Resultados da Petrobras do 1o tri de 2013 confirmam gestão temerária

Complementando o que eu já havia escrito AQUI, ontem foram divulgados alguns resultados financeiros e operacionais da Petrobras, referentes ao 1o trimestre de 2013.

Primeiro, a notícia (publicada no jornal O Globo) na íntegra, com grifos meus. Eu comento depois.

A Petrobras fechou o primeiro trimestre de 2013 com um lucro líquido de R$ 7,693 bilhões, queda de 17% em relação ao mesmo período do ano passado, quando registrou ganho de R$ 9,214 bilhões, segundo balanço divulgado na noite desta sexta-feira pela empresa. Em relação ao quarto trimestre de 2012, quando a estatal registrou ganho de R$ 7,747 bilhões, o recuo foi de 1%.

De acordo com o balanço, a produção total de óleo e gás natural foi de 2,552 milhões de barris/dia no primeiro trimestre, queda de 5% frente à produção registrada no mesmo período de 2012, quando a Petrobras produziu 2,676 milhões de barris/dia. Em relação ao quarto trimestre (2,614 milhões de barris/dia), houve recuo de 2%.

Segundo Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), que é especialista no setor, é a maior queda de produção já registrada num trimestre na história da Petrobras. Já o lucro líquido ficou acima da média do projetado por analistas, que era de R$ 6,5 bilhões. As estimativas variavam de R$ 3,8 bilhões a R$ 8 bilhões.

A geração de caixa (Ebitda, lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações) totalizou R$ 16,231 bilhões, resultado 1,76% menor que os R$ 16,521 bilhões do primeiro trimestre de 2012. Os analistas esperavam que o número ficasse entre R$ 12 bilhões e R$ 17 bilhões.

Por sua vez, a receita de vendas foi de R$ 72,535 bilhões nos três primeiros meses do ano, o que corresponde a alta de 10% sobre os três primeiros meses de 2012, quando atingiu R$ 66,134 bilhões. Sobre o quarto trimestre, a queda foi de 1%. Neste caso, a expectativa dos analistas é de que ficasse entre R$ 69 bilhões e R$ 74 bilhões.

Já o resultado líquido financeiro da estatal ficou em R$ 1,390 bilhão entre janeiro a março de 2013, em relação aos R$ 465 milhões do primeiro trimestre de 2012.

O valor de mercado fechou o primeiro trimestre em R$ 228,203 bilhões, número 27% menor que o do mesmo período de 2012 (R$ 311,659 bilhões).

Segundo a empresa, os reajustes de 5,4% para o diesel e de 6,6% para a gasolina, em 30 de janeiro, e o novo aumento de 5% para o diesel em 6 de março contribuíram para a redução da defasagem dos derivados vendidos no Brasil em relação ao mercado internacional. A estatal informa ainda que a produção de óleo diminuiu devido ao maior número de paradas e ao declínio natural da produção dos campos, que foi parcialmente compensado pelo crescimento de produção proporcionado pelos novos sistemas.

No balanço, a Petrobras também afirma que a redução do lucro líquido refletiu, além do menor volume de produção, o aumento dos custos com depreciação, com pessoal, afretamento de plataformas, manutenção e intervenção de poços e de despesas com geologia e geofísica.

De acordo com a empresa, os reajustes nos preços de diesel e de gasolina no mercado interno e os impactos cambiais sobre os preços dos derivados atrelados ao mercado internacional, parcialmente compensados pelos maiores custos com aquisição e transferência de petróleo, foram fatores essenciais para que o prejuízo não fosse maior.

Resumindo: a receita de vendas teve AUMENTO (10% em relação ao ano anterior), mas o valor de mercado da empresa CAIU 27%, a produção CAIU 5% e o lucro líquido CAIU 17%.

Evidentemente cada setor econômico tem suas pecualiaridades, e o setor de petróleo não é diferente.
Porém, quando uma empresa apresenta resultados nesta direção (aumento da receita de vendas e queda dos demais indicadores), é evidente que há problemas na gestão. Isso independe do setor.

O maior problema da Petrobras se chama Partido dos Trabalhadores.
O PT abarrotou a estatal de gente sem nenhuma capacidade administrativa, gente sem um pingo de visão de mercado, só para dar emprego (e renda!) a aliados, amigos e afins.

A empresa? A empresa que se dane – afinal, ela não é de ninguém, né?!
O Brasil tem essa característica peculiar: as pessoas, na média, acham que tudo aquilo que é “público” não pertence a ninguém.
Errado!
O que é público pertence a todos, e portanto todos deveriam zelar pelos bens públicos.

Todavia, empresas estatais têm uma característica interessante: quando elas dão lucros, nenhum cidadão/contribuinte/pagador de impostos recebe dividendos ou distribuição de lucros.
Mas quando elas dão prejuízo, aí todos pagamos.

Como se não bastasse, a Petrobras é monopolista – ou seja, não há concorrentes. Então, o consumidor dos produtos da Petrobras não tem outra alternativa que não pagar qualquer que seja o preço que ela queira cobrar – aliás, quem determina isso, na prática, é o governo federal, do alto de sua incomPTência gerencial.

Finalmente, não custa lembrar o seguinte: o PT usa a Petrobras para fazer politicagem rasteirinha. A empresa está prestes a entrar numa roubada: ajudar o grupo EBX, do Eike Batista, que está numa espiral de prejuízos e péssimos resultados. A notícia está AQUI.

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s