Os 100 maiores livros não ficcionais

O suplemento “Livros”, do jornal inglês “The Guardian”, publicou uma lista dos 100 maiores livros não ficcionais já escritos. A lista, que gerou uma grande polêmica, foi dividida em 17 categorias: arte, biografia, cultura, meio ambiente, história, jornalismo, literatura, matemática, memórias, mente, música, filosofia, política, religião, ciências, sociedade e viagens.

Livros das últimas décadas como “Notícia de um Sequestro”, de Gabriel García Márquez, “Pós-Guerra”, de Tony Judt, “Os Anéis de Saturno”, de W.G. Sebald, “Uma Breve História do Tempo”, de Stephen Hawking, dividem a lista com clássicos literários dos últimos séculos como “As Histórias”, de Heródoto, “Assim falou Zaratustra”, de Friedrich Nietzsche, “Os Ensaios” de Michel de Montaigne, “Confissões” de Jean-Jacques Rousseau e “Elogio da Loucura”, de Erasmo.

O site do jornal também disponibilizou um formulário para que os leitores que discordarem do resultado possam apontar livros que ficaram fora lista. Como em qualquer lista, o resultado pode até ser questionável, mas não menos divertido.

Para acessar: http://www.guardian.co.uk/books/2011/jun/14/100-greatest-non-fiction-books

Michel Eyquem de Montaigne (Saint-Michel-de-Montaigne, 28 de fevereiro de 1533 — Saint-Michel-de-Montaigne, 13 de setembro de 1592) foi um escritor e ensaista francês, considerado por muitos como o inventor do ensaio pessoal. Nas suas obras e, mais especificamente nos seus “Ensaios”, analisou as instituições, as opiniões e os costumes, debruçando-se sobre os dogmas da sua época e tomando a generalidade da humanidade como objecto de estudo. É considerado um céptico e humanista.

Montaigne começou a sua educação com o seu pai. Este tinha um espírito por um lado vigilante e metódico e por outro aberto às novidades. Após estes estudos enveredou pelo Direito. Exerceu a função de magistrado primeiro em Périgoux (de 1554 a 1570) depois em Bordéus onde travou profunda amizade com La Boetie.

Retirou-se para o seu castelo quando tinha 34 anos para se dedicar ao estudo e à reflexão. Levou nove anos para redigir os dois primeiros livros dos Essais. Depois viajou por toda a Europa durante dois anos (1580-1581). Faz o relato desta viagem no livro Journal de Voyage, que só foi publicado pela primeira vez em 1774.

Foi presidente da Câmara em Bordéus durante quatro anos. Depois, regressou ao seu castelo e continuou a corrigir e a escrever os Essais, tendo em vista o estilo parisiense de exposição doutrinária. Os seus Ensaios compreendem três volumes (três livros). Os seus Ensaios vieram a público em três versões: Os dois primeiros em 1580 e 1588. Na edição de 1588, aparece o terceiro volume. Em 1595, publica-se uma edição póstuma destes três livros com novos acréscimos.

Os Essais são um autorretrato. O autorretrato de um homem, mais do que o autorretrato do filósofo. Montaigne apresenta-se-nos em toda a sua complexidade e variedade humanas. Procura também encontrar em si o que é singular. Mas ao fazer esse estudo de auto-observação acabou por observar também o Homem no seu todo. Por isso, não nos é de espantar que neles ocorram reflexões tanto sobre os temas mais clássicos e elevados ao lado de pensamentos sobre a flatulência. Montaigne é assim um livre pensador, é um pensador sobre o Humano, sobre as suas diversidades e características. E é um pensador que se dedica aos temas que mais lhe apetecem, vai pensando ao sabor dos seus interesses e caprichos.

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s