002, depois “pula” para 2006 e depois vai para 2007 ? O que houve com 2003, 2004, 2005 ?! Nas entrelinhas, fica mais do que clara a tentativa de retomar aquele discurso batido (e vazio) da “herança maldita”……. Mas de qualquer forma, em 2002 foram 794 mil casos; em 2007 já são mais de 480 mil casos (e o ano não acabou ainda!).

Resta saber, agora, quem manterá o “recorde”…… Neste sentido, vale esta leitura aqui. Um pequeno trecho, delicioso: O governo vai arranjar um jeito de jogar toda a culpa na herança maldita, já que José Serra era ministro da Saúde e mandou demitir sei lá quantos matadores do mosquito Aedes aegypt no Rio. Era isso que nós e o PT dizíamos, não era? Bem, mas a dengue virou uma epidemia, e isso é “absolutamente injustificável”, como disse o atual ministro da Saúde, José Gomes Temporão. O PT e Lula não estão no poder há cinco anos? Então, a herança maldita é do primeiro mandato. Pelos dados de Temporão, já são 481.316 casos de dengue notificados de janeiro a setembro, 50% a mais do que no mesmo período do ano passado. Foram 121 mortes, contra 77 em todo o ano de 2006.

Antes que algum PTista de plantão tente, como de costume, mentir e tergiversar, o aumento da dengue não afeta “apenas” Estados de seus opositores, como São Paulo (governado pelo ex-Ministro que foi alvo da propaganda do PT, em 2002). O Maranhão viu aumento de 225% nos casos de dengue, como informado aqui e aqui.