Quem acreditou que a Copa traria ganhos enormes para os negócios foi humilhado por mais de 7 a 1

Eu estou acompanhando os impactos econômicos da Copa, e até o momento os ignorantes que apenas puxam o saco do PT estão sendo goleados e humilhados por margem bem maior do que 7 a 1.

Começo por algumas “previsões” ou “análises” de alguém incrivelmente inteligente, perspicaz mesmo:

BdpRJ9XCIAAmBEe.png-large

Conforme eu havia demonstrado AQUI e AQUI, houve muitas previsões sobre os ganhos econômicos e financeiros que a realização da Copa no Brasil traria ao país. Os número foram os mais variados.

A Odebrecht e o Corinthians usaram um “estudo” da Accenture que afirmava que a cidade de São Paulo teria ganhos de R$ 30 bilhões. Atenção: apenas a cidade de São Paulo. Eu tratei desse “estudo” da Accenture, em detalhes, em 11 de Julho de 2011, AQUI. Na época, eu escrevi o seguinte: “Convenhamos, senhoras e senhores: as cifras divulgadas são o cúmulo da utopia elevada à décima potência. Não existe NENHUMA, repito, NENHUMA chance de os valores reais chegarem nestes, citados.

E hoje leio no Estadão isso aqui (clique na imagem para ampliar):

2014-07-09 03.57.09
Mas não é só isso, não. Tem mais:

Cidades-sede deixam a Copa com ganho menor que o esperado
A Copa do Mundo passa de sua metade sem os grandes problemas anunciados, mas também sem os ganhos para quem planejava lucrar.
Esse é o balanço nas quatro cidades-sede que se despediram do torneio na semana passada e não receberão mais jogos do Mundial. Curitiba, Manaus, Natal e Cuiabá comemoram a visibilidade alcançada e o “clima de Copa” da interação entre locais e turistas. Mas a corrente de recursos não veio.
“Foi o pior mês em 15 anos. Duas semanas praticamente sem passeio. Porque o torcedor veio ver o jogo, sair para beber e fazer festa”, reclama Luciano Amaral, 48, o “Pepeu do Buggy”, conhecido como “bugueiro da Fifa” após apresentar, em vídeo da entidade, as atrações de Natal.
O setor hoteleiro, força da economia local, também não fechou a conta, apesar do aporte de norte-americanos (22 mil), mexicanos (12 a 15 mil) e uruguaios (11 a 12 mil). “Queríamos 80% [de ocupação dos leitos] e chegamos a 70%”, disse Habib Chalita, da associação de hotéis.
Cuiabá também ficou no prejuízo nesse setor. “Vieram muitos mochileiros com dinheiro contado. Dormiam em qualquer lugar ou pagavam só uma diária”, disse Luiz Verdum, do sindicato de hotéis, bares e restaurantes.
Em Curitiba, o setor de serviços se saiu um pouco melhor –a ocupação de leitos ficou acima do previsto, bares elevaram o faturamento em 30%, e restaurantes, em 15%. “O retorno de quem investiu vai demorar um pouco mais”, disse Marcelo Pereira, da associação de bares e restaurantes do Estado. “Não foi ruim, mas poderia ter sido um pouco melhor.”
Moradores de Manaus esperam atrair mais turistas após a “descoberta” da cidade por brasileiros e gringos. Na prática, contudo, poucos ramos da economia local comemoram os resultados dos quatro jogos na cidade. Bares e restaurantes, por exemplo, calcularam uma queda de 10% no movimento em relação ao mesmo período do ano passado. “A Copa só foi boa para pontos turísticos e lugares consagrados. Restaurantes trabalharam por três anos para se qualificar e tiveram queda nas vendas”, lamenta Janete Fernandes, da associação do setor no Estado.
O tempo reduzido de permanência dos turistas foi uma das grandes queixas. A ocupação chegou a alcançar 93% nas partidas entre Itália x Inglaterra e EUA x Portugal –na sexta (27), era de 15%.

Calma, não acabou ainda:

Não são poucos os cronistas esportivos (entre profissionais e amadores) que já apontam essa como a Copa das Copas. Mas, para alguns negócios, a agenda de jogos e toda a expectativa em torno do Mundial não têm sido tão favoráveis. Comerciantes registram movimento baixo e até prejuízo.
Na Rua 25 de Março, no centro de São Paulo, a loja de bijuterias Cindy viu o movimento cair em cerca de 40%, segundo a encarregada, Roseli Morganti, de 38 anos. “Temos clientes de outros Estados que acabam não vindo. Ainda temos de liberar os funcionários nos jogos do Brasil, é mais prejuízo”, explica Roseli. “Vi poucos turistas por aqui. Para nós, a Copa não ajudou nada.”
Na última partida do Brasil, que foi no sábado, às 13 horas, praticamente todas as lojas ficaram fechadas. “O sábado é o dia de maior movimento para nós, então já viu o que significa isso”, diz Raul dos Santos, dono de uma loja de brinquedos na Rua Carlos de Souza Nazaré, na mesma região.
Para piorar, a venda de artigos verde-amarelos só começou a decolar após o início dos jogos. “Estava mais fraco do que o esperado, mas agora estamos vendendo bem, até as camisas dos outros países têm saído”, disse o vendedor ambulante Roberval Pereira Silva, de 40 anos.
O economista Marcel Solimeo, superintendente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), afirma que os setores beneficiados pela Copa são os de bebidas, carnes, supermercados e de produtos diretamente relacionados aos jogos – “até pipoca”. “Todos os outros são prejudicados. O comércio só vende quando está aberto e tem clientes. Com a Copa, muitos fecham as portas e o dia de vendas é reduzido.”
Mas até quem está incluído no ramo beneficiado sentiu queda no consumo. No Mercado da Lapa, na zona oeste de São Paulo, nem a decoração com faixas verde-amarelas resultou em um efeito nos caixas. Em uma votação, os lojistas decidiram não abrir no último sábado. “Diminuiu bem o movimento. Já estou até torcendo para que o Brasil caia e as coisas voltem ao normal”, diz a comerciante Roberta Agostine, dona de um box de alimentos.
Mesmo vendendo produtos essenciais, como materiais de limpeza, Ronan Valentim de Castro, de 32 anos, prevê prejuízo neste período. “As pessoas adiam tudo, todo evento impacta. Com futebol, as pessoas esquecem tudo.”
 Solimeo, da ACSP, lembra que todas as Copas têm a característica de paralisar a comercialização de produtos e serviços na hora dos jogos, mas a de 2014 tem um impacto diferente. “Não é só nos dias de jogos do Brasil. Quando há jogo aqui em São Paulo, há aumento do rodízio, o que também atrapalha.”
No Jardim Anália Franco, bairro nobre da zona leste, a escola de música Lado B fez promoções para a Copa e uniforme canarinho para a equipe. Mas, segundo a coordenadora Claudia Ferreira, de 41 anos, houve uma queda “brutal” nas matrículas. “Entre maio e junho, caiu 30% a procura por aulas. Só trabalhamos normalmente na primeira semana, depois foi muito devagar.”
A escola ainda sente os reflexos dos dias de jogos do Brasil, porque precisa liberar os funcionários – mas as aulas têm de ser repostas
. Ainda houve quem preferisse trancar a matrícula. “Alguns já voltaram. Perceberam que sem música a Copa fica mais chata”, brinca. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Para compensar as más notícias agora (íntegra AQUI):

Os gastos com a Copa do Mundo terão um impacto insignificante sobre a economia brasileira, apesar da percepção popular de que o torneio custa muito caro ao país, afirma estudo desenvolvido pela Moody’s. A competição vai gerar apenas 0,4% do crescimento do PIB no período de dez anos e os gastos com infraestrutura representam apenas 0,7% do total de investimentos previstos para o período entre 2010 e 2014.
– A economia brasileira é muito grande, então, por causa da curta duração da Copa do Mundo e porque os investimentos são concentrados em algumas cidades e estados, o impacto não é tão grande – afirmou Barbara Mattos, analista da agência, em entrevista ao “Financial Times”.
Entretanto, o governo tem destacado os ganhos econômicos gerados pela realização da Copa, com a promessa de criação de 3,6 milhões de postos de trabalho, numa tentativa de vender os benefícios de sediar o evento para um público cada vez mais cético
. Mas o descontentamento da população com a qualidade dos serviços públicos alimentou protestos no ano passado, durante a Copa das Confederações.
O relatório da Moody’s serve como um lembrete para governos e eleitores de grandes economias para não exacerbar as expectativas sobre a realização de grandes eventos esportivos. No ano passado, o ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, listou uma série de benefícios esperados da Copa do Mundo, incluindo o investimento de R$ 28 bilhões em transportes urbanos, portos, aeroportos, estádios e infraestrutura turística.
Citando estudo da Ernst & Young, o ministro disse à época que a competição movimentaria outros R$ 112 bilhões entre 2010 e 2014, mas admitiu que parte dos projetos de infraestrutura já estava incluída no Plano de Aceleração do Crescimento.

O problema do estudo da Moody’s é que não estão inclusas despesas de manutenção e custeio dos elefantes brancos, os estádios enormes que a partir de agora não terão mais uso. Além disso, ficaram de fora, por razões óbvias, o custo com propinas e a própria construção dos estádiosque o PT insiste em dizer que não é dinheiro público, mas é. Quem conhece o mínimo sobre o funcionamento da máquina estatal no Brasil sabe que, graças às propinas, desvios e corrupção no geral qualquer obra custa pelo menos 3 vezes o “valor oficial”.

A Copa ainda não acabou. Faltam alguns dias para o encerramento. Depois disso, ainda vai levar algum tempo para que todos os setores possam fazer suas avaliações sobre os ganhos e perdas ocorridos graças ao evento. Ao longo do mês de Julho devem começar a ser divulgados alguns destes resultados. Eu estarei acompanhando.

Alguns setores econômicos certamente estão felizes, e reportarão bons números. Entretanto, a maioria vai amargar números ruins. Quem não tiver prejuízo ou queda nas vendas/produção deve ficar satisfeito. A indústria, por exemplo, precisará de mais tempo para calcular as perdas não apenas com queda nas vendas, mas com dias não trabalhados. Sim, há diversos fatores a serem ponderados.

Contudo, o que já posso afirmar com total certeza, tendo lastro em dados concretos, é que aqueles que apostavam que a Copa seria um sucesso sob o ponto de vista da economia e dos negócios foi mais humilhado do que a Seleção brasileira no 7 a 1. Neste momento, de bate pronto, não me recordo alguém que tenha sido tão humilhado quanto a FGV, que divulgou (em parceria com a Ernest & Young) um “estudo” ridículo, chinfrim mesmo, no qual apontava ganhos da ordem de mais de R$ 140 bilhões com a Copa – e obviamente este fiasco, ops, “estudo” foi amplamente usado por ignorantes nas redes sociais, os MAVs sem cérebro:

Firefox 9

O fiasco da FGV, digo, o estudo da FGV, está AQUIQuem quiser rir, pode ler.

Depois de ler, sugiro ao leitor que fique imaginando a expressão facial de quem assinou este fiasco, ops, estudo…

Burro

Esse fiasco, digo, estudo da FGV foi amplamente divulgado pelos costumeiros baba-ovo do PT nas redes sociais, e os otários de sempre acreditaram. Estas amebas têm na Dilma o governante e o QI que merecem.
Todos eles, porém, são humilhados pela verdade e pelos fatos – e não apenas por 7 a 1, mas por margem muito maior!

Safari 4

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s