Criminalidade em São Paulo

Num tom (demasiadamente) elogioso, a Revista Veja desta semana traz uma matéria sobre a queda da criminalidade no Estado de São Paulo.  Diz a matéria (na íntegra aqui):

A cidade de São Paulo viveu um dia histórico na sexta-feira 7 de dezembro: foram 24 horas sem um único assassinato. Fazia muito tempo que isso não ocorria. O último registro de um dia de paz como esse data da década de 50. A melhor notícia, no entanto, é que não se trata de um episódio fortuito: a cidade e também o estado de São Paulo vêm registrando índices declinantes de criminalidade. De 1999 para cá, a taxa de homicídios caiu 79% na capital e 69% no estado. Atualmente, contabilizam-se onze assassinatos por ano para cada 100.000 habitantes no estado, taxa bem inferior à do Rio de Janeiro e à do Brasil, de 39 e 22 mortos para cada 100.000 habitantes, respectivamente. Se o governo estadual conseguir reduzir esse número para dez homicídios – o que espera fazer já no ano que vem –, São Paulo passará a ter índices aceitáveis desse tipo de crime, segundo os padrões da Organização Mundial de Saúde.

A melhor marca da década era a de 2004, ano em que 253 municípios ficaram sem assassinatos. O crime de homicídio foi um dos que mais caíram, mas não foi o único. Também sofreu forte redução a quantidade de latrocínios, roubos e roubos de veículos. Essa melhora nos indicadores da criminalidade se deve a um conjunto de medidas que o governo paulista começou a colocar em prática em 2000 e foi aprimorado na gestão do tucano José Serra. O marco inicial desse projeto é o Infocrim – sistema eletrônico que, inspirado no modelo nova-iorquino, interligou os distritos policiais da capital (e que, atualmente, inclui outros oito municípios do interior e litoral). Por meio da análise dos boletins de ocorrência lançados na rede pelas delegacias, policiais traçam um mapa detalhado de cada tipo de crime, incluindo informações como local e horário em que ele ocorre com mais freqüência, situações que costumam propiciá-lo e vítimas preferenciais. De posse desses dados, a polícia pode agir de modo mais cirúrgico. Os carros de patrulha, por exemplo, que antes rodavam a esmo, começaram a seguir uma rota determinada, e os cruzamentos de trânsito com maior número de assaltos receberam reforço na vigilância.

Eis a ilustração que acompanha a matéria:

Taxa de assassinatos em São Paulo

Novamente: o tom da matéria me parece demasiadamente elogioso. Conquanto traga uma boa notícia – especialmente para nós, paulistas – , não era preciso elogiar tanto…..

Mas estes resultados ajudam a explicar a boa avaliação do governador José Serra, como demonstrou pesquisa do DataFolha (aqui). Afirma o DataFolha:

Onze meses após a posse, 49% dos eleitores avaliam o governo de São Paulo como ótimo ou bom. Em março, passados três meses de governo, esse índice era de 39%.Ainda segundo a pesquisa, a avaliação negativa do governo de São Paulo sofreu uma queda de quatro pontos em sete meses. Em março, 16% dos entrevistados apontavam o governo como ruim/péssimo. Atualmente, essa taxa é de 12%.De março para cá, a nota média conferida ao governo também aumentou: de 6 para 6,5.
Segundo a pesquisa Datafolha, realizada de 26 a 29 de novembro, 35% dos entrevistados classificam a administração Serra como regular. Em março, eram 37%. Quatro por cento não souberam opinar.
Apesar da tradicional associação do PSDB à classe média/alta, Serra hoje conta com maior aprovação precisamente entre os entrevistados da mais baixa faixa de consumo.Segundo o Datafolha, 53% dos entrevistados da classe D/E apontam o governo Serra como ótimo/bom. Esse índice é de 50% entre os da classe C e chega a 47% entre os da classe A/B.

Como eu já disse antes, nutro grande admiração pelo José Serra: é um dos poucos políticos, hoje, que conseguem combinar um perfil de bom gestor com as atividades políticas. Mas a Veja não precisava circular um texto tão “chapa branca”……

2 comentários sobre “Criminalidade em São Paulo

  1. Elson 19 de dezembro de 2007 / 15:20

    Com esse tipo de matéria, tá cada dia mais difícil acreditar na VEJA. A credibilidade, que é uma virtude difícil de se construir ao longo dos anos, está indo para o ralo rapidamente…

    Acabo duvidando de tudo que a VEJA publica. E nem sei se dá prá acreditar nesses indicadores que ela demonstra. Será mesmo que ninguem foi assassinado nesse dia? Ou simpliemente nenhum assassinato FOI REGISTRADO nesse dia, para criar um mote para a notícia? Com a palavra os paulistanos.

    Aqui no Rio, todo dia o tráfico mata (ou morre).

  2. Carlos Munhoz 19 de dezembro de 2007 / 18:01

    Elson,
    Talvez sejamos pessimistas, mas eu concordo com você: há uma grande diferença entre não haver nenhum homicídio e não haver nenhum REGISTRO de um homicídio……
    Mas, mesmo assim, confesso que tenho me sentido um pouco mais seguro em SP. Ainda estamos longe do ideal, mas percebo uma melhora, sim.
    E torço para que isto não apenas continue, mas seja sentido em todo o país – em especial no RJ, tão vitimado pela questão do tráfico…..

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s