Debate qualificado demanda bons argumentos

A afirmação é óbvia: para se promover um debate de bom nível, qualificado, é preciso que haja bons argumentos. Todavia, no Brasil, isso nem sempre (ou quase nunca) é levado em consideração.

Ainda que com certo atraso, vi há pouco, na GloboNews, um debate sobre o desarmamento no Brasil. Eis aqui a íntegra do programa (espero que o YouTube não o tire do ar):

Temos ali uma demonstração explícita de que faltam bons argumentos para os que defendem o estatuto do desarmamento no Brasil.

A Dra. Selma Sauerbronn, vice-procuradora geral do MPF do Distrito Federal e professora de Direito, passou vergonha. Seus fraquíssimos argumentos seriam desmontados com grande facilidade por uma criança inteligente – um adulto inteligente “nadaria de braçadas”. Foi exatamente o que fez o Prof. Benê Barbosa.

Por exemplo: logo no começo (por volta de 1 minuto e 35) ela cita UM exemplo de um sujeito que usou uma arma (“escopeta”, segundo a doutora) para dizer que o povo brasileiro e os latinos “no geral” são muito “passionais” (um breve parêntesis: Minha senhora, não confunda passionalidade com tendência homicida!), e facilitar a obtenção legal da arma aumentaria a violência.

De toda sorte, um pouco depois (5 minutos e 10), o Alexandre Garcia citou o exemplo de uma senhora idosa do Sul do Brasil que reagiu a um assalto e salvou-se graças ao fato de ter um revólver velho em casa – e o bandido levou a pior, felizmente. E diante deste exemplo, qual o “argumento” da Dra. Selma? Ela diz que “nós não podemos estar buscando se posicionar acerca de tamanha alteração legislativa a partir de um único caso” (vou me abster de comentar o gerundismo de telemarketing de uma PROFESSORA).

Mas, minha senhora, com todo o respeito, a senhora começou o debate citando exatamente um único caso para sustentar seu argumento de que o cidadão não pode possuir arma porque o brasileiro é passional e acabaria atirando com uma escopeta no dono da oficina mecânica!

Este foi apenas um dos diversos exemplos. Ao longo dos cerca de 20 minutos a Dra. Selma acabou levando uma surra de dados. O pior é que ela hesitou: num momento ela dizia uma coisa, e quando confrontada com um questionamento, retrocedia no próprio argumento. Ela passou vergonha o tempo todo.

Esse baixo nível do dabate (e a mulher é professora!!!!) é generalizado no Brasil.

Infelizmente.

Mas, no meio tempo, a internet está cheia de EXCELENTES argumentos, não é, ex-ministra?!

2015-04-14 16.19.29

E os MAV’s do PT, então?! São os reis dos argumentos:

HumansofPT_2015-Apr-14

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s