Peggy Sue: o passado condena – parte 20

Retomo um tema recorrente por aqui, mas não por isso “obsoleto”: a mudança notável (e hipócrita) que acometeu a cambada do PT desde que assumiram o poder.

Esta carta, abaixo, foi enviada por um leitor ao Painel do Leitor da Folha de São Paulo de ontem, 30/03:

“É impressionante como as opiniões dos políticos mudam de acordo com o lado em que se encontram. Tudo o que o PT condenava quando era oposição ele pratica agora que está no poder. A última de Lula é ficar indignado quando dizem que o PAC é eleitoreiro. Mas ele fazia exatamente a mesma coisa quando era oposição.”
IRACEMA PALOMBELLO (Bragança Paulista, SP)

Faço minhas as palavras da leitora Iracema.

O pior de tudo é a burrice dessa cambada do PT: para poder comemorar os números da Economia, eles não têm problema em falar um monte de merda, eventualmente roubando feitos que eles atacavam antes de “converterem-se” ao capitalismo imperialista.

Esquecem, convenientemente, de dizer que foram contra o Plano Real, contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, contra as privatizações……. Alguns dos fatores sem os quais os atuais resultados da Economia não seriam os mesmos.

O pior de tudo é que eles agora defendem algumas “medidas” como se fosem deles !

E deixam de lado a oportunidade de celebrar as decisões e “medidas” que foram efetivamente adotadas por eles…….. Como a manutenção da política econômica do FHC (aquela mesma “sugerida” pelo FMI e repudiada pelo “antigo PT”).

Francenildo Henrique Cardoso

Primeiro, o Ministro Palocci quebrou o sigilo bancário do caseiro Francenildo.

Caiu.

Agora, a Ministra Dilma Rousseff quebrou o sigilo do ex-Presidente FHC.

Cairá também ?????????

Advogados apontam crime de violação de sigilo em divulgação de dados sobre cartões

da Folha de S.Paulo, em Brasília

O sigilo que paira sobre os gastos presidenciais nos cartões corporativos ou nas contas tipo B (despesa justificada por nota ou recibo depois de o servidor receber uma determinada verba) tem como base critérios subjetivos da legislação sobre o que deve ou não se tornar de conhecimento público.

Nenhuma lei trata especificamente se despesas emergenciais realizadas pelo Palácio do Planalto são passíveis de se tornar segredo de Estado.

Mas a divulgação de dados reservados sem um pedido judicial ou de CPI, conforme advogados consultados pela Folha, pode levar o responsável a responder pelo crime de violação de sigilo, previsto no artigo 153 do Código Penal.

É nesse crime que seria enquadrado o responsável na Casa Civil pelo vazamento de dados sobre o governo FHC. A pena é de detenção de 1 a 4 anos e multa, aumentada em um terço caso o servidor ocupe cargo comissionado ou de direção. A Casa Civil determinou uma apuração interna para descobrir o autor.

Segundo o criminalista Luiz Flavio Gomes, informação reservada só pode ser divulgada com justificativa. Administrativamente, o servidor também pode ser demitido e perder os direitos políticos por dez anos.

Dois artigos da Constituição tratam da divulgação de dados oficiais. O artigo 37º, mais amplo, determina que todas as ações e despesas dos governos sejam públicas. O artigo 5º, porém, ressalva que informações imprescindíveis à segurança do Estado ou sobre a defesa da intimidade devem ser sigilosas.

Como forma de garantir caráter sigiloso às despesas do gabinete presidencial, o governo se apegou a uma norma do Gabinete de Segurança Institucional, editada em 2003: “Não é permitido o fornecimento de informações detalhadas dos gastos com as peculiaridades da Presidência da República, por questão de segurança”.

Decreto editado em 2002 passou a estabelecer critérios de classificação de documentos passíveis de serem tratados como sigilosos, criando as categorias ultra-secretos, secretos, confidenciais e reservados.

Além dessa norma do GSI, há um decreto de 1967 que trata dos gastos sigilosos da Presidência. Segundo a regra, “a movimentação dos créditos destinados à realização de despesas reservadas ou confidenciais será feita sigilosamente e nesse caráter serão tomadas as contas dos responsáveis”.

O Planalto adotou a regra de tratar como reservados os gastos nos cartões com o presidente Lula e seus familiares, das Forças Armadas, do Ministério das Relações Exteriores e da Abin (Agência Brasileira de Inteligência). Significa que podem ser acessados por órgãos de controle, mas não estão disponíveis para o público.

Segundo a CGU (Controladoria Geral da União), 20% dos gastos do governo com cartão corporativo estão sob sigilo.

Se ele pode, eu posso

Esta é a máxima de Rei Mulla: “se ele pode, eu posso”.

Notícia da Folha, aqui. Repercutiu no blog do Josias:

Um auxiliar de Lula disse ao repórter ter ouvido do presidente algo assim: “Se o Fernando Henrique podia [lançar mão das MPs], por que eu não posso? Todos os meus antecessores usaram. Por que não reclamaram antes?” Na verdade, reclamaram. Só que as queixas eram feitas pelo ex-oposicionista PT. Gritava muito, mas não dispunha de votos suficientes para tranformar berro em ação. 

Lula encomendou um levantamento comparativo das MPs que baixou e das que foram editadas sob FHC. Sustenta que, nessa matéria, o antecessor o supera.Nada poderia ser mais simples, direto e revelador. Trata-se do mesmo princípio usado por assassinos, estupradores, ladrões, corruPTos e amorais. O princípio de nivelar tudo por baixo. Mais simples, impossível.

Coisa típica de uma mulla.

Se ele pode roubar, por que eu não posso roubar também ?

Se ele pode matar, por que eu não posso também ?

Não importa quem seja “ele”. Ou “elle”.

Lambuzando-se no poder

Esta é uma contribuição do amigo Lúcio, que eu publico com o maior prazer.

DESPESAS DO GABINETE PRESIDENCIAL:

  • 1995 – FHC – R$ 38,4 milhões.
  • 2003 -Lula – R$ 318,6 milhões.
  • 2004 -Lula – R$ 372,8 milhões (R$ 1,5 milhões por dia útil)

NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS NO PALÁCIO DO PLANALTO:

  • Itamar Franco – 1,8 mil
  • FHC – 1,1 mil
  • Lula – 3,3 mil

PS: No Palácio da Alvorada, existem 75 empregados. No ano passado Lula assinou um decreto, de número 5.087, aumentando de 27 para 55 seus assessores especiais diretos.

FOME ZERO

No Palácio do Planalto, o programa ‘Fome Zero’ funciona. Fome e sede zero. Todos querem, literalmente, se entupir de comida e bebida. Vejam estes números:

O processo de licitação de número 00140.000226/ 2003-67, publicado no Diário Oficial da União, previu a compra de 149 itens para o Palácio. Dentre eles constam: – sete toneladas de açúcar; – duas toneladas e meia de arroz; – 400 latas de azeitona; – 600 quilos de bombons; – 800 latas de castanhas de caju; – 900 latas de leite condensado.. ..

Tudo altamente calórico… O pior é que pelo prazo da licitação, tudo isso deverá ser consumido em 120 dias.

Mas tem mais. Constam ainda: – dois mil vidros de pimenta; – dois mil e quinhentos rolos de papel alumínio; – quatrocentos vidros de vinagre; – quatrocentos e sessenta pacotes de sal grosso e ainda – seis mil barras de chocolate.

Se você, caro leitor, apanhar uma calculadora, vai concluir que a turminha de Lula está consumindo por dia: – 58 quilos de açúcar (ou dona Marisa faz muito bolo ou Lula toma muita caipirinha.. .); – 22 quilos de arroz; – 50 barras de chocolate; – 15 vidros de pimenta….pimenta? ??

Como a repercussão dessa compra foi negativa, Lula mandou tirar do site oficial do governo o processo de licitação, que já havia sido publicado na edição número 463 do Diário Oficial.

Lula é assim: num dia esconde o que faz, no outro camufla o que compra.

E a coisa vai mais longe: em outra licitação (00140.000217/ 2003-36) dá para perceber que Lula gosta de festa.

O Gabinete da Presidência comprou um pouco de tudo para beber. Entre os itens: – 129 mil litros de água mineral (consumo:mais de mil litros por dia); – duas mil latas de cerveja; – 35 mil latas de refrigerante; – 1344 garrafas de sucos naturais; – 610 garrafas de vinho (consumo de cinco por dia); – 50 garrafas de licor.

A sede dos deslumbrados vai além, mesmo com muita gente morrendo por falta de água no sertão, que Lula diz que conhece bem.

Em outra licitação, (00140.000228/ 2003-56), o nosso presidente, que devia ser exemplo, mandou comprar para seu Palácio: – 495 litros de suco de uva; – 390 litros de suco de acerola; – o mesmo tanto de suco de maracujá, laranja, tangerina e manga.

Outra compra diz a respeito a 2.250 quilos de pó de café. Numa conta simples, este valor resulta em 2145 cafezinhos por dia. Desse jeito Lula vai acabar perdendo o sono.

Mas a farra não termina por aqui. Numa outra compra ( 00140.000126/ 2003-31) Lula prova que é bom de estômago: – três toneladas e meia de batata: – duas mil dúzias de ovos; – duas toneladas de cebola e – uma tonelada de alho porró.

Na mesma compra tem mais: – 2400 abacaxis; – uma tonelada e meia de banana; – outro tanto de ameixa e ainda – uma tonelada de caqui.

Pelo que se entende de outra compra (00140..000227/ 2003-10), dona Marisa Letícia anda cozinhando pra fora, servindo marmita.

Foram comprados para serem consumidos em 120 dias: – dez botijões de gás de dois quilos; – 170 botijões de 13 quilos; – 20 cilindros de 45 quilos e mais – 45 toneladas de gás a granel.

Continha simples: 24 botijões por dia consumidos.

Quer mais farra? Então aqui vai: O gabinete da presidência mandou comprar: – dois mil CDs para gravação, com as respectivas caixinhas, e – 20 mil disquetes..

Estaria Lula montando uma gravadora pirata?

E alguém tem idéia de quanto se paga de roupa lavada no Palácio, em 120 dias? – 54 toneladas – ou 13 toneladas e meia por mês, ou ainda, 450 quilos de roupa por dia. Lula torna feliz qualquer tintureiro.

Talvez a justificativa para a lavanderia seja uma outra compra, a de número 00140.000143/ 2003-78: – 300 colchas; – 330 lençóis; – 300 fronhas; – 50 travesseiros; – 66 cobertores (cobertor em Brasília é grave, hein?); – 15 roupões; – 20 jogos de toalha; – 20 toalhas de banho e – 120 colchões… 120 colchões!!!

Quando Lula pra lá se mudou, também tratou de providenciar todo conforto possível. A presidência comprou: – dois fogões; – duas cafeteiras; – quarto fornos de microondas; – quatro geladeiras; – oito ventiladores; – seis aparelhos de ar condicionado; – dois bebedouros; – sete televisores; – dois aparelhos de CDs; – três liquidificadores; – uma sanduicheira; – um frigobar.

Topo do ranking

Os PTralhas que adoram espalhar mentiras pela internet precisam de mais cautela……

Tomemos como exemplo (dentre tantas possibilidades) o Sr. Eduardo Guimarães, por exemplo. Quando eu mostrei, ponto a ponto, que ele andava propagando bobagens pelo seu blog (detalhes aqui), ele deixou um comentário, afirmando que “responderia às críticas”. Não o fez.

Talvez devido à impossibilidade ?????

O ilustre defensor da incomPTência escreveu o seguinte: O que é igual nas políticas econômicas do PT e do PSDB? Os juros, por exemplo? Não é verdade. A taxa Selic, depois do crítico primeiro ano do governo Lula (2003), veio caindo mês a mês. Só parou de cair nas três últimas reuniões do Copom (Comitê de Política Monetária) por causa da crise americana. Na época de FHC, quando havia uma crise de liquidez de algum paiseco de qualquer parte, os juros explodiam. Agora, apenas param de cair.

Eu afirmei, na minha crítica ao seu texto, que ele precisava informar-se melhor sobre o conceito de “juro real” e “juro nominal” antes de alardear uma queda na taxa de juros no  Brasil – atribuída, segundo ele, à suposta (e utópica) inovação na condução da política econômica do Lulla, em sua desesperada e vã tentativa de mostrar uma “enorme” diferença entre os anos FHC e os (malditos) anos Lulla.

Infelizmente ele não se informou.

Vou facilitar sua vida (o texto é da Folha de São Paulo, aqui): O Brasil retomou o posto de país com a maior taxa real de juros do mundo. Em julho passado, havia perdido esse título para a Turquia. Apenas uma redução da taxa básica Selic hoje evitaria que isso ocorresse -mas ninguém no mercado financeiro conta com essa possibilidade. Os juros reais brasileiros, considerando a atual Selic de 11,25%, estão hoje em 6,73% anuais. A Turquia, líder até então, registra taxa real de 6,69%. O ranking elaborado pela UpTrend Consultoria Econômica mostra ainda a Austrália em 3º, com taxa de 4,89%, e o México em 4º, com 4,18%. Os juros reais são calculados a partir da taxa básica de juros, descontando dela a inflação projetada para os próximos 12 meses.

Uma coisa é discutir a taxa de justos nominal ou real e compará-las às taxas de outros países. Outra coisa, completamente diferente, é  afirmar que houve redução da taxa de juros e ponto final.

Como eu já havia dito antes: o Brasil sempre esteve na liderança desse “ranking” (ou, no máximo, em segundo lugar) durante FHC. Permanece nas mesmas posições com Lulla.

CADÊ A DIFERENÇA ??????????

Socialismo capitalista

E não é que na prática o PT inventou o “socialismo capitalista” ?!

Afinal, essa organização criminosa, essa agremiação de pelegos e mentecaPTos sempre pregou o “Socialismo Petista” – mas, na prática, está mais do que inserido no Capitalismo.

Não é uma reclamação – afinal, se Rei Mulla tivesse cumprido 0,5% de suas promessas históricas, se tivesse tentado fazer o que o PT sempre falou, já estaríamos todos, sem exceção, falidos.

Trata-se, pois, de uma constatação.

Que não venham depois esses acéfalos cretinos dizerem que há diferenças sólidas entre Lulla e FHC; que o PT implantou um programa de governo mais voltado ao social, mais justo. TUDO BOBAGEM.

Lulla chamou um tucano para presidir o Banco Central, e colocou nos postos-chave da Economia pessoas que não teriam problemas em seguir à risca a mesma política de FHC.

Senão, vejamos: ao ler a nota do Banco Central sobre a política fiscal (na íntegra, aqui) divulgada ontem, qualquer pessoa com pelo menos 2 neurônios funcionando acharia que trata-se do governo FHC – o qual, segundo os PTralhas, “vendeu-se aos interesses capitalistas e imperialistas” (aquele discurso embolorado, caduco e obsoleto do esquerdismo hipócrita e histérico da década de 1960/1970). Alguns trechos:

O superávit primário do setor público não financeiro alcançou R$18,7 bilhões em janeiro, o melhor resultado para o mês desde o início da série, em 1991. Por segmentos, registraram superávits o Governo Central, de R$16,7 bilhões, e os governos regionais, de R$3,5 bilhões. As empresas estatais, por outro lado, registraram déficit de R$1,5 bilhão.

Nos últimos doze meses até janeiro, o superávit acumulado atingiu R$106,8 bilhões (4,15% do PIB), elevando-se em 0,17 p.p. do PIB em relação ao valor registrado em dezembro de 2007, devido, basicamente, ao desempenho registrado no âmbito do Governo Central.

Os juros nominais, apropriados pelo critério de competência, totalizaram R$13,1 bilhões em janeiro, comparativamente a R$12,2 bilhões em dezembro. O maior número de dias úteis em janeiro e o efeito da apreciação cambial sobre os ativos atrelados ao dólar contribuíram para a elevação dos juros totais apropriados no mês.

No acumulado em doze meses até janeiro, os juros nominais alcançaram R$158,7 bilhões (6,17% do PIB), comparativamente a R$159,5 bilhões (6,25% do PIB) em dezembro, mantendo-se a trajetória de queda registrada nos meses anteriores.

O resultado nominal, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, alcançou superávit de R$5,5 bilhões em janeiro. No acumulado em doze meses, o resultado nominal foi deficitário em 2,02% do PIB, o menor déficit nessa base de comparação desde o início da série, em 1991. Essa queda foi influenciada tanto pela elevação do superávit primário quanto pela menor incorporação de juros.

Portanto, aos trogloditas pseudo-intelectuais do PT que tentam convencer aos incautos de que há enormes diferenças entre FHC e Lulla, fica a pergunta: cadê as diferenças ?

Já tratei deste ponto anteriormente (aqui), mas infelizmente a realidade mostra que os PTralhas apenas usam de uma retórica falsa, ignóbil e mentirosa para tentar convencer de que existem tais diferenças….. Elas não existem !

Ainda segundo dados do próprio Banco Central (aqui),

A taxa média de juros relativa às operações de crédito referencial situou-se em 37,3%, registrando aumento mensal de 3,5 p.p. e queda de 2,6 p.p. em doze meses. No mesmo sentido, o spread bancário apresentou expansão de 3,4 p.p. no mês, atingindo 25,7 p.p., com decréscimo de 1,7 p.p. em comparação a janeiro de 2007.

Nesse contexto, o custo médio dos empréstimos destinados a pessoas físicas alcançou 48,8%, com elevação de 4,9 p.p. no mês. Nas modalidades de crédito pessoal e cheque especial verificaram-se aumentos de 7,3 p.p. e 6,9 p.p., enquanto que os financiamentos para aquisição de veículos tiveram seu custo elevado em 2,4 p.p. A taxa média para pessoas jurídicas registrou alta de 1,8 p.p. no mês, atingindo 24,7%, resultado decorrente, em grande parte, do incremento de 2,6 p.p. no custo das operações pactuadas com encargos prefixados.

Os PTralhas não adoram espalhar pela internet notícias falsas sobre a questão dos juros ?! Eles adoram dizer que os juros eram astronômicos durante o mandato FHC, e que caíram vertiginosamente com Lulla. Então essa é uma notícia auspiciosa:

Os juros cobrados nos empréstimos bancários tiveram, em janeiro, a maior alta em quase sete anos.Segundo levantamento feito pelo Banco Central, a taxa média dos financiamentos chegou a 37,3% ao ano, aumento de 3,5 pontos percentuais em relação a dezembro.
Desde julho de 2001 o custo do crédito não subia nessa velocidade de um mês para outro.
A alta foi mais forte nos financiamentos para pessoas físicas. Nesse segmento, a taxa média passou de 43,9% ao ano para 48,8%.No crédito pessoal, uma das modalidades de empréstimo mais populares, os juros subiram de 59,1% ao ano para 67,3%.

Mesmo nos empréstimos com desconto em folha de pagamento, que costumam ser a opção mais barata de financiamento para pessoas físicas, os juros subiram: passaram de 28,1% ao ano para 29,3%.
O chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes, credita esse movimento ao aumento nas alíquotas do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) das instituições financeiras, o que teria pressionado o custo dos empréstimos.
O aumento nos tributos fez parte de conjunto de medidas adotadas pelo governo no mês passado para compensar o fim da CPMF.

O texto é da Folha de São Paulo de 27/02/2008 (na íntegra, aqui), mas os dados são do Banco Central (aquele presidido por um tucano).

Complementarmente, cabe registrar: quando algum PTralha mal-intencionado (com o perdão do pleonasmo) falar sobre a dívida pública, é preciso indicar-lhes este texto aqui:

O BC adotou em janeiro nova metodologia para o cálculo da chamada dívida bruta do governo geral. A dívida bruta é um dos principais indicadores fiscais acompanhados pelas agências internacionais de classificação de risco. A partir de agora, a dívida bruta deixa de incluir os títulos públicos emitidos pelo Tesouro que estão na carteira do BC. O critério só fazia sentido, explicou Lopes, quando o BC emitia títulos para fazer política monetária – o que foi proibido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). De outro lado, a dívida bruta passa a incluir as operações compromissadas do governo.
A mudança, segundo o BC, foi para aproximar as estatísticas da dívida bruta dos conceitos usados nos demais indicadores fiscais.
Em termos práticos, a nova metodologia fez com que a dívida bruta fechasse em 58,2% do PIB em janeiro, enquanto que na metodologia antiga esse percentual seria de 62,1% do PIB.

Os PTralhas que ganham o “Bolsa-web” para espalhar mentiras travestidas de notícias (como o asqueroso Paulo Henrique Amorim, por exemplo, além de outros menos letrados, como a Lillith) precisariam, então, deixar claro qual a metodologia que usaram para chegar nos números que usam quando escrevem suas mentiras burras……

Como se não bastasse, esse pessoal que fez escândalo por conta do fim da cobrança da CPMF agora deve estar andando com um saco de papel na cabeça (pessoalmente, gostaria que fosse de plástico, para asfixiá-los rapidamente), para esconder a vergonha:

No primeiro mês sem a cobrança da extinta CPMF, a arrecadação do governo federal aumentou em níveis muito superiores aos da inflação e do crescimento da economia.
Recorde para um mês de janeiro, a receita foi de R$ 62,6 bilhões, uma expansão de 20% acima da inflação em relação ao mesmo período do ano passado -ou de 18,3%, se descontada a arrecadação residual da extinta contribuição sobre movimentação financeira.
Em valores absolutos, o caixa do governo foi reforçado, num único mês, em R$ 9,6 bilhões, excluindo da conta os R$ 875 milhões em recolhimentos remanescentes da CPMF. É praticamente toda a arrecadação adicional estimada pelo governo para todo o ano com a melhora da economia. A perda estimada com o fim da CPMF é de R$ 39,3 bilhões no ano.

Para maiores detalhes sobre isso, veja aqui. Outras leituras, para deixar os PTralhas se roendo de raiva, estão aqui, aqui e aqui.

Este é o “Socialismo Capitalista” inventado pelo PT.
É socialismo na propaganda política e nas tentativas de enganar os mais tapadinhos para que eles continuem elegendo essa cambada.
Mas é capitalismo quando se trata de encher os cofres do PT com recursos que dependem de bons resultados financeiros do governo…..

Privatização: novo recorde

Notícia da Revista Consumidor Moderno (na íntegra, aqui):

Em 2007, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o Brasil ultrapassou a marca de 120 milhões de habilitações na telefonia móvel. Os 120.980.103 celulares registrados no País, em dezembro, representam um crescimento de 21,08% em relação a 2006. Os 21.061.482 novos acessos fazem de 2007 o ano de maior sucesso da telefonia móvel no Brasil, desde a instalação do serviço em 1990. O mês de dezembro também foi o melhor da história, com 4.666.276 habilitações (crescimento de 4,01%), e contribuiu fortemente para o resultado, superando dezembro de 2004, quando se registraram 4.416.843 novos celulares. Os celulares aumentaram de 4,6 milhões, em 1997, para quase 121 milhões de acessos no ano passado.

Será que o PT ainda vai defender o modelo arcaico no qual o Estado interfere na Economia ?

Só para lembrar: o sistema Telebrás foi privatizado por FHC.

O PT foi contra. Até 2002, Lulla atacava as privatizações (inclusive do sistema Telebrás).

Pergunta: quem errou ????

PETROBRÁS roubada

No ano passado, muitos PTistas fizeram um verdadeiro “carnaval fora de época” quando a Petrobrás anunciou descobertas de campos de petróleo e gás natural.Bom, como a empresa existe, basicamente, para produzir energia (de qualquer fonte), uma ótima notícia, sem dúvidas.

Porém, como de costume, tentou-se fazer os coitados ignorantes que sustentam Rei Mulla em seu trono que aquelas descobertas teriam alguma relação com supostos méritos do PT. Aí a mentira grassava.

Duas notícias publicadas em 1999, na FOLHA e no ESTADÃO, tratam de descobertas de um campo de petróleo. Os méritos de ambas as descobertas (tanto a de 1999 como as de 2007) NÃO são dos governos, nem dos governantes – mas sim da Petrobrás. Trocando em miúdos: não foi o FHC quem descobriu petróleo em 1999, assim como não foi o Lulla que descobriu petróleo em 2007. Foi a Petrobrás.

Porém, muita gente sem cérebro comemorou as descobertas de 2007 como se fossem méritos do PT. Muita ignorância !

Uma empresa no setor petrolífero, como é o caso da Petrobras, precisa fazer investimentos altíssimos, de longo prazo, para colher frutos. A despeito da inserção de um bando de sindicalistas de bosta nos quadros da Petrobras (e de outras estatais, registre-se) desde 2003, a empresa ainda detém um know-how mundialmente reconhecido em exploração de petróleo no mar; os investimentos feitos hoje somente começaram a trazer resultados em 5 anos ou mais, jamais antes.

Isso precisa ficar claro, porque muita gente foi bombardeada com propagandas políticas mentirosas, que associavam as descobertas da Petrobras à “administração” (sic) do PT. Balela.

A matéria da Folha (de 22 de Setembro de 1999, na íntegra para assinantes aqui) eu reproduzo abaixo, e destaco o trecho em que FHC remeteu-se a 1971 para tratar do êxito da Petrobras (grifo meu):

Petrobras descobre megacampo
O presidente Fernando Henrique Cardoso, a diretoria da Petrobras e o ministro Rodolfo Tourinho (Minas e Energia) anunciaram ontem a descoberta de um “megacampo” de petróleo na bacia geológica de Santos.
Cálculos preliminares da empresa estatal indicam que o campo tem um potencial de extração entre 600 milhões e 700 milhões de barris de óleo ultraleve, em prazo estimado de 20 anos. O valor dessa produção é avaliado em US$ 10 bilhões.
O presidente Fernando Henrique Cardoso interrompeu a sua agenda política -estava conversando com deputados do PPB- ontem no início da noite para receber a diretoria da Petrobras.
Em seguida, convocou a imprensa para anunciar a descoberta. “Quero aproveitar a oportunidade porque acho que notícias dessa natureza devem ser sublinhadas. O esforço é longo -vem desde 1971-, mas agora é que foi coroado de êxito”, disse FHC.
Segundo a Petrobras, o óleo encontrado é de boa qualidade e de um tipo ainda inédito no país. Foi localizado em profundidades de 3.828 a 4.148 metros. Regionalmente, o poço fica a 165 km a sudoeste da cidade do Rio e a 300 km da cidade de São Sebastião, no litoral paulista.
O diretor da Petrobras José Coutinho Barbosa afirmou que a extração pode começar em um ano e meio ou dois anos. O maior campo de petróleo brasileiro hoje fica na bacia de Campos e tem um potencial de 2,2 bilhões de barris.
“Também queria cumprimentar a Petrobras porque nós estamos marchando com mais celeridade. Ainda mais agora, que nós temos competição, para que vejam como a competição é positiva. Àqueles que temiam pela Petrobras -eu nunca temi, sempre achei que a Petrobras tinha condições de enfrentar o desafio da competição- (essa descoberta) demonstra a capacidade técnica da Petrobras”, disse o presidente da República.

Moral da história: novamente Lulla roubou os méritos. Eles são da Petrobras, e não do PT ou do Lulla.