Superávit, déficit e exportações

Ao abrir a página inicial do portal UOL, duas notícias me chamaram a atenção. Ambas podem ajudar a complementar um post anterior, que tratava de alguns aspectos auspiciosos da atual situação do Brasil (aqui).

A primeira notícia trata do superávit primário do Brasil (na íntegra, aqui). Destaco alguns trechos:

A economia do país para o pagamento de juros (o chamado superávit primário) somou R$ 101,606 bilhões em 2007. Segundo o Banco Central, é o maior valor já registrado desde 1991, quando o levantamento começou a ser feito. O montante superou a meta, que era de R$ 95,9 bilhões, e correspondeu a 3,98% do PIB (Produto Interno Bruto).
Em dezembro, os gastos públicos superaram a arrecadação, de modo que houve um déficit de R$ 11,78 bilhões, o maior já registrado pelo BC. O número é 82,6% maior que os R$ 6,453 bilhões registrados em dezembro de 2006.
O superávit primário tem um lado positivo, que é economizar dinheiro para pagar as dívidas, mas também tem um aspecto ruim: os governos tendem a investir menos e a elevar a carga tributária.
Apesar de o esforço para pagar os juros em 2007 ter sido o maior já registrado, não foi suficiente para fazer a dívida pública líquida cair. Ela aumentou de R$ 1,067 trilhão em dezembro de 2006 para R$ 1,150 trilhão no mesmo mês do ano passado. Isso ocorre porque ainda há o chamado déficit nominal, ou seja, o dinheiro economizado não foi suficiente para pagar a totalidade dos juros, que somaram R$ 159,5 bilhões. Assim, as contas públicas fecharam o ano com um resultado nominal negativo de R$ 57,926 bilhões, equivalente a 2,27% do Produto Interno Bruto.

Fica claro, portanto, que não há tanta diferença entre os erros cometidos no mandato FHC e os erros cometidos atualmente, no mandato de Rei Mulla. O que mais chama a atenção, aliás, é que o PT sempre criticou o tal do “superávit primário” – mas não apenas continua adotando como vem elevando o montante…..

Será que isso é “apenas” um indicativo da demagogia que o PT sempre adotou quando oposição ou indica também uma completa falta de propostas alternativas ?! Será que não existe no “quadro” do PT ninguém suficientemente competente para propôr caminhos diferentes daqueles já adotados por FHC – que, em muitos casos, seguem a receita clássica sugerida pelo FMI ?!

Além disso, em muitos aspectos a situação fica pior – como, por exemplo, para os pecuaristas brasileiros (na íntegra, aqui):

Nenhuma propriedade agrícola brasileira possui no momento autorização para fornecer bois para exportação de carne à União Européia, o que deverá fazer com que as vendas sejam interrompidas a partir de 31 de janeiro, quando entram em vigor novas regras européias.
Como houve uma discordância entre os governos brasileiro e europeu sobre o número de fazendas liberadas para exportar à UE, nenhuma propriedade conseguiu autorização sob as novas regras, válidas a partir de quinta-feira, disse um integrante da Comissão Européia nesta quarta-feira.
Apenas cerca de 300 propriedades brasileiras, ou 3% das fazendas, deveriam receber permissões para exportar aos 27 países integrantes do bloco europeu, segundo interpretação do comissário de Saúde do bloco, Markos Kyprianou, mas o Brasil enviou uma lista com um número maior de unidades consideradas habilitadas (2.600).
As restrições impostas pela UE foram anunciadas depois de uma delegação européia ter encontrado, de acordo com o bloco, irregularidades no sistema sanitário e de rastreabilidade do Brasil, no ano passado. Além disso, as limitações seguem um forte lobby feito por fazendeiros do bloco, principalmente irlandeses, que afirmam estar sendo prejudicados pelas exportações brasileiras.
Para o analista Fabiano Tito Rosa, da Scot Consultoria, a posição da UE, “na prática, paralisa as exportações de carne in natura do Brasil para lá”, a partir de 31 de janeiro. As exportações de carne industrializadas estão fora das restrições, uma vez que o vírus da febre aftosa é eliminado no processo de industrialização.
Em 2007, o Brasil exportou 2,53 milhões de toneladas (equivalente carcaça) de carne bovina para todos os destinos, obtendo com essas vendas externas US$ 4,42 bilhões. Segundo a Abiec, entidade que representa os exportadores de carne bovina do Brasil, as exportações de carne bovina para a UE somaram 543,5 mil toneladas (21% do total), o equivalente a US$ 1,4 bilhão (32%). De acordo com o analista, os países integrantes do bloco europeu respondem pela maior parte da receita obtida com as exportações por pagarem um preço mais elevado pelo produto brasileiro.

Cabe lembrar que o Brasil já foi o maior exportador mundial de carne bovina – mas agora, com estas restrições, possivelmente perderá o posto……..

3 comentários sobre “Superávit, déficit e exportações

  1. liege 13 de novembro de 2008 / 10:37

    otimo!
    mas naum precisava “criticar” o presidente…
    chama-lo de”mulla” nao é correto….

  2. liege 13 de novembro de 2008 / 10:40

    otimo!
    mas naum precisava “criticar” o presidente…
    chama-lo de”mulla” nao é correto….
    epa!o Brasil ja foi o maior exportador de carne “boniva”?se quis dizer carne “bovina”…..

  3. Carlos Munhoz 13 de novembro de 2008 / 16:00

    Sim, Liege, você está correta:

    1) Chamar o presidente de “mulla” não é correto. Afinal, as mulas são animais bonzinhos, simpáticos – para que ofendê-las, né ?! Compará-las a esta figura asquerosa do Lulla é sacanagem para com os animais (as mulas, não o Lulla);

    2) Realmente, erro de digitação meu: BOVINA e não BONIVA. Vou corrigir o post. Obrigado pelo aviso !

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s