Deturpações e mentiras do MST

Continuando a “saga” das organizações atreladas à quadrilha do PT (não sei quais são mais criminosas….), o MST segue encabeçando a campanha pela re-estatização da CVRD.

No site do MST (aliás, uma dúvida: como é que uma organização que NÃO possui registros legais, ou seja, uma “pessoa jurídica”, consegue registrar um domínio “.org.br” ?!), aqui, prossegue a enxurrada de mentiras e deturpações. Passam desde inócuas discussões sobre as reservas de minérios de ferro (que são concessão pública, da União, e NÃO devem ser contabilizados quando da privatização da empresa que recebeu a concessão da União) declaradas ou não à Securities and Exchange Comission (puxa, o MST se deu ao trabalho de escrever o nome da agência americana que regula empresas negociadas em bolsa, mas esqueceu de conferir os arquivos que a SEC disponibiliza sobre a CVRD ?! Que conveniente……), até valores fictícios, inventados ao bel-prazer dos criminosos do MST para tentar convencer alguns incautos a apoiar esta sandice…..

Os criminosos afirmam: “A privatização inclusive atenta contra a Constituição Federal. Reservas de urânio (matéria-prima para a energia e armas nucleares) são de propriedade exclusiva da União e não poderiam ter sido vendidas. Já a exploração mineral na faixa de fronteira não pode ser realizada sem uma aprovação do Congresso Nacional – que não ocorreu.“. Mentira sobre mentira. Erro sobre erro.

Nenhuma reserva foi vendida – nem de urânio, nem de qualquer outra coisa. Foram vendidas ações ordinárias da CVRD. Só. Sobre a “exploração mineral” que dependeria da aprovação do Congresso…….ora, a CVRD já operava na fronteira, e recebeu aprovação para tal anos antes. Não precisava recebê-la novamente. Lei.

Mais mentiras e deturpações: “A venda da Vale também compromete a soberania do Brasil ao transferir para acionistas estrangeiros 26 milhões de hectares de terra“. Já citei anteriormente: o consórcio que arrematou a CVRD tinha, sim, estrangeiros, mas os maiores acionistas eram (e continuam sendo) nacionais: Previ, CSN e Bradesco. A maior parte dos dividendos da CRVRD, portanto, FICA NO BRASIL. Até porque o próprio governo estimulou que os brasileiros investissem nas ações da CVRD…….

Esse MST, sempre mal-informado e mal-intencionado…….. Criaram a tal “Campanha Nacional pela Anulação do Leilão da Vale do Rio Doce – A VALE É NOSSA!” (cujo site pode ser conferido aqui) com base em mentiras e deturpações…. Até a Governadora Ana Júlia Carepa, do Pará, está lá no site, sorridente, declarando seu apoio à campanha. Péraí: foi esta governadora que há alguns meses contratou sua manicure ou cabeleireira como funcionária pública, remunerada pelo Estado ? Só para confirmar, para ter certeza do tipo de apoio, do caráter dos apoiadores da tal campanha……..

Não são, afinal, a cara do papai-PT ????

Privatizar, sim

Então o PT resolveu apoiar o tal plebiscito para que a população opine sobre a proposta de re-estatizar a Vale do Rio Doce (aqui) ? Para “sustentar” o absurdo, diversos asseclas do PT costumam espalhar dados e informações falsas (aqui, por exemplo).

Entre as besteiras que o “jornalista” José Cristian Góes divulga, algumas merecem atenção:

1) Diz o jornalista mal-informado (ou mal-intencionado) que “Em 1997, o presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) “vendeu” a CVRD por apenas R$ 3,3 bilhões. Curiosamente a avaliação dos auditores privados e do próprio Governo davam a Vale um preço de R$ 93 bilhões, ainda assim um valor muito abaixo do real“.

Tudo mentira. O leilão das ações da CVRD previa a venda de cerca de 41,73% das ações ON (ordinárias) da empresa, não “toda a empresa”, como o pseudo-jornalista tenta levar o leitor a acreditar. Além disso, a privatização, ocorrida em 07 de Maio de 1997, não poderia identificar o valor de mercado da CVRD em R$ 93 bilhões: HOJE, o valor de mercado da CVRD é de R$ 127 bilhões, com um lucro líquido anual de R$ 7 bilhões. O “jornalista” inventou um lucro de incríveis R$ 13,4 bilhões em 1996 – MENTIRA !!!!
Em 1998, primeiro ano de demonstrações contáveis pós-privatização, o balanço da CVRD indicava lucro que aproximadamente R$ 1 bilhão (basta consultar o site da Comissão de Valores Mobiliários, aqui, ou da própria Vale do Rio Doce, aqui).

2) O mentiroso jornalista afirma, ainda, que “E tem mais: quase 70% do lucro da Vale, isto é, os dividendos construídos em cima dos minérios desta terra, do nosso povo, estão nas mãos dos controladores privados estrangeiros da CVRD, ou seja, quase nada fica aqui.“. Ele mente, novamente – e continua mentindo, algumas linhas abaixo: “os lucro [sic] da Vale privatizada enriquecem os acionistas, principalmente, estrangeiros que investem na bolsa de valores nos EUA e na Ásia“.

O pior é que grande parte dos eleitores do PT, por ignorantes, acabam acreditando nestas bobagens….. As empresas que compraram os 41,73% das ações ordinárias da CVRD foram: CSN (Companhia Siderúrgica Nacional, empresa brasileira), Bradesco (maior banco privado brasileiro), Previ (Fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, brasileiro), além de grande parcela negociada em bolsas de valores. A composição acionária da empresa é pública, e pode ser conferida aqui, ou então diretamente nas Bolsas de Valores nas quais opera (NYSE e Bovespa inclusas).

O “jornalista” José Cristian Góes continua mentindo, sempre com base nestas deturpações – que são as mais graves, porque embasam argumentos sofismáticos. Pior, MENTIROSOS.

Ele mente para tentar justificar o injustificável.

A privatização de empresas brasileiras, ao longo dos 2 mandatos FHC, foram positivas: criaram empregos, dinamizaram diversos setores da Economia brasileira, beneficiaram a população diretamente (via de regra, através da oferta de melhores serviço) e, em alguns casos, colocaram empresas brasileiras em posição competitiva MUNDIALMENTE.

Além da Vale do Rio Doce (que, antes da privatização, era a nona maior mineradora do mundo; HOJE, É A SEGUNDA), a Embraer: estava à beira da falência quando foi a leilão, em 1995; hoje é a terceira maior fabricante mundial de aviões. Sob o comando da iniciativa privada, a Embraer passou por um ajuste brutal, impossível de ser feito numa companhia regida pelos princípios do Estado. Foi isso que a colocou na posição de empresa de classe mundial. Guinadas como essas são tarefas para executivos profissionais – não para políticos, que chegam e vão embora de acordo com o resultado das eleições.Maurício Botelho, presidente da Embraer, está no cargo há 12 anos (para maiores detalhes, ler a íntegra da reportagem, da Revista Exame, Edição 880, de 02/11/2006, aqui).

O presidente do Banco do Brasil (estatal) já mudou mais de 3 vezes APENAS no primeiro mandato (sic) Lulla. Em 1994, antes da privatização, a Embraer empregava 6.100 pessoas. Em 2005, já privatizada há 10 anos, o número era de 17.000. Em 1994, a empresa entregou 4 aviões; em 2005, foram 141.

As empresas que compraram as malhas da Rede Ferroviária Federal – típica estatal com muitos funcionários e pouco investimento – hoje transportam 80% de carga a mais. Para dar conta desse aumento, a indústria de equipamento ferroviário renasceu: o número de vagões produzidos saltou de 200 em 1992 para 7 500 em 2005, o que representou a construção de quatro novas fábricas e a criação de 30.000 empregos.

São vários os exemplos de privatizações bem-sucedidas – mas a “imprensa vermelha” bancada pelo PT distorce fatos, mente e tergiversa. Má-fé aliada à ignorância.

Por que os (pseudo) “jornalistas” que abastecem as páginas de mentiras do site do PT, da “Agência Carta Maior” e de outras publicações deste mesmo (baixo) nível, como Caros Amigos e Caca CaPTal, não têm coragem de buscar fatos verdadeiros para tentar argumentar ?

Por que os militantes do PT e seus asseclas (remunerados ou não) recorrem a tantas mentiras ? Só porque eles não têm argumentos que respaldem suas propostas ridículas ?