O Gramsci das Alagoas

Tomo a liberdade de destacar artigo de Nelson Motta publicado na Folha de São Paulo desta sexta-feira (21/09), intitulado “O Gramsci das Alagoas” (na íntegra aqui, para assinantes da Folha ou do UOL).Brilhantemente, o articulista coloca no mesmo balaio Renan Calheiros, José Dirceu e a empáfia PTista que ainda insiste no engodo de um “golpe da mídia imperialista”.

Em dado trecho: Nem mesmo um militante partidário, desde que alfabetizado, acredita que empresas comerciais concorrentes como a Folha, o “Estadão”, “O Globo”, o “Zero Hora”, a “Veja”, a TV Globo, o SBT, a CBN, a RBS e os maiores veículos de comunicação do país, que disputam ferozmente leitores, espectadores e anunciantes, juntaram suas forças em uma conspiração para destruir as reputações ilibadas dos patriotas Renan e Zé Dirceu.
Para eles, só os veículos “independentes” -que vivem de publicidade do governo e de estatais- têm isenção para noticiar e comentar o mensalão, os sanguessugas e o caso Renan. Mas o povo é ingrato e despreza tantas qualidades, poucos compram as verdades deles. Talvez a maioria absoluta dos anunciantes e da população não saiba escolher os jornais, blogs, revistas e TVs para anunciar e para se informar. Só iluminados, como Dirceu e Renan, sabem como deve ser uma mídia democrática a serviço do país e dos cidadãos. O duro é convencer as pessoas a acreditar nela. E sobretudo neles.
Se os políticos e os partidos fizessem pelos seus eleitores uma pequena parte dos serviços prestados pela mídia independente -que não precisa deles nem do governo para sobreviver-, seríamos poupados de ouvir o Gramsci das Alagoas nos dar lições de ética e democracia.

Irretocável.

E, por falar em “golpe da mídia”, o que será que anda escrevendo e dizendo a brilhante Marilena Chauí ? Não é recente, mas o imparcial e isento jornalista (sic) Paulo Henrique Amorim também deu sua contribuição para que a filósofa-mor do PT continuasse tornando pública sua condição mental pra lá de duvidosa: aqui, comentado.

E esta brilhante professora-intelectual-pseudo-marxista-socialista reforça o texto de Nelson Motta, numa entrevista concedida em 2005, ao “jornal Brasil de Fato” uma das publicações que servem às mentiras da corja criminosa do MST, Via Campesina, e assemelhados (veja detalhes aqui). Um trecho que ilustra incrivelmente bem a mentalidade tacanha e doentia da “filósofa” é a resposta à seguinte pergunta (feita pelo jornal imparcial, que não pode ser incluso no conceito PTista de “mídia golpista”, pois defende a corja PTista, quesito que serve para separar quem é golpista de quem não é): A senhora não acha que os intelectuais e ativistas de esquerda no Brasil só deveriam, como a senhora, dar declarações exclusivas aos veículos de esquerda (Brasil de Fato, Caros Amigos, entre outros)?

A pluralidade de opiniões (ou seja, a democracia, numa leitura ampla), já fica evidente na pergunta. Porém, NADA supera a resposta galopante de Marilena Chauí (outra galopante): Concordo plenamente. A partir do instante em que você tem plena consciência do jogo econômico e do jogo político que está efetivamente envolvido com os meios de comunicação – e é por isso que eu não posso perdoar as palavras do presidente da República -, e que você não tem efetivamente a constituição de um espaço público, muito menos à esquerda,
porque o que você tem é o interesse privado do mercado (…), você simplesmente aceita entrar num processo de servidão voluntária. E aceita ser um instrumento passivo como um arauto da negação do que você pensa e do que você quer. E mais do que ser instrumentalizado pelo adversário, é ser instrumentalizado na direção daquilo que você nega. É preciso aceitar que há divisão social, que há divisão de classes, e que a gente tem que tomar partido
.

A íntegra da entrevista dessa coitada, doente, patética está aqui.

Essa mulher é, ou não é, uma anta apoplética ??????? Nem anfetaminas resolvem.

INAUGURANDO A SALA

Um dia perfeito para inaugurar a SALA DA MÃE JOANA.

Poucos dias atrás, o Senado Federal foi palco de (mais) uma demonstração de que o Brasil é, definitivamente, a “Casa da Mãe Joana”. Por conta de uma liminar do STF, 13 deputados federais foram autorizados a assistir à sessão secreta do Senado que decidiu pela não-cassação do Presidente do Senado (aquele mesmo cidadão que fazia parte da “tropa de choque” do cassado Fernando Collor de Mello).
Uma verdadeira “Casa da Mãe Joana”.

Não bastasse o ridículo que vem sendo desempenhado pelo Congresso Nacional (e me refiro à Câmara, que absolveu basicamente TODOS os mensaleiros, e também ao Senado), agora somos obrigados a ver estas cenas deploráveis.

Enquanto isso, Lulla e outros membros da gangue estão passeando pela Finlândia…… Decerto seguindo à risca a sugestão mais inteligente, perspicaz e sã que a Ministra do Turismo Sexual jamais conseguir proferir em sua triste e deplorável vida: “relaxa e goza!”.

Quero aproveitar este blog para retratar pelo menos uma parte de um hábito que mantenho há alguns anos……
Interessado nos caminhos e dissabores do país, costumo disparar, via e-mail, notícias auspiciosas, patéticas, ridículas, horríveis e decreptas sobre os desmandos da política brasileira para alguns amigos. O alvo preferencial dos e-mails, obviamente, é o PT, por ser, de longe, o mais vil e desprezível entre todos os desprezíveis e vis partidos aos quais a política brasileira está entregue.

A cada declaração do “Presidente Lulla”, a cada pérola da ignorância, de cinismo e de incomPTência que cerca esta figura insólita produzida na pobreza de intelecto e espírito de um período deplorável da história do Brasil, urge uma vontade incontrolável de registrar a absurda situação de aturar um mandatário tão rélis, tão despreparado, tão torpe. Esta vontade incontrolável de disseminar a burrice – mas, ao mesmo tempo, disseminar uma informação para que futuramente (quiçá!) as pessoas abram os olhos e pensem melhor na hora de votar.
É esta vontade, este inconformismo com a existência de Martas Suplicys, Marilenas Chauís e Josés Dirceus, que me leva a disparar os e-mails (devidamente arquivados, desde 2000) para a seleta (e, surpreendentemente, receptiva) lista de destinatários das mensagens.

Aos poucos, as razões desta escolha ficarão claras. Por ora, vamos apenas sentar, confortavelmente, na Sala da Mãe Joana e assistir a mais um espetáculo grotesco, patrocinado pelos vis e desprezíveis “representantes do povo”……