Produto certo, no momento certo: Honda HR-V

Leio no jornal O Globo (íntegra AQUI) o seguinte:

Com filas de espera de dois meses, a Honda acaba de aumentar em R$ 2 mil os preços do utilitário HR-V, lançado em março.
A versão básica (LX com câmbio manual) subiu de R$ 69.900 para R$ 71.900. Com a caixa automática do tipo CVT, o valor foi de R$ 75.400 para R$ 77.400,00.
Na versão intermediária (EX), o preço aumentou de R$ 80.400 para R$ 82.400,00. Por fim, o topo de linha EXL foi aumentado de R$ 88.700 para R$ 90.700.
Em apenas quatro meses nas concessionárias, o HR-V já é o utilitário mais vendido no Brasil: só em junho, foram 5.229 unidades, contra 3.482 Renault Duster, 3.059 Jeep Renegade e 2.628 Ford EcoSport.
No Rio, o HR-V já é o carro 0km mais emplacado, superando hatches e sedãs de preço mais em conta.

Como pode? Estamos em meio a uma gravíssima crise econômica (a mais grave dos últimos 20 anos) no Brasil, o setor automotivo está demitindo milhares de pessoas a cada semana, colocando outras milhares em lay-off, a recessão só dá sinais de piorar e, no meio disso tudo, uma empresa pode se dar ao luxo de AUMENTAR o preço do seu carro?

Como pode?

Esta é a magia do mercado, da concorrência, do capitalismo.

Quando uma empresa lança o produto certo, no momento certo, ela até pode cometer alguns erros – mas as chances de ter sucesso aumentam muito. O segmento de SUVs pequenos era dominado pelo EcoSport, da Ford. Mas como ele ficou muito tempo sem concorrência, acabou sendo o líder mais por inércia do que por méritos próprios.

A Honda demorou, mas ela lançou um produto superior ao Ford EcoSport – e pegou a concorrente americana no momento certo: a curva descendente do EcoSport, que sempre foi espartano, com motor fraco e, como não tinha concorrentes à altura, podia cobrar o preço que quisesse. Ganhou market-share, e levou outras empresas a tentar criar produtos (carros) para disputar o mercado.

Contudo, os produtos criados para concorrer com o EcoSport eram igualmente fracos – especialmente da Renault, uma fabricante com assistência técnica (serviço) ruim e reputação duvidosa: os carros da Renault no Brasil são descontinuados sem mais nem menos, gerando insegurança entre os clientes, que podem comprar um carro que em poucos meses será peça de museu.

A Honda tem uma reputação exatamente oposta: a fama de carros que não quebram (eu confirmo: é verdade), assistência técnica boa (inclusive com preços justos), com unidades fabris no Brasil, estabilidade de produtos (basta ver há quanto tempo Civic, Fit e City são vendidos no Brasil) e disponibilidade de peças.
Obviamente, um design matador não atrapalha:

Honda-HR-V-Brasil-04

Alguns vão argumentar que o interior do HR-V é espartano, o motor é fraco para o tamanho do carro etc… Bom, eu não disse que o produto é perfeito.

Mas para o segmento-alvo que a Honda quis atingir, ele oferece o necessário – e equilibra a construção boa com a fama da Honda (de inquebrável) e assistência técnica renomada. A Honda tem outro produto (CR-V) com motor maior, interior mais sofisticado – e preço bem superior, claro.

Mas é preciso ter em mente: o público-alvo da Honda, com o HR-V, não é o mesmo que compra um Audi Q7, um Range Rover ou um Mercedes GLR. O alvo da Honda era atingir justamente quem comprava o EcoSport – que tem motorização fraca, interior mais do que espartano, barulhos inconvenientes, assistência técnica desleixada etc…

Em suma: você não precisa oferecer o produto PERFEITO – precisa oferecer o produto ADEQUADO para determinado segmento de mercado.
Foi exatamente o que a Honda fez.

Graças a isso, ela pode se dar ao luxo de aumentar o preço do HR-V em meio à crise gravíssima – particularmente devastadora para o setor automotivo. E ainda tem fila de espera!

Finalmente uma boa entrevista com a Dilma

Depois que o decadente Jô Soares (Rest In Peace) fez aquela presepada ridícula que alguns chamaram de “entrevista” com a Presidanta Dilma Ruinsseff, Danilo Gentili aproveitou o material insosso e produziu uma sequência de montagens hilárias:

Parte 1:

Parte 2:

Parte 3:

Alguém ainda se lembra da época (décadas atrás) em que Jô Soares era engraçado?

Estratégias de empresas para a base da pirâmide

Leio no site da FEA/USP (aqui) sobre o lançamamento de um livro que me parece bastante interessante (grifos meus):

Uma pesquisa realizada com cerca de 40 stakeholders (colaboradores, clientes, fornecedores e distribuidores) procurou analisar as estratégias utilizadas por algumas empresas para desenvolver negócios e atrair consumidores da base da pirâmide econômica, nas comunidades pacificadas do Rio de Janeiro. O resultado desse trabalho está detalhado no livro “Estratégias de Empresas para a Base da Pirâmide” (Atlas), que será lançado no dia 17 de junho, às 19h, na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP (FEAUSP).

Com o subtítulo “Técnicas e ferramentas para alcançar os clientes e fornecedores da nova classe emergente”, a obra é fruto de um trabalho de campo, realizado entre julho de 2012 e janeiro de 2013. Foram realizadas entrevistas com cerca de 40 stakeholders relacionados a um grupo pré-selecionado de empresas de grande porte presentes nas comunidades pacificadas, de setores como serviços financeiros, beleza, serviços de eletricidade, e capacitação e orientação empresarial. Os entrevistados possuíam cargo de diretoria ou gerência; eram ligados a departamentos, setores ou áreas de novos negócios voltados para as comunidades de base da pirâmide; ou eram clientes, fornecedores ou distribuidores.

Segundo os autores, a escassez de informações na literatura sobre as estratégias das empresas voltadas para a nova classe emergente que vive nas comunidades onde foram instaladas as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora), no Rio de Janeiro, foi o que motivou a realização da pesquisa, sobretudo no que tange aos impactos econômicos e sociais gerados pela entrada das empresas nessas localidades. Outros aspectos decisivos foram o crescimento do poder aquisitivo do brasileiro, a importância da população de baixa renda no contexto econômico e social do RJ e o maior interesse das empresas em conhecer e desenvolver negócios nessas regiões. Entre 2008 e 2013, o Estado do Rio recebeu 38 UPPs, que atendem cerca de 1,3 milhão de pessoas.

Na análise dos resultados, observou-se que as empresas vêm aplicando pesquisas para identificar os padrões de consumo das comunidades, visando lançar produtos mais adaptados, conversando com os moradores, entrevistando vizinhos e conhecidos para conceder crédito, e mantendo relação direta com consumidores e promotores. A ideia é desenhar estratégias de aproximação, articulação e sensibilização que considerem as carências do público-alvo. No entanto, os autores concluíram que as estratégias de aproximação são feitas ainda de maneira tímida.

O estudo buscou, ainda, identificar as principais mudanças nos produtos e serviços da empresa, se foi lançado algum produto ou serviço novo, se a cadeia produtiva sofreu modificações e se o modelo de negócio sofreu alterações. No tocante aos produtos e serviços, os autores afirmam que “as observações sobre a adequação do produto reforçam a conclusão de que ela é fundamental para as empresas, seja através da adaptação da linguagem, da comunicação, da estrutura física, da forma de pagamento, ou da flexibilização de exigências burocráticas”.

Com relação a ensinar os clientes a utilizar o produto, estimulá-los a instalar os produtos e permitir testar antes de comprar, os autores constataram que as empresas vêm tendo atuação acanhada, perdendo assim a oportunidade de validar a adequação do produto ao público-alvo com a finalidade de realizar algum refinamento necessário.

Estratégias de Empresas para a Base da Pirâmide – Técnicas e ferramentas para alcançar os clientes e fornecedores da nova classe emergente
Autores: Fernando Filardi e Adalberto Fischmann
Editora Atlas – 2015
Páginas: 184

Não li o livro, portanto não posso emitir qualquer opinião. Contudo, o tema me parece interessante e relevante.

livro base piramide

As empresas precisam monitorar frequentemente os hábitos de consumo de seus potenciais clientes, e muito foi dito e escrito sobre uma tal “nova classe média” no Brasil nos últimos anos. Infelizmente, houve a produção em massa de enormes quantidades de bobagens – como por exemplo dizer que um sujeito que ganhe cerca de R$ 500,00 mensais seja “classe média”. Eu já tratei desse assunto aqui no blog algumas vezes.

Assim, é preciso que pessoas sérias tratem desse assunto, porque se depender de uns e outros boçais a serviço do (des)governo, só lixo será produzido.

Geração mimimi: chata, burra e intolerante

Eu já escrevi aqui no blog sobre os recentes casos do “mimimi” gerado pelos militontos limitantes do politicamente correto envolvendo a Skol/Ambev (AQUI e AQUI). Parece que agora surge um novo episódio de gente chata, burra, melindrosa e intolerante por semana.

A coisa está piorando – muito rapidamente. Alguns dias atrás, foi o caso do Boticário. Agora, por ironia do destino, a campanha alvo do “mimimi” pretendeu fazer um trocadilho justamente com o … “mimimi”! Leia o resumo (íntegra AQUI):

A farmacêutica Sanofi anunciou nesta quinta-feira que vai tirar do ar a campanha do medicamento Novalfem, que causou ira nas mulheres nos últimos dias depois de associar cólica menstrual a “mimimi”. A propaganda é estrelada pela cantora Preta Gil, que foi criticada nas redes sociais por ligar sua imagem ao medicamento.

Leia o comunicado da empresa:
“Para Novalfem, a dor é coisa séria, independentemente do tipo ou da intensidade. Considerando que a marca foi desenvolvida para proporcionar alívio às dores de cabeça, cólicas menstruais e enxaqueca, de leve a moderada intensidade, a proposta da campanha “Sem Mimimi” foi abordar, de maneira mais leve, alguns desconfortos que as mulheres vivem, valorizando inclusive a sua vontade de superá-los. Acatamos as opiniões publicadas e esclarecemos que, em nenhum momento, se pretendeu subestimar o impacto dessas dores ou desrespeitar quem as sente. Em consideração às pessoas que manifestaram a sua insatisfação, Novalfem decidiu retirar a campanha.”

Revolta – A página de Facebook da cantora se tornou um muro de lamentações de fãs indignadas com a campanha. “Minha linda, gosto tanto de você! Mas ver você como garota propaganda de um marketing mal feito me deixou triste. Cólica menstrual está longe de ser mimimi e pode ser um problema de saúde muito sério”, disse a seguidora do perfil pessoal de Preta, Dayse Paula. A seguidora Wanessa Siqueira foi mais além, classificando a propaganda como ridícula. “Preta, é lamentável sua participação nessa campanha! Te admiro como artista, mas, em minha opinião, essa campanha é um tanto quanto ridícula, grosseira e preconceituosa”, escreveu a possível ex-fã da cantora.

Preta Gil resolveu responder aos fãs na noite desta quinta-feira. Disse que havia achado a ideia ” divertida” e que discutir o assunto de forma “leve” tinha tudo a ver com ela. ” Em nenhum momento enxerguei como algo machista ou que desmerecesse quem sente cólicas fortes. Mas o fato foi que muitas mulheres se sentiram desrespeitadas. Li muitas coisas e me solidarizo com a maioria dos depoimentos e, em consideração a elas, a campanha foi interrompida. Muitos beijos com carinho, Preta”, escreveu a cantora.

O Meio & Mensagem tratou do caso da Sanofi também (íntegra AQUI):

A polêmica envolvendo a campanha “Casais”, da AlmapBBDO para O Boticário, em função do Dia dos Namorados, mal esfriou e uma nova ação publicitária voltou a chacoalhar as redes sociais nesta quarta-feira 10. Diferentemente do vídeo da marca de cosméticos que mostrava casais homossexuais e foi criticado por grupos conservadores, a campanha #SemMimimi, do analgésico Novalfem, marca do laboratório Sanofi, desagradou em boa parte o público feminino, alvo do produto, e será retirada do ar.

A principal reclamação em relação à ação criada pela Publicis, protagonizada por Preta Gil e veiculada exclusivamente na internet, é o fato de ter relacionado a cólica ao “mimimi”, ou algo sem importância.

Na tarde da quarta-feira 10, a Publicis se retratou no Facebook em resposta à polêmica alegando que em nenhum momento houve a intenção de minimizar as dores das mulheres. Posteriormente, a Novalfem também se posicionou e decidiu reavaliar a campanha. “Acatamos as opiniões publicadas e esclarecemos que, em nenhum momento, se pretendeu subestimar o impacto dessas dores ou desrespeitar quem as sente.”

Entretanto, o posicionamento de ambas não esfriou os ânimos. Nesta quinta-feira 11, após diversas reuniões ao longo do dia, a Sanofi decidiu retirar do ar a campanha. Em sua página no Facebook, a Novalfem informou que, em respeito às pessoas que se manifestaram contra a ação, ela será retirada do ar nesta sexta-feira 12.

Ao comentar o lançamento da campanha, na edição impressa desta semana de Meio & Mensagem, Natalia Ramos, gerente de produto da marca Novalfem, disse que o objetivo era tratar o assunto de forma leve: “Apostamos em uma linguagem descontraída para falar com uma mulher que é conectada, informada e inteligente”. Já Kevin Zung, diretor-executivo de criação da Publicis, ressaltou que a escolha de Preta Gil tem a ver com o tema e a popularidade que ela possui no ambiente virtual. Ao que parece, as duas estratégias não deram certo.

Coincidentemente, a repercussão negativa da campanha de Novalfem ocorreu no mesmo dia em que Hugo Rodrigues, CEO da Publicis, comentou, em um evento da Associação Brasileira de Anunciantes (ABA), que as agências precisam ousar mais. No contexto, ainda antes da reação das redes sociais à campanha de Novalfem, Rodrigues falava sobra a repercussão da ação de O Boticário e a importância de as marcas assumirem um papel social. Rodrigues e Zung são os diretores de criação da campanha de Novalfem, criada por Daniel Schiavon, Juliana Patera, Laercio Lopo e João Morgan.

Até a manhã desta quinta-feira 11, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) não havia recebido nenhuma reclamação a respeito da campanha de Novalfem. De acordo com Adam Gagen, diretor da World Federation of Advertisers, uma espécie de autorregulador belga, casos polêmicos como esses devem sim ser discutidos pela sociedade e julgados pelos órgãos competentes. Gagen comentou, no mesmo evento da ABA, que o caso de O Boticário já virou case mundial, mas que as repercussões em volta de campanhas estão cada vez mais fortes ao redor do mundo. “Não é algo específico do Brasil, as redes sociais permitiram que os consumidores ampliassem seus pontos de vista e isso tem impacto na indústria da propaganda, em casos como estes deve haver o debate da forma mais saudável possível”, diz Gagen.

Não é a primeira vez que a Sanofi aborda temas de grande repercussão em suas campanhas. Em 2010, uma ação do sabonete Dermacyd com Grazi Massafera foi alvo do Conar. Na ocasião, a propaganda exibiu imagens da atriz com sua ginecologista, o que é proibido pelo Código de Ética Médica, motivo que levou o Conar a pedir sua alteração. Um comercial do analgésico Dorflex, de 2013, também foi alvo de críticas usando o termo “otário”. Também em 2013, Dermacyd voltou a chamar atenção com a campanha “Durmo sem calcinha”. O case foi trend topic no Twitter em menos de 20 minutos e ganhou o Lead The Change Awards, um prêmio internacional que envolve toda a rede Publicis Worldwide.

Pois essa geração “mimimi” não é apenas chata, pentelha e intolerante. A origem disso tudo é a ignorância e a falta de bom senso. Há poucos dias, o comediante Jerry Seinfeld falou sobre o assunto: o politicamente correto está matando o humor. Eu digo mais: o politicamente correto está matando o bom senso e a inteligência. Eis aqui um trecho do que disse o criador da série Seinfeld:

Jerry Seinfeld believes political correctness has put comedy on a self-destructive path. During a recent ESPN interview, host Colin Cowherd mentioned to Seinfeld that Chris Rock and Larry the Cable Guy intentionally don’t perform at college campuses because the students are too politically correct. “I don’t play colleges, but I hear a lot of people tell me, ‘Don’t go near colleges. They’re so PC,'” said Seinfeld.

He continued, “I’ll give you an example: My daughter’s 14. My wife says to her, ‘Well, you know, in the next couple years, I think maybe you’re going to want to be hanging around the city more on the weekends, so you can see boys.’ You know what my daughter says? She says, ‘That’s sexist.’” Seinfeld said college students don’t understand racism and sexism. “They just want to use these words: ‘That’s racist;’ ‘That’s sexist;’ ‘That’s prejudice.’ They don’t even know what the f—k they’re talking about.

When Cowherd asked Seinfeld if he thinks being too PC is hurting comedy he said it is. In another part of the interview the comedian said, “I have no interest in gender or race or anything like that. But everyone else is kind of, with their calculating—is this the exact right mix? I think that’s—to me it’s anti-comedy. It’s more about PC-nonsense.”

Se o leitor quiser inclusive OUVIR a entrevista do Seinfeld, pode fazê-lo AQUI.

Eu já escrevi diversos posts aqui no blog sobre o politicamente coreto – e algo comum a todos é a constatação de que são justamente as pessoas que mais se esforçcam em defendê-lo as mais ignorantes e toscas. Alguns exemplos:

2015-06-05 19.53.17

10408136_774697015983806_1264604084100372475_n

Tweetbot 3

Zédiabreu_e_cubana_01

Zédiabreu_e_cubana_02

Para arrematar, reproduzo a coluna do Luiz Felipe Pondé de 08/06 (AQUI), que trata de uma questão intimamente ligada a esse politicamente correto e os seus efeitos nas novas gerações, que produzirão um bando de débeis mentais em pouquíssimo tempo (na verdade, já estão produzindo!):

O mundo fica a cada dia mais ridículo. Hoje, para provar essa tese, darei três exemplos de ideias equivocadas que assumem ares de coisa séria.

Duas delas vêm da pedagogia, das escolas de crianças, um dos campos em que o absurdo tomou conta das pessoas. As escolas viraram laboratórios de “experiências” em muitas áreas. Em vez de ensinar as capitais dos Estados e dos países, querem ensinar as crianças como elas devem se sentir (o que é “correto” sentir) diante das coisas. Muita dessa gente nem tem “moral” para pregar para os outros. Não confio em ninguém que posa de “correto”.

Vamos ao primeiro exemplo. Tenho ouvido falar que em muitas escolas virou costume fazer um dia em que meninos vão vestidos de meninas e meninas vão vestidas de meninos.

Na cabeça desse povo, esse dia deve ser dedicado ao combate à violência de gênero. O que esses professores não sacam é que um pedido desse para crianças é em si uma violência de gênero e uma covardia, levando-se em conta que são crianças e que não têm como se defender dos delírios de teóricos bobos. E o pior é que pais inteligentinhos acham essa bobagem a última palavra em “ética”. Risadas?

Outro dia ouvi de um menino de sete anos da classe C que sua professora pensava que ele era uma travesti porque tinha dito na classe que no dia X os meninos deviam ir vestidos de meninas e vice-versa. Mas, como ele não era uma travesti, recusou-se a ir vestido de mulher e me falou: “Eu não fui porque não sou travesti”.

Veja, isso nada tem a ver com travestis adultos ou o direito de o ser (que julgo inquestionável, do ponto de vista do contrato democrático em que vivemos). Isso tem a ver com taras teóricas de professoras autoritárias que infernizam a vida das crianças com suas ideias descabidas.

Digamos de uma vez por todas: ninguém entende patavina de sexualidade. Mas ficou na moda dizer que entende.

Imagino que a autoritária de gênero, a professora desse menino (e de outros tantos e tantas), veja preconceito na fala dele. Eu vejo nessa professora a alma totalitária típica desses comissários do bem social. Uma praga que infesta as escolas e o mundo como um todo.

O mundo está cheio desses comissários, uma espécie de gente mandona que atormenta os outros com suas taras teóricas.

A verdade é que o mundo sempre foi um poço de loucuras, taras e incoerências. Por que agora passamos a achar que basta se dizer a favor do bem social e essa pessoa está a salvo de ser um obcecado qualquer exercendo suas taras teóricas sobre crianças que não têm como se defender diante dessas bobagens? E o pior é que muitos psicólogos abraçam essa baboseira.

O segundo exemplo também vem da educação: a decisão de mudar letras de músicas como “atirei o pau no gato” para coisas como “não atirei o pau no gato”, a fim de fazer com que as crianças não maltratem os gatinhos. Crianças, na sua maioria esmagadora, sempre amaram gatinhos. Mas crianças não são anjinhos e, quando o são, são doentes. Por que psicólogos, pedagogos e pais se unem numa prática ridícula como essa? Ninguém mais quer ter filhos, e os poucos que têm os torturam com essas ideias bobas.

Duvido que músicas assim nos façam amar mais os gatinhos, assim como acredito que existam veganos infames e carnívoros malvados no meio da humanidade. Penso mais que músicas assim visam apenas satisfazer a tara teórica de algum pedagogo ou psicólogo que, em vez de estudar a sério, fica embarcando em modinhas. É mais um exemplo de comissários do bem social.

Esses caras devem achar que assim não existirão mais guerras no mundo e não precisaremos mais matar seres vivos para viver. Eis os famosos idiotas do bem.

E, por último, a terceira ideia: os mandões que querem nos proibir de comer foie gras em nome do bem dos patinhos. Adoro patinhos. A forma de produzir foie gras é mesmo feia. Mas, pergunto-me: quem ou o que esses santos contra o foie gras torturam por trás das cortinas?

Aposto que a mesma moçada que chora por gatinhos e patinhos não chora por bebês abortados. Interessante esse cruzamento de (in)sensibilidades, não?

 

Agora uma brincadeirinha: observe a imagem abaixo:

2015-06-10 08.53.55O leitor consegue identificar, entre a imagem que reproduz uma afirmação da Giovana Lima e a de baixo, da Lídia Telles, qual delas é “piada” e qual delas é “séria”?

2015-06-11 14.26.24

A geração “mimimi” é composta por gente tão burra que fica impossível distinguir uma afirmação falsa, claramente humorística, absurda, de uma afirmação tida como “séria” pelo ameba em coma que a proferiu.
Em tempo: a “Lidia Telles” é uma personagem fictícia, criada justamente para escancarar a idiotia de gente como Giovana Lima.

E o sempre boçal, sempre desonesto, e sempre asqueroso Jean Wilis? Abaixo:

2015-06-11 16.59.36

Pena que haja quem vote neste escroque…

2015-06-11 20.32.52

Aonde estão os black blocs?

Tive que ver este vídeo mais de uma vez para ter certeza de que o Sergio Mamberti realmente falou as bobagens que eu inicialmente achei que ele falou:

Sim, ele falou.

Caso o YouTube derrube o vídeo, ele pode ser baixado NESTE LINK.

Primeiro: eu achava que ele já havia morrido, há bastante tempo. Pelo visto, ainda está vivo. Bom, ao menos fisicamente, porque intelectualmente…

Segundo: meia dúzia de dementes chegaram a dizer que os black blocs eram INIMIGOS do PT e das “esquerdas”. Houve uma inundação de chorume dos sedizentes “intelectuais de esquerda”, aquela gente que não sabe ler, escrever nem pensar, fazendo um esforço hercúleo para dizer que black bloc era um grupo fascista, ou tentando qualificar como um grupo da extrema-direita. Valia qualquer coisa para esconder a verdade.
Lembro, inclusive, no Roda Viva que entrevistou o Lobão, de um “jornalista” (que deve ser filiado ao PSOL, a julgar pelo QI de samambaia e pela aparência suja) dizendo que black blocs eram de direita “PORQUE ELES USAM MÁSCARA“. Sim, o fato de usarem máscaras era a prova, na cabecinha oca do sujeito, de que os black blocs são de direita:

Evidentemente é uma bobagem: os black blocs não chegaram nem perto das manifestações contra o PT por diversas razões – a principal delas é que as lideranças dos black blocs (bem como daqueles imbecis do Movimento Passe Livre – que, aliás, desapareceu, né?!) são defensoras ardorosas do PT. Preciso citar a fugitiva da justiça “Sininho“?

Terceiro: o Sergio Mamberti faria um bem incomensurável à sua biografia se tivesse a decência e a vergonha na cara de se afastar dessa quadrilha com registro partidário chamada PT. Ao manter a defesa dos corruPTos, ladrões e incomPTentes, ele está se colocando como um.

A verdadeira estrela