Patrocinar crimes é bom para a imagem de empresas?

Patrocínio a eventos diversos e atividades culturais é uma das ferramentas do composto de promoção & comunicação do bom e velho mix de Marketing, os 4 P’s. Nenhuma novidade nisso.

No Brasil, todavia, vem acontecendo (há alguns anos) algo diferente neste campo. Algumas empresas estão patrocinado CRIMES.

Essa é uma estratégia de promoção inteligente?

Patrocinar crimes e terrorismo gera bons resultados? Empresas que financiam terroristas vendem mais?

A estratégia de branding (gestão de marcas) deve incluir o financiamento de crimes? Marcas associadas a assassinatos são mais lembradas pelos consumidores? Marcas que patrocinam sequestros têm maior mind-share?

Vamos a alguns fatos:

Sempre que podem, os ditos “sem-terra” reclamam publicamente da presidente Dilma Rousseff porque ela, corretamente, desapropriou menos terras para a reforma agrária do que Fernando Henrique Cardoso. Mas eles se queixam de barriga cheia: o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), faça o que fizer, destrua o que destruir, será sempre beneficiado pelo governo petista com generosas verbas públicas – que garantem sua sobrevida como “movimento social”, mesmo que não haja mais a menor justificativa para sua existência, a não ser como caso de polícia.

Segundo revelou o Estado, uma entidade ligada ao MST recebeu dinheiro da Petrobrás, da Caixa Econômica Federal, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para realizar um congresso de sem-terra – e foi nesse evento, em Brasília, no último dia 12/2, que o MST reafirmou sua verdadeira natureza: criminosa e hostil às instituições democráticas.

Milhares de militantes atacaram policiais que tentavam impedi-los de invadir o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal. O saldo de feridos deu a exata medida do ânimo violento dos manifestantes: 30 policiais (8 em estado grave) e apenas 2 sem-terra.

Os militantes lá estavam para cobrar de Dilma que acelerasse a reforma agrária, mas o protesto incluiu críticas ao julgamento do mensalão, ao uso de agrotóxicos e à espionagem americana. No balaio do grupo que diz defender desde a estatização completa do sistema produtivo nacional até a “democratização da comunicação” cabe tudo. Foi essa impostura que recebeu farto financiamento do governo para uma manifestação que, como era previsível, degenerou em quebra-quebra.

A injeção de dinheiro público no MST e em outras entidades de sem-terra que se envolvem em banditismo e ameaças ao Estado de Direito não é novidade. Em 2006, cerca de 500 desses militantes invadiram a Câmara dos Deputados, sob o comando de um petista histórico, Bruno Maranhão, dono de uma entidade que recebera R$ 2,2 milhões para “capacitação” de assentados. Segundo o Tribunal de Contas da União, esse dinheiro simplesmente sumiu.

Três anos mais tarde, o MST invadiu, depredou e saqueou a Fazenda Santo Henrique, da empresa Cutrale, em Borebi (SP). Naquela ocasião, os repasses de verbas públicas para o grupo e seus associados haviam chegado a R$ 115 milhões em cinco anos. Só no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o aumento fora de 315% em relação ao governo anterior. E o MST ainda tentou engordar o caixa vendendo produtos que seus militantes roubaram da Cutrale.

É esse histórico de leniência e de cumplicidade que explica por que a estatal de petróleo e dois dos principais bancos federais de fomento continuaram a bancar esses desordeiros sem nenhum constrangimento. No presente caso, a Petrobrás deu R$ 650 mil, a Caixa pagou R$ 200 mil e o BNDES contribuiu com outros R$ 350 mil para um convescote intitulado “Mostra Nacional de Cultura Camponesa”, organizado por uma certa Associação Brasil Popular (Abrapo), ligada ao MST, e que foi o principal evento do congresso de sem-terra. Já o Incra bancou, com R$ 448 mil, a estrutura da Feira Nacional de Reforma Agrária. Em nenhum caso houve licitação.

Tanto a Caixa como o BNDES argumentaram que o patrocínio tinha como objetivo ampliar sua visibilidade no setor agrícola. A Caixa, por exemplo, informou que o evento “valoriza a população campesina brasileira e oferece oportunidade de intercambiar conhecimentos e culturas do País”. Já a Petrobrás considera que o congresso “alinha-se ao programa Petrobrás Socioambiental na linha dedicada à produção inclusiva e sustentável”. A estatal está tão animada com os sem-terra que vai financiar a produção de CDs do MST com “canções infantis no meio rural”.

Nenhuma das empresas comentou sobre os possíveis danos à sua imagem por causa dos tumultos do dia 12. Mas o governo não parece muito preocupado. No dia seguinte aos atos de selvageria, como se sabe, os vândalos foram recebidos pela presidente Dilma em pessoa.

Reproduzi acima o editorial do Estadão de hoje (aqui). Uma ilustração para complementar:

reforma_agraria_governos_600

Apenas um rápido parêntesis: observando a ilustração acima, é possível perceber que, a despeito do discurso mentiroso repetido à exaustão, Lulla e Dilma fizeram menos pela reforma agrária do que FHC, em termos de desapropriação. Ao invés disso, a partir de 2003 o grupo terrorista MST passou a receber MUITO dinheiro para financiar suas atividades criminosas, que incluem uma escola destinada a fazer lavagem cerebral em crianças, incutindo-lhes as bobagens do comunismo “de raiz” na cabeça em formação de jovens sem nenhum amparo moral e/ou intelectual capaz de repelir esta lobotomia. E cabe enfatizar: isso acontece inclusive graças a dinheiro dado pelo governo. Leia detalhes (capazes de deixar qualquer pessoa minimamente inteligente e com algum escrúpulo de cabelos em pé) aqui, aqui, aqui, aqui e aqui. Fim do parêntesis.

Empresas ESTATAIS destinam verbas PÚBLICAS para o financiamento de um grupo criminoso que, num país sério, seria chamado pelo que é: grupo terrorista. Um grupo que comete crimes com o objetivo de forçar a sociedade a fazer aquilo que ele quer, ainda que à revelia da lei. Isso não é uma boa definição de terrorismo? Vejamos então como o FBI define terrorismo:

  1. Involve acts dangerous to human life that violate federal or state law;
  2. Appear intended (i) to intimidate or coerce a civilian population; (ii) to influence the policy of a government by intimidation or coercion; or (iii) to affect the conduct of a government by mass destruction, assassination. or kidnapping; and
  3. Occur primarily within the territorial jurisdiction of the U.S.

Essa é a definição do MST: promove atos perigosos para a vida humana que violam leias federais e/ou estaduais; tem a intenção de intimidar ou coagir a população civil, influenciar a política de governo através de coação, afetar a condução de um governo através de destruição massiva, assassinato e/ou sequestro; e ocorre prioritariamente dentro do território do país.

Imagine, caro leitor, a marca (logotipo) da Petrobras ou do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal neste cartaz abaixo:

2014-02-13 12.16.26

Ficaria ótimo, não?

Este cartaz era um dos que se viram na tal manifestação de 12/02/2014 que acabou ferindo mais de 30 policiais que tentavam evitar que os “militantes” invadissem o STF.

Que empresa quer colocar sua marca num cartaz que pede o fim da Constituição?

Você conhece alguma, caro leitor?

Essa gente do MST acha que engana todo mundo. AQUI, por exemplo, um tal Valmir Assunção afirma que as empresas públicas em questão (BNDES, Petrobras, Caixa, BB) patrocinam eventos de associações do agronegócio (cita, por exemplo, ABCZ – Associação Brasileira dos Criadores de Zebu, a FAMASUL – Federação da Agricultura do Estado de MS, entre outras). O sujeito usa esses patrocínios citados para montar sua falácia: se estes eventos são patrocinados pelas estatais, por que eventos do MST não poderiam ser patrocinados por elas também?

Bom, vamos ao óbvio: todas estas entidades têm CNPJ, endereço e responsáveis legais. Se qualquer uma das entidades citadas promovesse invasões, destruição, sequestros, assassinatos, quebrasse o Congresso Nacional ou destruísse plantações de outras empresas (que empregam milhares de pessoas, geram receitas, impostos etc), ela seria PROCESSADA JUDICIALMENTE, e teria que pagar por todo e qualquer prejuízo criado.

O MST, não. Isso porque o MST não existe legalmente. Não tem CNPJ, endereço, responsável legal.

O leitor já ouviu falar de qualquer grupo terrorista com CNPJ, razão social, nome fantasia, sede etc?

Alguém perguntou à CIA qual é o CNPJ da Al-Quaeda?

Aliás, um dos líderes da invasão ao Congresso ocorrida em 2006 foi um senhor chamado Bruno Maranhão. Ele morreu agora em 2014 (não por acaso, ele também foi um dos fundadores do PT). Mas antes de morrer, o ilustre líder de uma das facções do MST vivia neste humilde barraco:

Bruno Maranhão_mst-005Bruno Maranhão_mst-004 Bruno Maranhão_mst-002 Bruno Maranhão_mst-003

Ser invasor de terras, no Brasil, dá dinheiro, né?! Parece um bom negócio!!!!

Parece que faz todo sentido, então, que as empresas patrocinem esse negócio. Internacionalmente, o negócio se chama terrorismo. No Brasil tem outro nome.

Mas não importa: dá dinheiro!!!

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s