Arrogância e hipocrisia

Marta Suplicy: um poço de arrogância; um oceano de hipocrisia.

Transcrevo abaixo alguns trechos (com grigos meus) de matéria da Folha Online, que trata da presença da MarTAXA em sabatina promovida pela Folha de São Paulo (na íntegra, aqui):

Primeira entrevistada do ciclo de sabatinas que a Folha realiza com os candidatos a prefeito de São Paulo no segundo turno, a ex-prefeita Marta Suplicy (PT) disse que não viu a propaganda de TV –veiculada desde ontem– que questiona se o adversário Gilberto Kassab (DEM) é casado e se tem filhos. Marta disse que a propaganda é de responsabilidade do marketing da sua campanha. “A decisão está na mão do marqueteiro. […] Eu nem vi a campanha no ar“, disse ela na sabatina promovida hoje pela Folha.

Marta negou que a propaganda tenha insinuações veladas sobre a vida pessoal do prefeito. “Sou uma pessoa contra o preconceito. Da minha boca vocês nunca vão ouvir uma palavra de preconceito. […] Mas eu acho que estão interpretando demais”, afirmou Marta, ao ser questionada se o conteúdo da propaganda não era invasivo e preconceituoso.

Ela afirmou ainda que não tem preocupação sobre a vida privada de nenhum adversário político. “Para mim tanto importa ele ser casado, viúvo ou solteiro. As pessoas têm que saber“. Ela defendeu que a intenção do questionamento levado ao ar na propaganda foi revelar a trajetória política de Kassab e suas alianças com os ex-prefeitos Celso Pitta (PTB) e Paulo Maluf (PP).

Marta respondeu com irritação às perguntas pessoais direcionadas a ela. “O que eu queria colocar a público sobre a minha vida pessoal eu escrevi no livro e ponto. E esse é o único comentário que eu vou fazer sobre a minha vida pessoal. E é o último que você vai ouvir“, afirmou a candidata, ao ser questionada sobre o impacto do divórcio do senador Eduardo Suplicy (PT) sobre sua derrota nas eleições de 2004.

Durante a sabatina, Marta disse ter sido uma das maiores vítimas de preconceito e invasão de privacidade por parte da imprensa. “A vida inteira, a pessoa mais invadida em sua privacidade fui eu”, afirmou.

Bom, vamos por partes.

A campanha da candidata Marta é, sem dúvida NENHUMA, uma invasão à vida particular do oponente dela. A campanha questiona se ele é casado ou não, se melhorou de vida depois que entrou na política, se tem problemas com a justiça etc.

Apenas para relembrar, eis aqui o vídeo:

Detalhe: este e outros vídeos do mesmo “nível” podem ser vistos no site oficial da candidata Marta, AQUI.

Pois bem…… Aí, o poço de arrogância declara que NÃO falará sobre sua própria intimidade, sobre sua vida pessoal ?!Ora, ela cobra o Kassab para falar sobre a vida pessoal dele, mas se recusa a falar sobre a vida pessoal dela ?????

HIPÓCRITA.

No site da candidata, foi divulgada uma “nota à imprensa” – que reproduzo na íntegra:

A campanha de Marta repudia veementemente as insinuações que alguns veículos têm feito a respeito do comercial levado ao ar no domingo (13/10). A equipe de marketing, ao perguntar sobre o estado civil do candidato Gilberto Kassab, em meio a uma série de outros questionamentos, apenas defendeu o legítimo direito do eleitor conhecer,  em todos os aspectos possíveis, a história de quem se apresenta para governar a maior cidade do país.

O candidato Gilberto Kassab dedica-se, em sua campanha, a esconder sua trajetória e companhias, seus compromissos e lealdades, vendendo gato por lebre ao eleitor. Esconde sua condição de filhote do malufismo, de braço direito do ex-prefeito Celso Pitta, de integrante do partido mais conservador do país. Esforça-se para iludir os paulistanos com promessas falsas jogando para debaixo do tapete seus próprios atos como governante. Esses são os fatos que a candidata Marta desmascarou no último debate. Esses são os objetivos fundamentais que motivaram a peça publicitária ontem veiculada.

As insinuações absurdas e cínicas sobre invasão de privacidade do outro candidato são inaceitáveis. Basta lembrarmos da história de Marta, protagonista das principais lutas em defesa dos direitos da mulher e das liberdades individuais. Mais ainda: ela foi vítima constante do preconceito e da intriga, patrocinados ironicamente pelos mesmos setores que hoje apóiam Kassab.

Não haverá manobra ou invencionice que nos impeça de continuar comparando projetos e trajetórias, desmascarando os truques de marketing que tentam impedir o povo paulistano de conhecer o verdadeiro Gilberto Kassab. Esse é, repetimos, um direito inalienável dos eleitores.

A campanha quer, então, que o eleitor conheça o candidato ? Será que esta mesma campanha aceita que o eleitor conheça também a candidata ?????

1) Por que a candidata Marta Suplicy escondeu dos eleitores seu relacionamento com Luis Favre, em meio à campanha eleitoral de 2004 ?

2) Por que a candidata Marta Suplicy continua usando o sobrenome de seu ex-marido ? Por que não adotou o sobrenome do atual marido ? Quais foram os termos do divórcio ? Quando, exatamente, ele ocorreu ?

3) O marido da candidata Marta Suplicy faz o quê, exatamente ? É contratado do PT, do Duda Mendonça ou de quem ?

4) Quando a candidata era Ministra do governo federal, o seu marido trabalhava fazendo o quê ? Ganhava quanto ? O dinheiro era originário do governo federal (portanto, público) ?

5) Qual é a ligação exata do atual marido da candidata, Luis Favre, com o Foro de São Paulo ? E qual a ligação do marido da candidata Marta com a Internationalist Communist Organisation (OCI), a Trotskyist party in France (segundo descrição retirada do blog do próprio Favre, AQUI) ?

6) A candidata casou-se com o Luis Favre em comunhão de bens ?

7) A candidata é contra ou a favor do Foro de São Paulo ? Costuma participar das reuniões do “grupo” ? Com que freqüência ?

8) A candidata é contra ou a favor da punição dos membros do PT que participaram do “mensalão” ? Qual é a postura da candidata, como membro da executiva do partido ? Ela recomendaria a expulsão dos corruptos ?

9) A candidata sabe que suas propostas referentes ao Metrô são inviáveis ?

10) Se sabe, por que não se retratou ? Se não sabe, por que não buscou a informação correta ? (OBS: quem quiser, pode ver o vídeo da campanha AQUI, e ler a nota divulgada pelo Metrô, AQUI).

Aliás, o casamento com Luis Favre renderia inúmeras outras perguntas. Basta ler esta página AQUI, e me ocorrem pelo menos mais umas 50. Vou guardar para outra oportunidade, por falta de tempo. Para quem quiser uma diversão mais “arriscada”, sugiro ESTA LEITURA AQUI. É uma diversão ler as bobagens que a PTralhada escreve !!!!!

A matéria abre espaço para inúmeros outros pontos. Voltarei a eles oportunamente.

Porém, sobre estas perguntas que eu apontei, cabe registrar: a mim, pessoalmente, não interessam. Repilo Marta Suplicy (ou qualquer sobrenome que venha a adotar futuramente, não importa) devido à sua arrogância, sua incomPTência administrativa, sua hipocrisia.

Nada disso tem relação com quem ela casou, de quem divorciou-se ou afins. Tampouco me interessa a opção de vida dela ou de seus filhos, como o Supla (que idade tem ? É casado ? Tem filhos ? Ganha a vida fazendo o quê ?)

Porém, à campanha do PT, parece interessar a vida pessoal dos candidatos.

Direitos humanos – a favor dos bandidos

Complementando o post de ontem (aqui), a coluna de Elio Gaspari na Folha de São Paulo de hoje (aqui) é simplesmente um primor:

Em 2008 remunera-se o terrorista de 1968

DAQUI A OITO dias completam-se 40 anos de um episódio pouco lembrado e injustamente inconcluso. À primeira hora de 20 de março de 1968, o jovem Orlando Lovecchio Filho, de 22 anos, deixou seu carro numa garagem da avenida Paulista e tomou o caminho de casa. Uma explosão arrebentou-lhe a perna esquerda. Pegara a sobra de um atentado contra o consulado americano, praticado por terroristas da Vanguarda Popular Revolucionária. (Nem todos os militantes da VPR podem ser chamados de terroristas, mas quem punha bomba em lugar público, terrorista era.)

Lovecchio teve a perna amputada abaixo do joelho e a carreira de piloto comercial destruída. O atentado foi conduzido por Diógenes Carvalho Oliveira e pelos arquitetos Sérgio Ferro e Rodrigo Lefèvre, além de Dulce Maia e uma pessoa que não foi identificada.
A bomba do consulado americano explodiu oito dias antes do assassinato de Edson Luís de Lima Souto no restaurante do Calabouço, no Rio de Janeiro, e nove meses antes da imposição ao país do Ato Institucional nº 5. Essas referências cronológicas desamparam a teoria segundo a qual o AI-5 provocou o surgimento da esquerda armada. Até onde é possível fazer afirmações desse tipo, pode-se dizer que sem o AI-5 certamente continuaria a haver terrorismo e sem terrorismo certamente teria havido o AI-5.

O caso de Lovecchio tem outra dimensão. Passados 40 anos, ele recebe da Viúva uma pensão especial de R$ 571 mensais. Nada a ver com o Bolsa Ditadura. Para não estimular o gênero coitadinho, é bom registrar que ele reorganizou sua vida, caminha com uma prótese, é corretor e imóveis e mora em Santos com a mãe e um filho.
A vítima da bomba não teve direito ao Bolsa Ditadura, mas o bombista Diógenes teve. No dia 24 de janeiro passado, o governo concedeu-lhe uma aposentadoria de R$ 1.627 mensais, reconhecendo ainda uma dívida de R$ 400 mil de pagamentos atrasados.

Em 1968, com mestrado cubano em explosivos, Diógenes atacou dois quartéis, participou de quatro assaltos, três atentados a bomba e uma execução. Em menos de um ano, esteve na cena de três mortes, entre as quais a do capitão americano Charles Chandler, abatido quando saía de casa. Tudo isso antes do AI-5.

Diógenes foi preso em março de 1969 e um ano depois foi trocado pelo cônsul japonês, seqüestrado em São Paulo. Durante o tempo em que esteve preso, ele foi torturado pelos militares que comandavam a repressão política. Por isso foi uma vítima da ditadura, com direito a ser indenizado pelo que sofreu. Daí a atribuir suas malfeitorias a uma luta pela democracia iria enorme distância. O que ele queria era outra ditadura. Andou por Cuba, Chile, China e Coréia do Norte. Voltou ao Brasil com a anistia e tornou-se o “Diógenes do PT”. Apanhado num contubérnio do grão-petismo gaúcho com o jogo do bicho, deixou o partido em 2002.

Lovecchio, que ficou sem a perna, recebe um terço do que é pago ao cidadão que organizou a explosão que o mutilou. (Um projeto que re- vê o valor de sua pensão, de iniciativa da ex-deputada petista Mariângela Duarte, está adormecido na Câmara.)
Em 1968, antes do AI-5, morreram sete pessoas pela mão do terrorismo de esquerda. Há algo de errado na aritmética das indenizações e na álgebra que faz de Diógenes uma vítima e de Lovecchio um estorvo. Afinal, os terroristas também sonham.

Não entendi, ainda, qual o ponto de intersecção entre os “Direitos Humanos” (no Brasil, formado por um grupo de pelegos PTralhas) e a Justiça. 

Direitos humanos: servem a quem ?

Recebi por e-mail, e com certeza já circulou outras vezes.Não sei a autoria, e pode até ser “falso”.

Mas, ainda assim, é um texto curto, conquanto incrivelmante verossímil.

Carta enviada de uma mãe para uma mãe em SP, após noticiário na tv

De mãe para mãe…

Hoje vi seu enérgico protesto diante das câmeras de televisão contra a transferência do seu filho, menor infrator, das dependências da FEBEM em São Paulo para outra dependência da FEBEM no interior do Estado. Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes decorrentes daquela transferência. Vi também toda a cobertura que a mídia deu para o fato, assim como vi que não só você, mas igualmente outras mães na mesma situação, contam com o apoio de comissões, pastorais, órgãos e entidades de defesa de direitos humanos.

Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender o seu protesto. Quero com ele fazer coro. Enorme é a distância que me separa do meu filho. Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo. Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família. Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha, para mim, importante papel de amigo e conselheiro espiritual.

Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou estupidamente num assalto a uma videolocadora, onde ele, meu filho, trabalhava durante o dia para pagar os estudos à noite. No próximo domingo, quando você estiver se abraçando, beijando e fazendo carícias no seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores no seu humilde túmulo, num cemitério da periferia de São Paulo…

Ah! Ia me esquecendo: e também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranqüila, viu? Que eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá na última rebelião da Febem.

Direitos humanos são para humanos direitos!!