Ministério do governo Dilma conclui que Pronatec é inútil

Como dizem por aí, essa notícia é de fazer cair o cu da bunda. Começo com a reportagem do Estadão (íntegra AQUI):

O Ministério da Fazenda divulgou nesta quinta-feira, 24, um relatório de avaliação sobre o Pronatec mostrando que quem fez cursos profissionalizantes no programa federal tem praticamente a mesma “probabilidade” de voltar ao mercado formal de trabalho na comparação com aquele que não passou por nenhuma qualificação na maioria dos Estados. O material, apresentado pelo secretário-adjunto de Política Econômica, Fernando Barbosa Filho, analisa o período entre outubro de 2011, quando o programa foi criado e junho de 2013. A Fazenda avaliou a situação de 160 mil pessoas que foram demitidas, se matricularam ou se pré-matricularam em cursos no Pronatec e depois conseguiram se reintegrar ao mercado de trabalho com carteira assinada.

Os resultados revelaram que não existe diferença estatística significativa entre as probabilidades de reinserção no mercado de trabalho formal entre o grupo dos inscritos que cursaram e o grupo de controle na maioria dos Estados e eixos tecnológicos“, afirma Barbosa na avaliação. “O mesmo pôde ser verificado com relação aos ganhos salariais”, concluiu. O estudo teve como foco analisar uma parte específica do programa, o Bolsa-Formação, que é executado em parceira com Ministério do Desenvolvimento Social.

A apresentação acabou gerando um problema entre a equipe econômica e os ministérios da Educação e do Desenvolvimento Social. Nesta quinta-feira, ao longo do dia, os comandos das duas Pastas tentaram convencer a Fazenda a não divulgar o documento, alegando que o material era superficial e poderia arranhar a imagem do governo. O Pronatec é uma das principais bandeiras do primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff e de sua campanha de reeleição no ano passado.

Foi em vão. Como a Fazenda insistiu em divulgar o trabalho, o ministério da Educação convocou uma entrevista coletiva conjunta das três Pastas para minimizar o estrago e escalou um integrante do Desenvolvimento Social para fazer uma defesa pública do Pronatec.

Após a fala de Barbosa, o secretário de Avaliação e Gestão da Informação do MDS, Paulo Januzzi, afirmou que é preciso avaliar o Pronatec “em diferentes contextos e regiões”. O secretário de Educação Profissional e Tecnologia, Carlos Arthur Arêas, ressaltou que o programa atinge 77% municípios brasileiros e conta com mais de 600 cursos. “Os estudos são diferentes, mas não concorrem entre si”, minimizou.

Desde que chegou ao comando da pasta da Fazenda, Joaquim Levy iniciou um pente fino em programas do governo para avaliar possíveis cortes. O primeiro alvo foi o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), programa de financiamento de curso superior. Desde o começo do ano, o programa tem sido reduzido.

Não é novidade nenhuma que Dilma Ruinsseff se elegeu e se reelegeu com campanhas mentirosas, recheadas de baixaria. A reeleição, aliás, foi a campanha mais suja e sórdida da História, configurando o maior estelionato eleitoral já registrado (tratei disso AQUI).

Mas esse fato de hoje é inusitado por várias razões. Se fosse um jornal ou revista a divulgar um levantamento que apresentasse a conclusão de que o Pronatec é inútil (na medida em que NÃO faz diferença para a recolocação profissional de quem dele participa), imediatamente diriam que é mentira, que trata-se de uma invenção da “imprensa golpista”. Enfim, aquele conjunto de desculpas esfarrapadas e burras que os militontos do PT sempre bradam.

Porém, a afirmação de que o Pronatec, na prática, é inútil e, assim, serve apenas para gastar dinheiro público sem gerar resultados efetivos, veio do Ministério da Fazenda do próprio (des)governo Dilma! Basicamente, é uma confissão da mentira.

Convenhamos que não surpreende ninguém o fiasco do Pronatec. Qualquer pessoa com QI suficiente para entender a diferença entre capim e alface já sabia. Obviamente, os que comem capim seguirão defendendo o Pronatec mesmo diante dos fatos – como a mesma reportagem do Estadão deixou claro, ao citar a fala do Sr. Paulo Januzzi, que escolheu falar coisas que não têm RIGOROSAMENTE NENHUMA relação com as conclusões do levantamento apresentado pelo Ministério da Fazenda. O mesmo vale para seu colega, Sr. Carlos Arthut Arêas.

Repare lá, caro leitor, que ao vomitar o papo furado de “contextos e regiões” e mencionar “mais de 600 cursos” ou “atinge 77% dos municípios brasileiros”, os ilustres senhores que tentavam defender o fracasso mostraram que não tinham nenhum argumento realmente útil e factualmente crível para contestar o fiasco.

As falas dos senhores Januzzi e Arêas, aliás, são tão absurdas que sequer podemos dizer que elas estão erradas ou certas – elas simplesmente não têm NENHUMA RELAÇÃO COM A DISCUSSÃO.

É mais ou menos como o sujeito que ouve “Puxa, que dia lindo, limpo, Sol brilhando! Parece que não vai chover hoje” e responde “Num triângulo retângulo, a soma dos quadrados dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa“. Olha, o Teorema de Pitágoras em si está correto, mas o assunto era o dia lindo e ensolarado, não a trigonometria!

Dizer que o sujeito saiu pela tangente não seria apenas um trocadilho infame após a referência trigonométrica, seria impreciso: os ilustres senhores fizeram como a chefa deles e deram declarações desparatadas, sem nenhuma lógica, totalmente desprovidas de nexo.

Como de costume, parabéns aos envolvidos! Provam, mais uma vez, que é preciso ser muito desqualificado intelectual e moralmente pra aceitar fazer parte deste desgoverno patético.

2015-09-23 20.28.25

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s