Topo do ranking

Os PTralhas que adoram espalhar mentiras pela internet precisam de mais cautela……

Tomemos como exemplo (dentre tantas possibilidades) o Sr. Eduardo Guimarães, por exemplo. Quando eu mostrei, ponto a ponto, que ele andava propagando bobagens pelo seu blog (detalhes aqui), ele deixou um comentário, afirmando que “responderia às críticas”. Não o fez.

Talvez devido à impossibilidade ?????

O ilustre defensor da incomPTência escreveu o seguinte: O que é igual nas políticas econômicas do PT e do PSDB? Os juros, por exemplo? Não é verdade. A taxa Selic, depois do crítico primeiro ano do governo Lula (2003), veio caindo mês a mês. Só parou de cair nas três últimas reuniões do Copom (Comitê de Política Monetária) por causa da crise americana. Na época de FHC, quando havia uma crise de liquidez de algum paiseco de qualquer parte, os juros explodiam. Agora, apenas param de cair.

Eu afirmei, na minha crítica ao seu texto, que ele precisava informar-se melhor sobre o conceito de “juro real” e “juro nominal” antes de alardear uma queda na taxa de juros no  Brasil – atribuída, segundo ele, à suposta (e utópica) inovação na condução da política econômica do Lulla, em sua desesperada e vã tentativa de mostrar uma “enorme” diferença entre os anos FHC e os (malditos) anos Lulla.

Infelizmente ele não se informou.

Vou facilitar sua vida (o texto é da Folha de São Paulo, aqui): O Brasil retomou o posto de país com a maior taxa real de juros do mundo. Em julho passado, havia perdido esse título para a Turquia. Apenas uma redução da taxa básica Selic hoje evitaria que isso ocorresse -mas ninguém no mercado financeiro conta com essa possibilidade. Os juros reais brasileiros, considerando a atual Selic de 11,25%, estão hoje em 6,73% anuais. A Turquia, líder até então, registra taxa real de 6,69%. O ranking elaborado pela UpTrend Consultoria Econômica mostra ainda a Austrália em 3º, com taxa de 4,89%, e o México em 4º, com 4,18%. Os juros reais são calculados a partir da taxa básica de juros, descontando dela a inflação projetada para os próximos 12 meses.

Uma coisa é discutir a taxa de justos nominal ou real e compará-las às taxas de outros países. Outra coisa, completamente diferente, é  afirmar que houve redução da taxa de juros e ponto final.

Como eu já havia dito antes: o Brasil sempre esteve na liderança desse “ranking” (ou, no máximo, em segundo lugar) durante FHC. Permanece nas mesmas posições com Lulla.

CADÊ A DIFERENÇA ??????????