ESCOLA SEM PARTIDO: uma cruzada contra a falácia do espantalho

Conforme eu escrevi AQUI no blog, pretendo tratar da iniciativa ESCOLA SEM PARTIDO (vou usar a abreviação ESP, para facilitar) mais frequentemente.

Nos últimos meses, esta iniciativa ganhou espaço no debate público, sendo discutida em jornais, revistas, sites noticiosos e, claro, redes sociais. Ótimo! É urgente discutir a educação no Brasil, haja vista que a qualidade do ensino brasileiro é péssima; tudo o que puder ser feito para melhorar os vergonhosos indicadores de qualidade deve ser feito.

Contudo, ao acompanhar a repercussão sobre a ESP, em especial as críticas feitas ao projeto, fica evidente que o maior inimigo desta valorosa iniciativa chama-se “falácia do espantalho”. Os críticos à iniciativa, ao invés de argumentarem com base naquilo que ela realmente propõe, preferem criticar a idéia por diretrizes e intenções que ela simplesmente não apresenta.

Quem recorre à falácia do espantalho numa discussão, na prática, reconhece que não tem argumentos para rebater aquilo que está sendo discutido. Trata-se de um estratagema reservado aos fracos, aos ignorantes e aos que já perderam. E o que não falta, atualmente, é gente burra se metendo em debates que não tem condição (nem honestidade) intelectual para acompanhar.

Desta forma, ao invés de apresentar seus argumentos, mostrar fatos, os desprovidos de argumentos recorrem ao caminho “fácil”: afirmam que a ESP pretende calar os professores, pretende acabar com as discussões nas escolas, dizem que o projeto “quer calar a educação“, e diversas outras mentiras.

Ao fazer isso, os ignorantes tentam ganhar a opinião pública, infelizmente na base da mentira. É preciso, pois, disseminar a verdade.

O intuito da Escola Sem Partido NÃO é proibir o debate. Pelo contrário: o objetivo é justamente permitir que haja um debate qualificado, ou seja, que os alunos tenham acesso a diferentes e amplas visões, de tal sorte que possam formar suas opiniões e escolhas de maneira embasada – exatamente o oposto do que ocorre hoje, pois os alunos do ensino básico e médio, em especial, são usados por professores que se aproveitam de sua posição de autoridade e “poder” dentro da sala de aula para uma verdadeira lavagem cerebral.

Vamos fazer um teste rápido? Qualquer pessoa que tenha sido aprovada nas aulas de História ou Geografia ouviu falar em diversos “representantes” ou “ídolos” da esquerda, certo? Marx, Sartre, Foucault, Che Guevara, Fidel Castro, Mao-Tsé-Tung, Stálin, Mussolini etc… Quantas, por outro lado, ouviram falar em John Locke, Hayek, Mises, Chesterton, Tatcher, Churchill? No Brasil, quem “depende” dos seus professores de História e Geografia (não apenas, claro, mas principalmente), só recebe informações oriundas da esquerda! Parece que não existe outra visão de mundo.

allanascim_2016-Aug-07

O problema não se restringe aos “professores-militantes”: os livros didáticos também estão contaminados, e oferecem informações distorcidas e/ou erradas (e não é por acaso).

O nome dele é Mario Furley Schmidt e ele é o responsável por um dos capítulos mais obscuros da história da educação no país. Mario é considerado o autor que mais vendeu livros de História no Brasil. Sua coleção, Nova História Crítica vendeu mais de 10 milhões de exemplares e foi lida por mais de 30 milhões de estudantes. Só tem um problema – Mario Schmidt não é historiador e sua obra não passa de mero panfleto marxista. Por receber 10% do preço de cada livro vendido, porém, Schmidt ficou milionário da noite para o dia.

A Nova História Crítica foi recomendada pelo Ministério da Educação. Na compra feita pelo MEC em 2005, o livro representava 30% – a maior parte – do total de livros de história escolhidos. Segundo o editor da Nova Geração, Arnaldo Saraiva, a obra “é o maior sucesso do mercado editorial didático dos últimos 500 anos”. Na coleção, feita para alunos de 5ª a 8ª séries, Schmidt faz contundentes elogios ao regime cubano, afirma que a propriedade privada aumenta o egoísmo, critica o acúmulo de capital e faz apologia ao Movimento dos Sem-Terra (MST). Além disso, trata Mao Tsé-Tung como um “grande estadista e comandante militar”. Por toda obra, o capitalismo e o socialismo são confrontados com informações maniqueístas, distorções bizarras, erros teóricos primários e releituras descompromissadas de qualquer apreço histórico.

Abaixo, algumas páginas de um livro da coleção “Nova História Crítica” (clique para ver a imagem maior), que está mais detalhado AQUI:

Portanto, antes de mais nada, é preciso conhecer quais são as propostas e idéias apresentadas pelo Escola Sem Partido. O vídeo abaixo dá um resumo:

O fundador da iniciativa ESP, Miguel Nagib, escreveu no O Globo (íntegra AQUI):

Sem citá-lo nominalmente, editorial do GLOBO acusa o Projeto de Lei Escola sem Partido — que tramita no Congresso e em dezenas de casas legislativas por todo o país — de tentar “proibir o professor de abordar determinados temas e autores, e mesmo tolher a explicação de ideologias, negando-se ao estudante o acesso a conhecimentos gerais”. E sugere que o seu objetivo seria combater a doutrinação de esquerda com uma doutrinação de direita. Será isso mesmo? Em que consiste, afinal, o PL?

Inspirada no Código de Defesa do Consumidor, a proposta torna obrigatória a afixação em todas as salas de aula do ensino básico de um cartaz com os seguintes deveres do professor:

1) não se aproveitar da audiência cativa dos alunos, para promover os seus próprios interesses, opiniões, concepções ou preferências ideológicas, religiosas, morais, políticas e partidárias;

2) não favorecer nem prejudicar ou constranger os alunos em razão de suas convicções políticas, ideológicas, morais ou religiosas;

3) não fazer propaganda político-partidária em sala de aula nem incitar seus alunos a participar de manifestações, atos públicos e passeatas;

4) ao tratar de questões políticas, socioculturais e econômicas, apresentar aos alunos, com a mesma profundidade e seriedade, as principais versões, teorias, opiniões e perspectivas concorrentes a respeito da matéria;

5) respeitar o direito dos pais dos alunos a que seus filhos recebam a educação religiosa e moral que esteja de acordo com suas próprias convicções.

Será isso “doutrinação de direita”? Será isso “retrógrado”? Ora, esses deveres já existem! Os professores já são obrigados a respeitá-los, sob pena de ofender a liberdade de consciência, de crença e de aprender dos alunos (art. 5º, VI e VIII; e art. 206, II, da CF); a neutralidade política, ideológica e religiosa do Estado (arts. 1º, V, 5º, 14, 17, 19, 34, VII, ‘a’, e 37, da CF); o pluralismo de ideias (art. 206, III, da CF); e o direito dos pais sobre a educação religiosa e moral dos seus filhos (Convenção Americana sobre Direitos Humanos, art. 12, IV).

O projeto não pretende substituir a doutrinação esquerdista — que grassa nas escolas e universidades — por uma doutrinação de direita, mas apenas assegurar o respeito à CF e à CADH no segredo das salas de aula. Não é verdade que pretenda proibir a abordagem de determinados temas, autores e ideologias.

Em http://www.programaescolasempartido.org, pode-se ler seu texto para verificar que o que ele faz é explicitar o dever do professor de não impor aos alunos suas próprias opiniões e preferências religiosas, morais, políticas, ideológicas e partidárias.

O projeto é 100% sem partido, e é por isso que está levando pânico aos partidos que aparelharam o sistema educacional.

Felizmente, há críticas bem feitas ao projeto de lei (alguns exemplos AQUI, AQUI, AQUI, AQUI, AQUI, AQUI), ou seja, críticas que se propõem a acrescentar, melhorar, aperfeiçoar a idéia inicial. Para tanto, é preciso dizer “o trecho X apresenta uma proposta ruim, que ficaria melhor do jeito Y”.

Qualquer idéia, seja uma proposta de negócio, seja um projeto de lei, deve partir de um rascunho inicial, um esboço. Ao longo do tempo da discussão deste esboço, novas idéias serão incorporadas, alguns trechos do rascunho inicial serão apagados, outros serão corrigidos, alguns tantos serão incluídos… Esse é o processo natural!

Para que o processo caminhe, as críticas são muito bem vindas, desde que elas sejam baseadas naquilo que o esboço inicial apresenta. Infelizmente, isso não tem sido observado pela maioria das críticas que vêm sendo feitas ao projeto de lei e à ESP. Aliás, cabe ressaltar: a iniciativa chamada Escola Sem Partido tem vários anos, e o projeto de lei ora apresentado no Senado é apenas uma das consequências desta iniciativa mais antiga. É bom que não se confunda a iniciativa ESP com o Projeto de Lei (PL) que está no Senado, nem com os demais projetos de lei que estão em discussão/tramitação nas Assembléias de diversos Estados atualmente. As duas coisas estão relacionadas, mas são distintas.

No último dia 05/08, no ValorEconômico, um artigo que segue à risca a definição de falácia do espantalho (AQUI) é de corar de vergonha. O autor do texto não apenas não se deu ao trabalho de ler o projeto de lei que está no Senado, como, pior, simplesmente inventa um monte de coisas que NÃO fazem parte do projeto proposto pela ESP. Criticar um projeto que não leu? Vergonhoso. Criticar um projeto afirmando que ele tem um objetivo quando, na verdade, o objetivo é outro? Desonestidade intelectual.

Lamentavelmente, o autor desta pérola da falácia também ignorou completamente os fatos. O mais gritante deles: sim, existe doutrinação nas escolas. O segundo mais gritante: a educação no Brasil é muito (muito!) ruim – e isso decorre de uma série de fatores (razões). Uma destas razões (não a única, obviamente) é que há professores que estão mais preocupados em doutrinar do que em ensinar.

O autor desta pérola da falácia do espantalho que o Valor Econômico publicou deveria conhecer o Colégio Estadual Professora Maria Gai, em Curitiba, aonde os alunos do 1º B, orientados por sua “professora” de Sociologia, Gabriela Viola, produziram esta beleza aqui:

Finalmente, é preciso destacar mais um fato relevante que vem cercando as discussões sobre o projeto ESP: o nível intelectual de seus críticos/detratores.

Fernando Haddad, o pior Ministro da Educação da História do Brasil e o pior prefeito da História da Humanidade, criticou o ESP, assim como Dilma Ruinsseff.Quando dois boçais como Haddad e Dilma criticam alguma idéia/iniciativa/fato, há 99,8% de chances de esta idéia ser excelente.

Mas não foram apenas estes “jênios” que se manifestaram sobre a ESP: Marcelo Rubens Paiva, Renato Janine Ribeiro e Leandro Karnal são outros nomes que escolheram a falácia do espantalho e a ignorância dos fatos. O nível de argumentação dos três “jênios” petistas é mais rasteiro do que o cu da cobra no subsolo.

Não bastassem estes “jênios da rassa”, há, claro, aqueles que se dizem jornalistas mas não conseguem disfarçar seu petismo adestradinho, como o sempre dispensável Leonardo Sakamoto, dono de um dos blogs mais cretinos já criados.

Ah, temos também o grande PENSADOR, INTELECTUAL, Tico Santa Cruz (quem?!), que também tem medo do ESP, por isso prefere disseminar mentiras ao invés de apontar, com base nos fatos, quais são os problemas do ESP. Outro grande PENSADOR, INTELECTUAL que tem medo do ESP é o sempre brilhante (sim, isso foi uma óbvia ironia) Gregorio Duviver. Ambos, não por acaso, são defensores ferrenhos do petismo, da corrupção, do crime, do roubo do dinheiro público etc…(sem mencionar a dependência de dinheiro úblico, tipo Lei Rouanet)

Seria coincidência que sindicatos e grupos formados por militontos do PT, PSOL e outros partidos de extrema-esquerda são integralmente contrários ao ESP? E não poderia deixar de mencionar a UNE, aquela ONG financiada pelo Estado e dominada pelo PCdoB há uns 20 anos…. O eterno linha-auxiliar PCdoB, o partido comunista, é contra o ESP (outra falácia do espantalho desta linha-auxiliar do PT está AQUI).

Até o PSTU, que defende a revolução comunista/socialista armada, é contra o ESP – claro! Gente do PSOL, de extrema-esquerda que ainda apoia sem pudores a ditadura militar bolivariana, e raramente sabe ler e/ou escrever, tem medo do ESP também.

E quando os “coletivos” que servem de linha-auxiliar do PT (ESTE, ESTE, ESTE ou ESTE) se colocam contra o ESP, é coincidência? Juntem-se a eles os blogs sujos, e a mídia chapa-branca, todos financiados com dinheiro público pelo PT, e pergunto novamente: será coincidência?

Não, isto não é coincidência, é medo. Com método: a falácia do espantalho.

Como nenhum destes picaretas consegue rebater os argumentos que efetivamente sustentam o projeto ESP, eles afirmam que a iniciativa pretende criar um tipo de censura, pois fica mais fácil “convencer” a opinião pública a ser contra a censura – e, destarte, contra o Escola Sem Partido. Eles todos optam pelo caminho fácil oferecido pela falácia do espantalho: criam um “espantalho” (a afirmação de que o projeto ESP defende censura) e criticam o espantalho, ao invés de criticar as propostas REAIS do ESP.

Alguns dias atrás, uma tal “Associação Nacional de História” (ANPUH), que obviamente é contra o ESP, pois apoiá-lo demanda uma liberdade que eles não reconhecem, pagou um mico gigantesco do Twitter:

2016-08-07 02.44.47

O jornalista Alexandre Garcia havia publicado em seu twitter um vídeo curto, apoiando o projeto Escola Sem Partido. Entre outras coisas, ele apenas apontou o FATO de que muitos professores ensinam História de forma errada, distorcida, para que suas preferências ideológicas prevaleçam sobre os fatos.

Irritada, pois sabe que isso é verdade, a tal “ANPUH” escreveu que o jornalista Alexandre Garcia havia sido “porta-voz do ditador João Figueiredo”, e indicou o período compreendido entre 1974 e 1978.
O problema é que neste período (1974-1978) o presidente era Ernesto Geisel, não Figueiredo. O tweet da associação de professores de História que NÃO sabem História foi desmascarado, eles apagaram o tweet posteriormente, mas o mico foi registrado.

ATUALIZAÇÃO: Depois que eu já havia publicado este post, o jornalista Alexandre Garcia jogou mais uma pá de cal na patética ANPUH, como pode ser lido AQUI.

otmar03_2016-Aug-07

Pode-se concluir, assim, que quem critica o Escola Sem Partido, não por acaso, integra o grupo daqueles que defendem o PT, a corrupção, o uso do Estado por apenas um partido, defendem ditaduras que prendem e matam quem discorda do governo (como Venezuela, Cuba, Coréia do Norte, Irã) etc…

Em suma, quem critica o ESP não aceita, jamais, ter seu status quo questionado.

2016-08-03 19.09.15

E não poderia faltar o próprio PT recorrendo às mentiras para afirmar que o ESP quer proibir o debate, quando o projeto quer fazer justamente o oposto disso.

E, claro!, há os professores-militontos de sempre (mostrei outro tipinho desse AQUI):

ESP_Rodrigo Dorneles_01ESP_Rodrigo Dorneles_02

Mais uma vez: com um “time”  deste quilate zurrando contra o ESP, minha vontade de apoiar a iniciativa só aumenta!  Não só isso: o fato de ver estes boçais demandando que o país continue a ter escolas COM partidos me oferece a certeza de que o Escola Sem Partido é uma iniciativa urgente!

Isto posto, quero manifestar a MINHA opinião sobre o Escola Sem Partido. Porém, como este post já ficou muito longo, farei isso num outro texto. Publico brevemente, incluindo um caso que aconteceu comigo, no colegial, quando tive uma professora-petista – aquele tipinho que encaixa uma ou duas aulinhas (bem vagabundas) entre as dezenas de atividades do partido.

Comentários

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s